15/11/2019 às 08h30min - Atualizada em 15/11/2019 às 08h30min

Vendi minha startup. E agora?

MARIANA SEGALA

O que faz um empreendedor depois que vende o negócio a que se dedicou durante anos por algumas centenas de milhões? Continua trabalhando. Essa tem sido a rotina de Gustavo Debs e seus sócios na Zup, empresa de tecnologia de Uberlândia adquirida pelo Itaú há duas semanas por R$ 574 milhões. Para os não familiarizados, um pouco da Zup, por Debs: "Somos uma consultoria completa, em que trabalhamos desde o auxílio na concepção e viabilidade de uma ideia, o desenvolvimento de software para ela e o seu lançamento, com estratégias de growth hacking e marketing digital".

A venda da Zup foi a segunda operação com empresas de tecnologia da cidade no espaço de um ano. Em dezembro passado, a Softbox - especializada em soluções digitais para empresas de varejo e indústrias de bens de consumo - foi comprada pela Magazine Luiza. As histórias inspiradoras desses novos tempos, ao que tudo indica, estão se tornando mais comuns por aqui. Elas costumam ser vistas como um pontapé necessário para desencadear uma espiral de resultados em um ecossistema de inovação. Em conversa com a coluna, Debs contou um pouco sobre como tem sido o "day after" na Zup:
 
- Por que você e seus sócios decidiram vender a Zup justamente em um momento de bastante crescimento da empresa?
A cultura e a visão de futuro do Itaú têm muita sinergia com as nossas. Acreditamos que ao nos unirmos a uma das maiores empresas brasileiras podemos potencializar bastante o futuro da tecnologia produzida no Brasil.
 
- Empreendedores como você costumam dedicar muita energia ao negócio. Como tem sido o dia a dia de vocês na Zup depois da venda?
Não mudou nada. Continuamos à frente da empresa, atendendo todos nossos clientes da melhor maneira possível.
 
- A Zup demonstra ter bastante atenção à sua equipe. De que maneira conduziram o processo junto aos colaboradores, que são parcela considerável do valor intangível da empresa?

A negociação, até o momento do fechamento, é bastante sigilosa. Mas pensamos muito, durante o processo, em quais seriam os benefícios da operação no dia a dia de trabalho e na carreira de cada um. Depois de fechado o negócio, procuramos comunicá-lo aos colaboradores da melhor forma, inclusive com eventos presenciais e com a distribuição de materiais. Mas como somos 970 "zuppers" espalhadas por seis unidades em cidades diferentes, a complexidade aumenta.
 
- Em que medida uma transação como essa impacta um ecossistema de inovação do interior, como é o caso de Uberlândia?
Acredito que de maneira muito positiva. Antes da Zup, houve a transação da Softbox com o Magazine Luiza. Acredito que esses eventos consolidam uma nova vertente de linhas de negócios e de vocação da região, que é a tecnologia.
 
- Quais devem ser seus próximos passos? Pretende voltar a empreender?
Continuamos focados na Zup. Hoje, 100% da nossa dedicação é para entregarmos o melhor resultado que conseguirmos.
 
Inovação e poder público
Pela primeira vez a Prefeitura de Uberlândia realizará sua própria maratona de programação. Batizada “Hackathon Smart UDI”, seu objetivo é impulsionar o desenvolvimento de soluções tecnológicas para os desafios do poder público. Mais especificamente, a meta é levar os participantes a criar um protótipo voltado à leitura de imagens de câmera de monitoramento, baseado em inteligência artificial. Estarão disponíveis 60 vagas – as inscrições, aliás, vão até esse domingo. A hackathon acontecerá nos dias 29 e 30 de novembro e também 1º e 4 de dezembro. Os participantes receberão mentorias e passarão por avaliações. A equipe vencedora vai receber um prêmio de R$ 8 mil.
 
Inovação e pequenas empresas
Foram prorrogadas as inscrições de micro e pequenas empresas no Projeto Agente Local de Inovação (ALI), encabeçado pelo Sebrae e a Prefeitura. O programa oferece oito meses de consultoria gratuita em inovação para empreendedores. Até agora, 151 vagas foram preenchidas – e as inscrições serão mantidas abertas até que as 360 vagas disponíveis estejam completas. Para participar da iniciativa, os empreendedores devem comparecer pessoalmente na sede do Sebrae (Avenida João Naves de Ávila, 2.627).

*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.








 

Tags »
Relacionadas »
Comentários »