21/02/2017 às 09h39min - Atualizada em 21/02/2017 às 09h39min

CINEMA Hugh Jackman divulga “Logan” no Brasil

Ator participou de entrevista coletiva para imprensa da América Latina em São Paulo no domingo

AGÊNCIA ESTADO | SÃO PAULO
Jackman publicou em seu instagram uma foto com a camisa verde-amerela e na legenda “Vai Brasil”

O pingado fez efeito. Hugh Jackman chegou a São Paulo na manhã de domingo (19), por volta das 6h. O ator de 48 anos veio direto de Berlim, onde no festival de cinema apresentou o mais novo filme, “Logan”, a nona e última aparição de Jackman como Wolverine. O protagonista do longa que estreia no Brasil em 2 de março publicou um vídeo em suas redes sociais no qual avisava aos fãs que estava na cidade e experimentava um café “o primeiro pingado”, disse em português. Pela expressão de vibração ao levar a xícara na boca, ele gostou. Pelo pique exibido horas depois, a cafeína fez efeito.

Jackman não está em São Paulo para tomar cafezinho - ou, pelo menos, não só para isso. Em uma rotina digna de uma estrela da música, na qual as horas de sono são gastas em aviões transatlânticos, o ator australiano corre o mundo para divulgar seu personagem mais antigo. Poucas horas depois de aterrissar no País, ele já estava diante da imprensa de toda a América Latina, em um hotel na zona sul da cidade, para uma coletiva de imprensa.

"Obrigado", dizia ele em português, a cada momento que lhe parecia oportuno. Também elogiava as questões que lhe eram feitas, como sobre o que sentia ao se despedir de um personagem que o acompanhou por tanto tempo. "Não estou me despedindo de Logan. Tenho a impressão de que ele sempre estará comigo", disse o ator.

Já sem o curativo que usava ao desembarcar no Aeroporto de Guarulhos - ele está tratando um câncer de pele benigno -, Jackman era só sorrisos. Afinal, desde 2000, quando foi chamado às pressas para ocupar a vaga então de Dougray Scott no filme “X-Men”, de Bryan Singer, ele é o rosto do Wolverine. A identificação desde então é tamanha que nem mais a altura do ator, 1,88 m, é um problema para um personagem que nas HQs, é famoso pela baixa estatura. Os urros selvagens na tela e a simpatia fora dela garantiram um longo casamento entre Jackman e Logan, o mais famoso mutante entre os X-Men.

Humanização dos personagens

A união chega ao fim com “Logan”, um filme de John Mangold, o mesmo de “Wolverine: Imortal”, de 2013, a segunda aventura solo do personagem. É o fim de uma era. Quando Jackman assumiu o papel do mutante de garras afiadas, heróis estavam em baixa no cinema. Algo que mudou, basta  olhar a conta bancária de Robert Downey Jr., o Homem de Ferro nos cinemas. "A Comic Con de San Diego, quando começamos, deveria reunir 15 mil pessoas. Agora, são 500 mil. Os heróis são uma parte muito importante da indústria do entretenimento. E tudo isso começou com X-Men", diz Jackman.

O ator elogia o trabalho de Singer naquele filme que iniciou essa nova fase dos heróis nas telonas. E ele diz que o sucesso da franquia e de toda as outras que vieram depois foi pela humanização dos personagens, por mais fantasiosas que as histórias fossem. "Nos sets de ‘X-Men’, Bryan vetou todas as histórias em quadrinhos no set. Ele dizia que estávamos fazendo um filme sobre pessoas, sobre discriminação. Tentamos fazer isso também em ‘Logan’."

O novo filme do Wolverine se passa no futuro, em 2029 e os mutantes estão quase extintos. O personagem está naquilo que Jackman chama de "inverno de sua vida", com seus poderes de cura comprometidos, cabelos grisalhos e cicatrizes espalhadas pelo corpo. "Esse filme é sobre envelhecer, sobre a morte, sobre família, sobre riscos."

Prestes a deixar a franquia dos “X-Men” de vez, Jackman chama Wolverine pelo nome civil, de Logan. E isso ajuda a entender o motivo pelo qual o filme segue um caminho de humanizar ao máximo um dos mais queridos personagens das HQs.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »