18/07/2021 às 12h00min - Atualizada em 18/07/2021 às 12h00min

Isolamento social faz crescer procura por hábitos saudáveis

Atividade física ao ar livre e consultas com nutricionista online estão entre preferências dos uberlandenses

GABRIELE LEÃO
Educador físico Pedro Henrique Oliveira afirma que não existe receita para perder peso I Foto: Acervo Pessoal
O isolamento social imposto pela pandemia da covid-19 tem alterado a rotina de todas as pessoas. Inclusive, os hábitos alimentares foram diretamente atingidos com essa mudança de perspectiva. Em Uberlândia, profissionais perceberam o aumento de até 100% na procura por serviços relacionados a hábitos mais saudáveis.
 
O educador físico Pedro Henrique Oliveira percebeu o aumento de 60% na procura pelos serviços de personal trainer durante a pandemia. "Com o isolamento social, as pessoas têm buscado atividades físicas para serem realizadas ao livre, em praças ou até mesmo no conforto de suas casas, pois dessa maneira também é possível ter bons resultados sem precisar ir até uma academia, por exemplo. Hoje, as pessoas estão mais preocupadas com o bem-estar e saúde, o que é algo realmente muito bom, pois o exercício físico oferece diversos benefícios, como, a qualidade do sono, disposição, controle da pressão arterial, colesterol e diminuição da irritabilidade. Tudo isso associado com a boa alimentação ajuda no processo de emagrecimento também", comentou.
 
O profissional ressaltou, no entanto, que não existe receita de bolo para perder peso. O ideal, além de procurar profissionais adequados para ajudar no processo, é optar por atividades que ajudam no objetivo. “O recomendável é que haja a prática de atividade física pelo menos três vezes na semana, com 30 minutos de exercícios aeróbicos, associados a exercícios de força, como musculação", enfatizou.
 
Conhecer os hábitos alimentares e manter uma boa relação com a comida também é essencial para o processo de emagrecimento. Em entrevista ao Diário, a nutricionista Poliana Carvalho esclareceu que os ambientes externos afetam o emocional e impactam diretamente nas escolhas alimentares.


 
Segundo ela, o home office, por exemplo, deixa as pessoas mais expostas a esses hábitos. “Se a minha alimentação possui alimentos mais industrializados e processados, isso pode gerar o aumento do consumo deles, principalmente pela rapidez, mas caso sua alimentação seja mais natural, como, a base de frutas e vegetais, a realidade já é totalmente diferente. Normalmente as pessoas têm problemas com a comida, e muitas vezes isso pode estar oculto, por exemplo, estamos expostos a uma referência de alimentação desde a infância, e o mais importante é entender que se alimentar é para nutrir o corpo e principalmente para saciar a fome, não as emoções”, afirmou.
 
A nutricionista ressalta ainda que o básico é essencial para quem busca hábitos mais saudáveis e o emagrecimento. “O primeiro passo é buscar um profissional, pois a mudança da alimentação vai além de comer salada. Tomar água, optar por frutas, vegetais, e estratégias no dia a dia fazem toda a diferença. Para quem deseja emagrecer ou possui quadro de obesidade, a água é essencial, pois além de hidratar os rins, pele, cabelos e unhas, ela regula os hormônios que controlam a fome e saciedade, a grelina e leptina”, explicou.
 
Ainda de acordo com a nutricionista, a busca pelos atendimentos online aumentou 100% durante a pandemia.  
 
DISTÚRBIOS ALIMENTARES
De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 15% da população com mais de 20 anos no país é obesa. Essa condição aumenta o risco de hipertensão arterial, diabetes, problemas ortopédicos, apneia do sono e doenças cardiovasculares, como o infarto e AVC (Acidente Vascular Cerebral).
 
Associado ao emagrecimento e hábitos mais saudáveis, a saúde mental também deve acompanhar todo o processo. A psicóloga Kátia Beal faz um alerta sobre a relação com a comida.


 
"A autoestima e equilíbrio emocional afetam muito esse processo de emagrecimento, e pessoas que são propicias a terem distúrbios alimentares, buscam refúgio na comida para acabar com a ansiedade, como uma forma de escape. O importante nesse processo é entender as causas que levam esse distúrbio, que muitas vezes está associada a uma ação do passado, e questões emocionais”, afirmou.
 
NOVOS HÁBITOS
Após ganhar quilos a mais na quarentena, a administradora e sócia de uma academia de musculação Rose Fernandes, de 31 anos, procurou ajuda profissional. “Desde o nascimento do meu filho, de três anos, ganhei peso e não conseguia mais perder. E foi através das orientações da nutricionista que consegui perder peso, sem passar fome. Em dois meses de acompanhamento, consegui perder quatro quilos, ganhar massa magra, além de melhorar o funcionamento do intestino e bem-estar”, contou.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »