12/02/2021 às 19h40min - Atualizada em 12/02/2021 às 19h40min

A DOCE ABELHA

IARA BERNARDES
Estava eu lá no meu trabalho, entre um intervalo daqueles de um dia corrido, no qual tinha esquecido absolutamente que existia recreio e módulo em seguida. Desço para tomar água e me deparo com aquele mulherão na porta da sala dos professores. Olho bem, meço ela de cima embaixo e de baixo para cima, bem naquele estilo esnobe e solto um sonoro: mulher!!! Mas você é bonita hein?! Logo a gargalhada dela ecoou por todos os cantos da escola e ali ela conquistou meu coração. Cabelo estiloso, óculos com aro vermelho, um estilo único que me chamou a atenção. Mas a minha admiração não parou aí. Ela abriu a boca e se mostrou uma pessoa extremamente inteligente, eloquente e generosa, incapaz de guardar para si todo aquele conhecimento adquirido com os estudos e com as experiências de vida. Aos poucos ela foi me mostrando que não era perfeita, pelo contrário, cheia de defeitos, ela me encantava cada vez mais, afinal, não tinha vergonha de ser quem é, muito menos de assumir todas as metamorfoses pelas quais já passara. Mas porque estou falando desse mulherão?

Ahhh, você já vai entender, mas primeiro é para mostrar que não precisamos nos intimidar por toda potência que nos aparece e que elogiar não é problema, muito menos não querer competição e saber reconhecer quando alguém realmente bom entra na sua vida, capaz de construir uma amizade sólida e dedicada.

Débora Ottoni é o nome dela, mulher guerreira, que não se intimida diante dos problemas e adversidades, luta, encara e não se entrega. Cansa, mas continua firme, fazendo o que deve ser feito. Ela me inspira e me ajuda, se desloca do seu lugar para me sacudir aqui no meu, me dá força e me apoia, fala o que tem que ser dito e não mede esforços para me fazer uma pessoa melhor, afinal, amizade é isso: querer sempre o bem do outro, nem que para isso o mover da inércia machuque, afinal, todo movimento é importante para que revoluções internas sejam feitas e estas, meus caros, normalmente não são delicadas como pétalas de flores. Mas ela vem aqui e faz isso, provoca revoluções, apresenta soluções e te empurra vida a frente.



Ela me conquistou e essa amizade é importante a ponto de querer dividir com ela as coisas mais dolorosas e alegres do meu coração, sabendo que, por amor ela não inveja e se compadece. O nome Débora significa “Abelha”; “mulher doce e esforçada” e é assim que eu a vejo, como toda sua doçura, desbravando o mundo e conquistando seus objetivos. Formada em pedagogia, não titubeou quando percebeu que queria cursar outra faculdade. Encarou, com duas crianças em casa, trabalho em período integral e afazeres domésticos, muitos anos de uma segunda graduação, agora, essa Psicóloga e estudiosa além de minha amiga é minha companheira de jornada nessa aventura que é escrever para vocês.
Por isso, comunico que a partir da próxima semana, esse espaço se divide em dois, uma divisão que vem multiplicar as reflexões e somar uma amizade. Quero dividir com todos o muito que aprendo com ela e que essa energia toda contagie aqueles que admiram meu trabalho, pois sei que irão admirar o dela tanto quanto eu.

Assim, de uma, seremos duas: “Maternidade No Stress” e “No Divã da Vida”, trazendo mais informação e reflexões indispensáveis para quem quer realmente buscar a empatia e o autoconhecimento. Te dedico, minha amiga essa coluna e tantas outras que virão. Obrigada por encarar mais essa comigo e abraçar minhas causas, fazendo delas suas também. Boa sorte, ótima escrita e sucesso, pois você nasceu para brilhar.

*Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.

 
Tags »
Relacionadas »
Comentários »