19/10/2019 às 08h30min - Atualizada em 19/10/2019 às 08h30min

Felicidade e sucesso coexistem?

ANTÔNIO CARLOS DE OLIVEIRA

 
O conceito atual de felicidade humana está ligado ao "culto do indivíduo". Ser feliz nada mais é do que o resultado de um "projeto de produção da felicidade", segundo o psicoterapeuta brasileiro Joel Birman. Tal percepção dá autonomia ao indivíduo, relacionando felicidade à qualidade de vida e autoestima. Ser infeliz é o "fracasso performático do sujeito". Por isso, a depressão é o maior sofrimento na modernidade.

Sigmund Freud, criador da psicanálise, acreditava que todo ser humano é movido pela eterna busca da felicidade (princípio do prazer). Todavia, a impossibilidade do mundo real em satisfazer os nossos desejos tornava essa busca fadada ao fracasso (princípio da realidade). De acordo com ele, o máximo que poderíamos cogitar seria uma felicidade incompleta, parcial.

Além da psicologia, existem outras abordagens na história dos estudos acerca da felicidade, feitas por representantes da filosofia e religiosos. O filósofo grego Aristóteles, por exemplo, acreditava que a felicidade era uma atividade da alma, com princípio racional, ligada às ideias de virtude e satisfação. Ele contrariava esta concepção moderna da felicidade enquanto paz de espírito ou um estado de emoções positivas constantes.

A felicidade é tema central do budismo. O Dalai-lama Tenzin Gyatso, um dos grandes mestres contemporâneos da doutrina religiosa, defende a autorreflexão e a serenidade como caminhos para se atingir a felicidade. Segundo o ensinamento budista, a felicidade suprema só é conquistada pela superação de todas as formas de desejo, chegando à liberação do sofrimento.

Os estudos de David Lykken, geneticista comportamental e professor da Universidade de Minnesota (EUA), na década de 1970, indicam que a felicidade é codependente de fatores hereditários.  Para ele, o nosso bem-estar está relacionado aos fatores genéticos do exato momento da nossa concepção. Sendo assim, o DNA contém as informações se as pessoas são predominantemente otimistas ou pessimistas.

O otimismo está vinculado à nossa expectativa de sucesso que, por vezes, é erroneamente confundida com a realização material. A felicidade é um estado contínuo de plenitude, satisfação e equilíbrio físico e psíquico. Seu significado intrínseco é o de bem-estar espiritual ou paz interior. Sucesso é popularmente relacionado ao bom desempenho financeiro no âmbito profissional e pessoal.

A definição de sucesso é mutável e se adequa à perspectiva de cada indivíduo. É por isso que o conceito de sucesso profissional e pessoal é subjetivo. Cabe a cada um de nós entender e determinar a nossa própria ideia de sucesso, empreendendo esforços condizentes para alcançar esses objetivos. Seja qual for seu entendimento de sucesso, saiba que não irá alcançá-lo sem um trabalho árduo.

O passo inicial para atingir objetivos é estipular metas e estratégias para executá-las. Sem um planejamento de curto, médio e longo prazo é praticamente inviável alcançar resultados positivos. Outra medida importante é a criação de um plano financeiro que assegurará tomadas de decisões precisas, provendo frutos duráveis. Não faça planos somente para os anos seguintes, pois empreender demanda crescimento diário.

Todo mundo possui pontos fracos e fortes. Identificá-los é importante para conseguir traçar estratégias e recrutar profissionais que supram as limitações em determinada área ou assunto. Analise e explore seus pontos fortes constantemente, ao passo que os fracos devem ser trabalhados para não representar um problema futuro no seu negócio. Sempre que precisar, reveja seu planejamento.

Pensando estrategicamente... não recebemos, ao nascermos, um “manual de instruções” sobre como ter uma vida plenamente feliz. Ao longo dos anos, as nossas experiências vão nos guiando e ensinando lições. Aprendemos que, mesmo sem um roteiro para guiar nossa vida, há regras básicas e universais que nos aproximam da felicidade. Caso esteja insatisfeito (a) com a sua atual situação, pare, reavalie e mude.

Ostentação de verdade não é esbanjar dinheiro e bens materiais. Ostentar é ter a alma translúcida, limpa de maldade. É saber agradecer o que se tem e saber usar. Acredite: felicidade e sucesso são parceiros de jornada e, de um modo geral, dependentes um do outro. Porém, normalmente a felicidade vem antes do sucesso. E sua ausência nos elucida de que a vida é vazia e sem propósito.

*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.





 

Tags »
Relacionadas »
Comentários »