27/10/2021 às 07h00min - Atualizada em 27/10/2021 às 08h20min

Intercâmbio de vacinas pode ser alternativa para suprir falta de doses da AstraZeneca em Uberlândia

Moradores imunizados em julho aguardam por imunização da 2ª dose da mesma fabricante; método aprovado pelo Ministério da Saúde já tem sido utilizado em Belo Horizonte

MARIELLE MOURA
Em Belo Horizonte, Prefeitura utiliza método com a Pfizer na segunda fase da imunização I Foto: AGÊNCIA BRASIL
A população que foi vacinada com a AstraZeneca em julho segue na espera pela imunização da segunda dose da mesma fabricante em Uberlândia. Na última semana, o Diário trouxe uma reportagem sobre o assunto mostrando que mesmo após 90 dias da aplicação da primeira dose, muitas pessoas ainda seguem sem previsão de data para conseguir a imunização completa. O envio de doses em menor quantidade para a cidade tem sido um obstáculo para a efetivação da segunda fase, mas uma alternativa que já tem sido adotada por outros municípios pode ser uma solução para o problema: o chamado intercâmbio de vacinas. 
 
O método, que corresponde à troca entre os imunizantes para a aplicação da segunda dose foi aprovado pelo Ministério da Saúde, assim como pelo Plano Estadual de Imunização (PEI) e o Comitê Científico do Estado. A Organização Mundial da Saúde (OMS) também já havia autorizado o intercâmbio em casos específicos como para as grávidas que receberam a primeira dose da AstraZeneca.
 
Em conversa com o Diário, o imunologista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rafael Resende, disse que a intercambialidade pode inclusive aumentar a efetividade da vacina contra a covid-19. "Os estudos mais recentes dizem que não há problema em fazer essa intercambialidade vacinal e ainda mostram que dependendo da vacina que é utilizada nesse processo há ainda um aumento na efetividade. A pessoa que receber uma outra marca de vacina pode até ter um aumento na efetividade da vacina,” informou o especialista.
 
O Ministério da Saúde, de acordo com informações de uma nota técnica, defende que, de maneira geral, as vacinas contra covid-19 não são intercambiáveis, ou seja, as pessoas precisam tomar o mesmo imunizante na primeira e segunda doses. Mas, há exceções: quando não for possível concluir o esquema com a mesma vacina, seja por contraindicações específicas ou por falta de doses, um imunizante de outro fabricante pode ser utilizado.
 
EXEMPLO DE BELO HORIZONTE
Cidades como Belo Horizonte já utilizam o processo de intercâmbio de vacinas. De acordo com a Prefeitura, a segunda dose do público da faixa de 36 anos foi realizada com a vacina da Pfizer. Devido ao baixo estoque da AstraZeneca na capital, com cerca de 5 mil doses, o quantitativo disponível não era suficiente para imunizar todas as pessoas desta faixa etária, sendo necessárias aproximadamente 25 mil doses, segundo a Prefeitura de BH.
 
A eficácia da intercambialidade da vacina AstraZeneca com a Pfizer já foi comprovada, sem prejuízos adicionais de eventos adversos para as pessoas vacinadas. Por este motivo, a Prefeitura de Belo Horizonte usou esta estratégia somente até reabastecer o estoque de AstraZeneca. Na capital, o público de 36 anos que optou por manter a AstraZeneca como segunda dose já pode procurar um ponto de repescagem e concluir o esquema vacinal.
 
De acordo com o imunologista ouvido pelo Diário, estudos mais recentes mostram que a Astrazeneca é eficaz mesmo após 10 meses da aplicação da primeira dose. "O atraso na segunda dose da Astrazeneca não oferece nenhum risco em relação à efetividade da vacina, por que os estudos mais recentes já demonstraram que a efetividade da AstraZeneca pode perdurar até 10 meses," disse.
 
NOVAS DOSES
Uberlândia recebeu na última segunda (25)
uma nova remessa de vacinas contra a covid-19. Ao todo são 49.380 imunizantes, divididos entre fabricantes da Pfizer e AstraZeneca.
 
A remessa conta com 16.188 doses de reforço, outras 11.502 para aplicação da primeira dose e mais 16.050 unidades para a segunda dose, todas da Pfizer. Completam o lote outras 5.640 doses da Astrazeneca, que serão destinadas à aplicação de segunda dose.
 
PAUSA NA PRODUÇÃO
Em agosto, a Fundação Oswaldo Cruz ficou duas semanas sem distribuir a vacina da Oxford AstraZeneca. A produção parou por falta de matéria-prima. O IFA, ingrediente farmacêutico ativo, que vem da China, não chegou no prazo esperado, segundo a Fiocruz. O resultado foi a falta do imunizante para a segunda dose em muitas partes do país.
 
COBERTURA VACINAL
O imunologista ouvido pela reportagem destacou também a importância de dar continuidade na cobertura vacinal, já que o último estudo da Fiocruz mostrou uma redução de casos e mortes por covid-19 no país.
 
“O último resultado do observatório que a Fiocruz divulgou na semana passada mostra que o número de casos de covid-19 e óbitos têm diminuído no Brasil inteiro com o avanço da vacinação. É muito importante enfatizar que as pessoas precisam se vacinar para que possamos conseguir a chegar a zero o número de óbitos por covid-19”, afirmou.
 
RESPOSTAS

O Diário de Uberlândia entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) para obter informações sobre a indicação do órgão ao município de Uberlândia para que seja realizado o intercâmbio vacinal. 

Por meio de nota, a
 SES-MG esclareceu que, de maneira geral, a intercambialidade de vacinas não é recomendada. No entanto, em situações de exceção, quando não for possível administrar a segunda dose com uma vacina do mesmo fabricante, seja por contraindicações específicas ou por ausência daquele imunizante no país (como, por exemplo, o caso de indivíduos que receberam a primeira dose de uma vacina covid-19 em outro país e que estarão no Brasil no momento de receber a segunda dose), poderá ser administrada uma vacina contra covid-19 de outro laboratório.

A Secretaria disse ainda que há casos em que são considerados exceção, com o de mulheres que receberam a primeira dose da vacina Astrazeneca/Fiocruz e que estejam gestantes ou no puerpério (até 45 dias pós-parto) no momento de receber a segunda dose da vacina. Nestas situações, deverá ser ofertada, preferencialmente, a vacina Pfizer/Wyeth. Caso este imunizante não esteja disponível na localidade, poderá ser utilizada a vacina Sinovac/Butantan.

Ainda de acordo com o Estado, é importante ressaltar que indivíduos que venham a ser vacinados com duas vacinas diferentes (intercambialidade) deverão ser notificados como um erro de imunização no e-SUS Notifica 
https://notifica.saude.gov.br e serem acompanhados com relação ao desenvolvimento de eventos adversos e falhas vacinais.

A reportagem também questionou a Prefeitura de Uberlândia sobre a possibilidade da aplicação da Pfizer em pessoas que estão com atraso na aplicação da segunda dose da AstraZeneca, a exemplo de outros Municípios. Com objetivo de informar a população sobre a previsão de um novo cronograma da vacinação para esta semana, uma vez que o Município já recebeu nova remessa do Estado, o Diário perguntou ainda sobre um novo cronograma para a segunda dose do imunizante, mas não obteve resposta. 

No fim da noite desta terça (26), por meio das redes sociais, a Prefeitura divulgou o cronograma para esta semana. De acordo com o comunicado, com o recebimento de novas doses, a imunização da AstraZeneca será retomada. 
Confira a programação:

Quinta-feira (28)
- Segunda dose da Pfizer em quem recebeu a primeira até 4 de setembro;
- Segunda dose da AstraZeneca em que recebeu até dia 23 de julho;
- Dose de reforço nos idosos acima de 60 anos com mais de seis meses da segunda dose;
Local: Arena Sabiazinho, UTC (entradas das avenidas Getúlio Vargas e Cipriano del Fávero) e drive-thru no Centro Administrativo.

Sexta-feira (29)
- Segunda dose da Pfizer em quem recebeu a primeira até 4 de setembro;
- Dose de reforço nos idosos acima de 60 anos com mais de seis meses da segunda dose;
Local: Arena Sabiazinho, UTC (entradas das avenidas Getúlio Vargas e Cipriano del Fávero) e drive-thru no Centro Administrativo.

Sábado (30)
- Segunda dose da Pfizer em quem recebeu a primeira até 4 de setembro;
- Primeira dose da Pfizer em adolescentes de 15 anos com ou sem comorbidades;
Local: Arena Sabiazinho, UTC (entradas das avenidas Getúlio Vargas e Cipriano del Fávero) e Centro Municipal de Cultura.

Domingo (31)
- Primeira dose da Pfizer em adolescentes de 15 anos com ou sem comorbidades;
- Segunda dose da CoronaVac em quem recebeu a primeira até 10 de outubro;
Local: Arena Sabiazinho, UTC (entradas das avenidas Getúlio Vargas e Cipriano del Fávero) e Centro Municipal de Cultura

Segunda-feira (1º)
- Dose de reforço em pessoas imunossuprimidas graves;
Local: UTC (entrada da avenida Getúlio Vargas)

VEJA TAMBÉM: 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »