17/11/2021 às 13h30min - Atualizada em 17/11/2021 às 13h30min

Grupo de pesquisa da UFU irá desenvolver aplicativo que auxilia na reforma de casas de famílias com baixa renda em Uberlândia

O objetivo é auxiliar em reformas que possam diminuir o impacto social e sanitário causados pela covid-19.

MARIELLE MOURA
Cerca de 20 famílias do bairro Shopping Park serão beneficiadas I Foto: MORA/ARQUIVO
O grupo [Mora] de pesquisa em habitação da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) está desenvolvendo um aplicativo que visa auxiliar famílias de baixa renda em Uberlândia. O foco principal do projeto é auxiliar em reformas que possam diminuir o impacto social e sanitário causados pela covid-19.  A ferramenta tem um apoio financeiro de R$ 50 mil do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Minas Gerais (CAU/MG) e irá beneficiar, no primeiro momento, aproximadamente 20 famílias.
 
De acordo com Simone Barbosa Villa, coordenadora do projeto e professora da Faculdade de Arquitetura, Urbanismo e Design (Faued/UFU), o aplicativo irá atuar na orientação de reformas de casas de famílias de baixa renda.
 
“Esse projeto é para o desenvolvimento de um aplicativo que terá orientações para reformas das casas. Não vamos atuar nas reformas diretamente, vamos desenvolver um aplicativo que vai orientar os moradores a realizar a reforma e também dos arquitetos que estiverem trabalhando na obra”, disse.
 
Ainda segundo a coordenadora, o aplicativo vai ajudar essas pessoas a fazerem uma obra mais eficiente, ampliando a qualidade de vida dos moradores e propondo reformas mais adequadas.
 
Cerca de 20 moradores do bairro Shopping Park vão participar da fase de teste do projeto. Os participantes vão responder um questionário sobre os problemas encontrados nas casas e que orientações gostariam de receber. De acordo com Simone, o grupo estuda o bairro desde 2016 visando melhorias no local.
 
“Já fizemos várias pesquisas lá, vários projetos de ação junto aos moradores visando melhorias dos quintais e projetos financiados que combatem a dengue. Temos bastante conhecimento dos moradores devido aos estudos, temos familiaridade e vamos trabalhar nesse cenário pela facilidade que já temos de contato, por exemplo”, informou.
 
A coordenadora comentou que o motivo da escolha de um aplicativo é pela facilidade. “A escolha de ser um aplicativo é porque imaginamos que hoje em dia todo mundo tem um celular, então é uma forma de ser mais democrático e muito mais pessoas terem acesso a informação do que só um grupo especifico”, explicou.
 
A ferramenta digital irá auxiliar nas instalações ou nos reparos dos sistemas de esgoto, na qualidade ambiental, na ventilação e na iluminação, focando em suprir problemas de enfrentamento da pandemia causada pelo coronavírus.
 
“Temos estudos que mostram que na pandemia os impactos em grupos sociais de baixa renda são muito maiores e esse aplicativo visa dar soluções de enfrentamento da pandemia a essas pessoas que não tem como fazer isolamento em casa porque não tem cômodos suficientes para isso”, disse.
 
A previsão para o término da execução do projeto, que tem o apoio da Faculdade de Computação da UFU, é em abril ou maio de 2022 . Segundo a coordenadora, o objetivo é fazer uma ligação entre pesquisa acadêmica e interesse social.
 
“A ideia do projeto é fazer uma ligação entre a pesquisa da Universidade e a prática, e atuar também na qualidade de vida dos moradores. Estudamos a habitação e o interesse social há bastante tempo para propor projetos que possam ter o impacto maior, principalmente, com esse assunto que é casa saudável, da arquitetura da casa e como ela pode ser mais adequada”, disse.

VEJA TAMBÉM:
 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »