24/06/2017 às 19h17min - Atualizada em 24/06/2017 às 19h17min

Esqueça a privacidade

ALEXANDRE HENRY ALVES* | COLUNISTA

A privacidade morreu, se você ainda não sabe. Na sociedade da informação, é bobagem achar que você vai viver no meio urbano de forma anônima, sem que ninguém possa descobrir nada de você. Um clique e basta: seus dados já são revelados na internet para quem quiser. E o pior é que você pode fazer muito pouco para evitar que isso ocorra.

Outro dia, um amigo me escreveu assustado, dizendo que meus telefones estavam todos disponíveis em um site chamado "Telefone Ninja". Consultei e realmente estava tudo lá. Quer dizer, mais ou menos. Havia registros antigos de vários endereços em que eu morei, bem como alguns números desatualizados. Foi até bom, porque eu havia perguntado dias antes para a minha esposa o nome da rua em que tínhamos morado em Uberaba e não conseguimos nos lembrar. Pois o "Telefone Ninja" tinha tudo registrado. Pensei até em não clicar na ferramenta do site para exclusão de dados, guardando aquilo como uma memória das minhas mudanças, mas preferi pedir para excluírem. Dias depois, consultei e realmente meus dados não estavam mais lá, o que não significa que não voltarão a aparecer em outros sites.

Eu já não me estresso com isso. Claro, continuo de olho em abusos, mas sem perder meus poucos cabelos pelo que é revelado na internet sobre mim. Tento manter a calma simplesmente porque não dá para brigar com a nova realidade. Penalizar os donos de páginas que divulgam informações pessoais? Mandar tirar o site do ar? Bobagem. Claro, tem que fazer isso mesmo, mas sem esperança de que vá resolver. Primeiro, porque nem sempre dá para saber exatamente quem está por trás da divulgação. Segundo, porque a maioria dessas páginas é hospedada em outros países, os quais quase sempre dificultam restrições à liberdade virtual, ainda que essa liberdade seja criminosa. Terceiro, porque, se você bloquear um site hoje, amanhã aparecem outros cinco com os mesmos dados.

Um exemplo desse último ponto que eu falei é o portal "Tudo sobre todos". Nele, você tinha informações bem pessoais de quase todo mundo, como prometia o próprio nome do site. Quando fiz uma pesquisa pela primeira vez, fiquei bastante assustado. CPF, documentos, telefones etc., tudo lá. Se quisesse algo mais completo, claro, tinha que pagar. Na época, vários colegas juízes ficaram revoltados com a invasão de privacidade e creio que algum deles deve ter deferido um pedido judicial de bloqueio do "Tudo sobre todos", pois, quando você tenta acessar a página, aparece uma mensagem de erro. Provavelmente, determinou-se aos provedores de internet nacionais que bloqueassem a página. Adiantou? O site "Telefone Ninja" é uma prova que não. Claro, era preciso tomar alguma atitude contra o "Tudo sobre todos", assim como é preciso agir contra qualquer fonte de dados pessoais que divulgue informações sem autorização.

A questão, e é aqui que eu reforço a minha mensagem, é que não dá mais para apagar nada na era da internet. A Xuxa e seu passado impróprio para menores de idade que o diga. Uma vez na rede, não há mais o tal "direito ao esquecimento". Em algum lugar do mundo, e você nunca saberá exatamente onde, alguém fez uma cópia daquelas informações pessoais, daquelas fotos inadequadas ou da postagem da qual você se arrependeu depois. E, no toque de um dedo, milhares de novas cópias podem ser feitas instantaneamente.

O pior de tudo é que entramos também na era das microcâmeras e microgravadores. Hoje, você compra por poucas dezenas de reais uma câmera que se esconde nos menores e mais improváveis objetos. Você pode ter sido filmado fazendo alguma besteira e, anos depois, aquilo vai aparecer na rede para nunca mais sair dela.

A solução, a meu ver, é se acostumar com esse novo mundo, embora sem deixar de lutar para evitar divulgações indevidas e, muito menos, para buscar reparação dos males já causados. De toda forma, assim como você não deveria ser assaltado ao cruzar o Rio de Janeiro a pé de madrugada, contando dinheiro, mas sempre acaba sendo assaltado, você também não deveria ter suas informações expostas na rede, mas sempre sofrerá essa exposição. Por isso, além de não se estressar muito com essa realidade inafastável, o melhor que você faz é tomar cuidado para que nada na sua vida seja tão secreto que não possa ser revelado. E, caso queira ter alguma chance de manter algo na esfera privada, nunca coloque nada daquilo na frente de uma câmera, um gravador ou em uma publicação na rede. Se isso acontecer, será tão irreversível quanto a morte.

(*) Juiz Federal e Escritor - www.dedodeprosa.com

Relacionadas »
Comentários »