05/09/2021 às 10h30min - Atualizada em 05/09/2021 às 10h30min

Projeto de Lei prevê melhor legibilidade de receitas médicas

Conselho Regional de Farmacêuticos de Minas Gerais (CRF-MG) está realizando uma campanha para incentivar médicos a prescreverem receitas de forma legível

LORENA BARBOSA
Ilegibilidade pode prejudicar pacientes e farmacêuticos | CRF-PR/DIVULGAÇÃO
Provavelmente você já ouviu alguma crítica ou expressão sobre a letra dos médicos. O que para muitos se tornou uma forma de definir uma letra ilegível, na verdade é assunto sério, já que é uma questão cultural que envolve não só médicos, mas também farmacêuticos e pacientes. O Conselho Regional de Farmacêuticos de Minas Gerais (CRF-MG) tem trabalhado na campanha Medicamentos sem Danos, que tem como meta reduzir os erros de medicação causados por uma prescrição mal interpretada. Para isso, a orientação é que todos os profissionais de farmácias enviem para o CRF as receitas ilegíveis que receberem.
 
A  assessora técnica do CRF-MG, Danyella Domingues explicou que a receita médica é um documento de saúde e uma forma de comunicação entre o médico e o farmacêutico que vai fazer a dispensação do remédio. Mas acima de tudo, é um documento para que o paciente entenda o que foi prescrito. “Dentro dessa prescrição, além da indicação do medicamento, tem principalmente o modo de uso, que é a informação principal para esse paciente. Ele é o lado mais fraco da equação, porque o farmacêutico consegue ler a prescrição, até por conhecer o medicamento e a forma de uso”, destacou.
 
Quênia Campos Souza é farmacêutica em Uberlândia há 24 anos e já pegou muita receita ilegível. Ela contou que quando trabalhou em ambulatórios precisou devolver prescrições que o próprio médico que receitou não conseguiu traduzir a medicação indicada. Ela explicou ainda que quando não há certeza sobre a medicação, o próprio farmacêutico deve entrar em contato com o médico. Caso esse contato não seja possível por qualquer motivo, a orientação é que a medicação não seja vendida. “Um medicamento pode render efeitos colaterais drásticos, porque nós estamos lidando com a vida de uma pessoa. Então é preferível você perder a venda”, complementou a profissional.



 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »