06/05/2016 às 15h26min - Atualizada em 06/05/2016 às 15h26min

A Tocha Olímplica passou, mas os problemas continuam

Desde que Uberlândia foi anunciada como uma das cidades que receberia a passagem da tocha, as opiniões se dividiram entre os uberlandenses

Jefferson Moraes
Pacientes aguardam atendimento

Neste sábado (07), o grande símbolo das Olímpiadas passou em Uberlândia e percorreu um trajeto de 16 quilômetros. No total, 108 cruzamentos receberam intervenções. Os agentes da Settran começaram a trabalhar às 5h da manhã, com a distribuição de cavaletes, cones e retiradas de veículos estacionados. A Secretaria de Trânsito e Transporte (Settran) interditou 16 vias do município, cerca de duas horas antes da chegada do comboio.

Durante o período de intervenção no tráfego, o itinerário das linhas de ônibus que passavam pelo trajeto foi isolado e desviado para outras ruas e avenidas. A organização do evento foi realizada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e a segurança pela Força Nacional. A Prefeitura de Uberlândia ficou responsável por organizar o trânsito, conforme cronograma estabelecido pelo COI.

Batedores fizeram a segurança da tocha e mais de 100 pessoas entre agentes e voluntários trabalharam no desvio de tráfego para o comboio. A rota começou no ginásio do Sabiazinho e terminou - com uma festa de celebração - no Teatro Municipal, por volta das 21h.

A Tocha foi embora. E agora?

A Tocha Olímpica já foi embora, mas os problemas de Uberlândia continuam. Desde que Uberlândia foi anunciada como uma das cidades que receberia a passagem da tocha, as opiniões ficaram divididas nas conversas de bar, no ônibus e nos demais encontros dos uberlandenses.

Alguns estavam animados com o evento, enquanto outros indignados com toda a estrutura montada, o efetivo humano selecionado e a quantidade de dinheiro público gasto com a celebração. Enquanto a tocha passava, milhares de pessoas aguardavam atendimento nas Unidades de Atendimento Integrado (UAIs) da cidade, que estão sem remédios, equipamentos e com poucos médicos de plantão, principalmente aos finais de semana.

Os problemas não são apenas na área da Saúde, mas também na malha viária da cidade, que está abandonada. Nos bairros mais distantes, a criminalidade tomou conta das ruas e amedronta os moradores. O transporte público, superlotado. Empresas e comércios fechando as portas, entre outras situações.

Mas nas ruas e avenidas em que a tocha passou, estava tudo impecável. Asfalto, sinalização, etc, tudo perfeito. O que importa é a festa, não é mesmo? O povo não aguenta mais ser feito de bobo, isso precisa mudar. As eleições vem aí.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »