03/03/2021 às 08h05min - Atualizada em 03/03/2021 às 08h05min

Lockdown: O que esperar do desempenho econômico para o país

ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA
Em um cenário pandêmico, o Lockdown é uma imposição do Estado e significa bloqueio total. A palavra Lockdown pode ser traduzida como "confinamento". O dicionário de língua inglesa Oxford, traz o significado de lockdown como "estado de isolamento ou restrição de acesso instituído como uma medida de segurança". Podendo também ser interpretado como "bloqueio total”.
 
A principal característica de um Lockdown é o bloqueio total de uma região, imposta pelo Estado ou pela Justiça. É a medida mais rigorosa adotada durante situações extremas, como uma pandemia. Esse procedimento geralmente é adotado, quando as medidas de isolamento social e de quarentena não são suficientes e os casos aumentam drasticamente, provocando o colapso do sistema de saúde.
 
A diferença entre lockdown e distanciamento social refere-se às duas nomenclaturas da seguinte forma: Enquanto o distanciamento social prega que as pessoas fiquem longe o bastante umas das outras, mas não é uma imposição de Estado, seu objetivo principal é o de restringir a disseminação do vírus pela distância. Já no Lockdown as regras variam de acordo com o local ou região adotadas. Nesses casos os cidadãos só podem sair à rua por motivos de emergência.
 
O distanciamento social seletivo, também tratado às vezes como isolamento vertical, é destinado apenas uma parcela da população - por exemplo, grupos de risco mais elevado que desenvolverem complicações em caso de infecção.
 
Vamos refletir: ... As restrições de circulação impostas pela pandemia da Covid-19 atingiram em cheio a economia de diversos países. O impacto foi muito acentuado, segundo o Fundo Monetário Internacional, a queda no Produto Interno Bruto Global deverá estar em torno de 4,4% em 2020., Para muitos economistas os impactos causados pelo vírus representa um choque maior do que a crise financeira de 2008.
 
Os mercados ao redor do mundo estão fortemente impactados. “A QuickBooks, empresa de softwares e contabilidade online, conduziu uma pesquisa analisando as datas em que os bloqueios foram impostos em alguns países, e manteve o acompanhamento até a data em que o lockdown começou a ser flexibilizado. A partir dessa análise, a empresa comparou os resultados do PIB dos países com as expectativas para 2020, a fim de mensurar o impacto do isolamento social nesses números” com destaque para:
 
Venezuela (-48%): 117 dias - Rússia (-26%): 43 dias - Reino Unido (-19%): 99 dias de lockdown respectivamente. Enquanto os países que experimentaram a menor contração do PIB, estão: Austrália (-5%): 49 dias - Brasil (-8%): 76 dias - Canadá (-8%) 28 dias de lockdown respectivamente.
 
Em outra pesquisa, a McKinsey constatou que embora a incerteza do COVID-19 continue, seu impacto é sentido de forma diferente em cada país, dependendo da forma como os consumidores estão respondendo à crise e se adaptando ao “novo normal”.
 
Aqui no Brasil o analista de Política e Economia Miguel Daoud diz que o lockdown foi, muito perverso com o PIB brasileiro. Para ele, o país sofreu, com a falta de gestão. Não tivemos uma liderança capaz de passar para a população os riscos dessa pandemia, e isso nos levou ao cenário que temos hoje, com mais de 255 mil mortes.”
 
Segundo o analista, os impactos sobre o PIB brasileiro só não foram maiores em 2020 graças ao agronegócio que mais uma vez mostrou a sua força. O auxílio emergencial também colaborou para frear a derrocada econômica, porque temos quase 67 milhões de brasileiros dependendo desse auxílio”.
Pensando estrategicamente: ... Em relação ao que esperar para 2021, é importante sermos cautelosos - sermos realistas e não nos apegarmos a discursos ideológicos. 2021 iniciou com 67 milhões de pessoas dependendo de auxílio, e isso não vai mudar no curto prazo.
 
O especialista diz ainda que a falta de expectativa e as incertezas sobre a vacina contra a Covid-19 agravam o cenário. É esperar para ver como será o uso emergencial das vacinas no País.
 
Efeitos do lockdown na economia brasileira e quais serão as profissões que serão mais atingidas - Enquanto na Europa alguns países como Itália e França fazem uma reabertura gradual, após várias semanas de um rígido lockdown e um conjunto de ações para combater o coronavírus, o Brasil vive ainda um futuro menos definido.
 
O mercado de trabalho não será mais o mesmo. Para os profissionais da área de saúde, que são essenciais para auxiliar esse processo de retomada das empresas, haverá grande demanda, com perfil do profissional habilitado com novas competências. Será necessário muito jogo de cintura e estratégias adequadas para enfrentar esse novo cenário, tanto da parte do governo quanto dos empresários.
 
Para alguns especialistas, o prolongamento das medidas provisórias do governo, que flexibilizaram os direitos trabalhistas/ CLT, é essencial para conter o desemprego e manter as empresas e a economia sobrevivendo.
 
No longo prazo, é consenso que as empresas precisarão recuperar suas receitas, ou a manutenção dos postos de trabalho não será possível. Assim, a política econômica precisará se remodelar para dar força aos empreendedores. A expectativa é que o mercado de trabalho comece a operar com equipes mais enxutas. 
 
Uma coisa é certa: para ter melhores chances de empregabilidade, a geração pós-pandemia precisará mostrar flexibilidade, autonomia, afinidade com as novas tecnologias e com o trabalho remoto e capacidade de propor soluções criativas.
 
Para retomar o crescimento, as empresas precisam de profissionais de finanças, contadores, aliados essenciais tanto para acompanhar as mudanças nas obrigações acessórias quanto para indicar melhores caminhos financeiros. Gestão financeira é uma dor identificada neste momento - Enquanto o pós-pandemia vai se desenhando, fica claro que inteligência competitiva, conhecimento aprimorado em diversas áreas e visão aprofundada de negócios são competências que precisam ser desenvolvidas para gerar os melhores resultados nos mais diversos cenários e portes de empresas.
 
 
Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Relacionadas »
Comentários »