16/09/2020 às 08h00min - Atualizada em 16/09/2020 às 08h00min

Energia solar e a sustentabilidade energética no Brasil

ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA
A matriz energética brasileira é bastante diversificada e refere-se ao conjunto de fontes de energia utilizadas para atender à demanda de produção energética do país.

O consumo de fontes de energia não renováveis, as que se esgotam com o tempo é maior que o de fontes renováveis, as que se renovam na natureza em um curto espaço de tempo. Apesar disso, o Brasil possui uma das matrizes energéticas mais renováveis do mundo.

Ao contrário da tendência mundial de uso de fontes não renováveis de energia, a matriz energética brasileira se destaca por ser uma das mais renováveis do mundo industrializado.

A matriz brasileira, atualmente, tem em sua composição 83% de sua matriz elétrica originada de fontes renováveis, de acordo com o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Reive Barros. A participação é liderada pela hidrelétrica (63,8%), seguida de eólica (9,3%), biomassa e biogás (8,9%) e solar centralizada (1,4%).

A energia hidráulica é gerada pelo aproveitamento das águas de rios, por meio de usinas hidrelétricas. Essa fonte de energia é dependente do índice pluviométrico, mas, em geral, há reservatórios que represam a água no período chuvoso para ser usada em períodos de seca.

Já na energia solar, a eletricidade é gerada por meio da radiação solar captada pelos painéis fotovoltaicos. Esses painéis podem ser instalados nos telhados das construções ou em áreas sem cobertura vegetal e nas usinas fotovoltaicas. O país possui um grande potencial para gerar eletricidade a partir do sol.

A energia eólica é obtida a partir do vento por meio de aerogeradores instalados em torres, só pode ser gerada quando há incidência de vento suficiente. Suas instalações são viáveis em regiões abundantes em incidência de ventos, onde se podem-se instalar parques eólicos (conjunto de geradores). No caso brasileiro as regiões sul e nordeste são as mais atrativas. 

A biomassa mais utilizada para geração de eletricidade atualmente é oriunda da cana-de-açúcar, plantada e processada principalmente nas regiões sudeste e centro-oeste. 

No biogás, o principal método de produção é a quebra biológica de material orgânico na ausência de oxigênio, conhecida como digestão anaeróbica. Em plantas industriais, os microrganismos digerem a matéria-prima em um reator controlado, produzindo biogás com 50% a 70% de metano. 

É fundamental utilizar todo o potencial de fontes renováveis disponíveis, ressaltou Barros, não só pelo aspecto tecnológico e ambientalmente sustentável, mas principalmente pelas questões socioeconômicas, com a geração de emprego e renda para a nossa população. “O Brasil se destaca no mundo pela utilização cada vez maior de fontes renováveis, contribuindo, dessa forma, para uma redução maior da emissão de gases de efeito estufa, com valores compatíveis com os compromissos assumidos no Acordo de Paris”.

Vamos refletir: ... condições favoráveis ao uso de energia solar para geração elétrica, que pode e tem as condições de ser considerado como uma opção para alimentar as indústrias, residências. Como o país já possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, a melhor integração da energia solar FV vem sendo fonte complementar, aproximando a geração do consumo e reduzindo perdas e minimizando custos com transmissão.

Nas cidades existem metro quadrado de áreas disponíveis sobre as edificações para a instalação de painéis fotovoltaicos, para o meio rural, essa fonte energética apresenta-se como opção mais limpa e segura para levar eletricidade a comunidades isoladas e de difícil acesso além de representar economicidade a médio e longo prazos.

Para tornar atrativo deve ser levado em conta que o Brasil possui uma das maiores reservas de silício do mundo, insumo principal na produção de células solares.  Isso faz com que o país seja um local privilegiado para desenvolver uma indústria local de produção de células solares, gerando empregos e retorno em impostos pagos. 

Pensando estrategicamente: ... a crescente preocupação com o esgotamento das reservas energéticas do planeta, a exploração de petróleo e o consumo desenfreado de seus derivados seguem crescendo em todo mundo. Esse círculo vicioso eventualmente resultará em consequências catastróficas, pois, muito em breve, quando se extinguirem as reservas naturais, haverá escassez de energia.

Para evitar esse cenário, é preciso explorar novas formas de geração energética para atender às nossas necessidades, por isso que as fontes limpas — especialmente a energia solar, inesgotável — são tão confiáveis e sustentáveis.

As energias sustentáveis — como a solar, a eólica, a hídrica e a de biomassa — garantem vantagens determinantes para a nossa economia, nosso cotidiano, nosso bem-estar e saúde, melhorando a sustentabilidade das cidades no futuro!


*Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


 
Relacionadas »
Comentários »