16/05/2021 às 12h00min - Atualizada em 16/05/2021 às 12h00min

Uberlândia registra elevação de 5,72% no consumo de água em abril

Diretor-geral do Dmae afirma que cenário é preocupante; nova Estação de Tratamento começará a operar em junho

FERNANDO NATÁLIO
ETA Capim Branco deve garantir abastecimento na cidade | Comunicação DMAE
A pandemia da covid-19, que faz mais pessoas ficarem em casa, e a estiagem, que neste ano começou mais cedo e tem sido mais severa, provocaram aumento do consumo de água em Uberlândia nos últimos meses. O Dmae verificou elevação de 5,72% no consumo por habitante em abril deste ano em relação a março.

Apesar do alerta provocado pelo aumento, segundo o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), o início das operações da ETA Capim Branco, previsto para meados de junho, garantirá que a cidade não tenha problemas com abastecimento neste ano.

A média de consumo diária per capita registrada no quarto mês do ano foi de 254,74 litros por habitante, enquanto que no mês anterior foi de 240,95. O número ficou bem acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que considera um consumo de 110 litros/dia suficientes para atender às necessidades diárias.

Segundo o diretor-geral do Dmae, Adicionaldo dos Reis Cardoso, a pandemia influenciou a alta. “Com mais pessoas em suas residências, esse consumo aumenta. Também tivemos um Verão com pouca chuva e mais calor. E ainda tem uma parte da população que não faz uso racional da água. Tudo isso afeta”, explicou.

Ainda de acordo com o diretor-geral do Dmae, o cenário é preocupante, já que o período de chuvas no ano já passou. Mas, conforme Adicionaldo Cardoso, com o início das operações da ETA Capim Branco, o abastecimento em Uberlândia não terá problemas em 2021, já que o novo sistema de captação e tratamento de água pode produzir até 2 mil litros de água por segundo na primeira fase de operação. A estrutura deve reforçar as duas ETAs (Estação de Tratamento de Água) existentes (Sucupira e Bom Jardim), com capacidade conjunta de fornecimento de água para 1,5 milhão de habitantes.

Além disso, o Dmae já realizou outras ações para atender o aumento da demanda identificado neste ano no município. “Já colocamos em operação um novo conjunto de motobombas anfíbias na captação da Estação de Tratamento de Água (ETA) Sucupira, que aumenta a capacidade de produção com economia de energia. Também estamos priorizando os motores elétricos nas duas estações”, revelou o diretor técnico do Dmae, Geraldo Sílvio.

AUMENTO DAS CONTAS
A estiagem e o maior consumo de água e energia durante a pandemia já trazem reflexos em todo o país. O nível dos reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste é o mais baixo desde 2015, o que deve gerar aumento no preço das tarifas de energia nos próximos meses. O presidente Jair Bolsonaro também destacou a gravidade da crise hidrológica nacional.

Em Uberlândia, as pessoas que têm ficado mais tempo em casa confirmam o maior consumo de água e energia durante este período. É o caso do diretor de TV Halisson Gonçalves Martins, que comprou uma piscina de plástico para sua família poder relaxar em casa sem precisar ir ao clube, evitando, assim, aglomerações. “Foi uma boa alternativa para ter um lazer. É uma opção que temos para distrair”, disse. Mas, segundo Halisson Martins, o reflexo dessa compra já foi sentido na conta de água da residência, com o acréscimo de cerca de R$ 30. 

CEMIG
De acordo com o gerente de Planejamento Energético da Cemig, Ivan Sérgio Carneiro, na região, atualmente, existem dois reservatórios cujos níveis preocupam bastante: de Nova Ponte (Triângulo Mineiro) e de Emborcação (divisa dos estados de Minas e Goiás). “Nova Ponte está com 16,7% de armazenamento, pior posição ao final do período chuvoso. O mesmo se repete com Emborcação, com 22,7%”, informou.

Para controlar e melhorar a situação, ainda conforme Ivan Carneiro, a Cemig tem intensificado ações junto à população para conscientizá-la sobre o uso adequado da água e a otimização da mesma.

 
VEJA TAMBÉM: 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »