07/03/2021 às 09h00min - Atualizada em 07/03/2021 às 09h00min

Coleta seletiva já atende 44 bairros de Uberlândia

Objetivo do projeto de ampliação das regiões beneficiadas, que começou no ano passado, foi alcançado em 2021, aponta Dmae

BRUNA MERLIN
A coleta seletiva de Uberlândia já atende 44 bairros da cidade. Mesmo com interrupções devido à pandemia do novo coronavírus, o objetivo do projeto de ampliação do serviço, que começou no início do ano passado, foi alcançado em 2021. 
 
O serviço de coleta seletiva, que recolhe materiais recicláveis de casas e comércios, foi implantado no município em 2008 e era administrado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Serviços Urbanos. Em 2017, o projeto passou para o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) e até o ano passado 29 bairros eram atendidos.
 
As regiões atendidas inicialmente eram: Brasil, Aparecida, Cazeca, Centro, Cidade Jardim, Jaraguá, Jardim Karaíba, Lídice, Luizote, Dona Zulmira, Mansour, Jardim Patrícia, Osvaldo Rezende, Martins, Bom Jesus, Daniel Fonseca, Roosevelt, Santa Mônica, Segismundo Pereira, Saraiva, Tibery, Tubalina, Vigilato Pereira, Alto Umuarama, Custódio Pereira, Fundinho, Tabajaras, Patrimônio, Umuarama, Marta Helena, Morada da Colina e Altamira. 
 
No início do ano passado, a autarquia iniciou a ampliação dos bairros beneficiados. Conforme dito pelo diretor geral do Dmae, Adicionaldo dos Reis Cardoso, a intenção era levar o serviços para outros 15 bairros, expandindo, assim, para 44 regiões da cidade, até o mês de março de 2020. Contudo, os planos foram impedidos pela pandemia do Covid-19.
 
“Nosso trabalho de conscientização com a população teve que ser interrompido. Devido ao alto risco de contaminação, não podíamos realizar a entrega de folhetos e passar de porta em porta para explicar sobre a coleta seletiva. Sendo assim, tivemos que interromper o projeto”, disse Adicionaldo Cardoso. 
 
Até o momento da interrupção da expansão, somente três bairros tinham recebido o benefício: Tubalina, Marta Helena e Morada da Colina. O projeto foi retomado no fim de 2020 e outras regiões foram contempladas: Pacaembu, Nossa Senhora das Graças e os loteamentos Gramado e Cruzeiro do Sul, Santa Rosa, Altamira, Jardim Inconfidência e Maravilha.
 
Em 2021, a implantação da modalidade em novas localidades continuou e foi possível concluir o objetivo de oferecer a coleta seletiva a 44 bairros do município. Desde o início deste ano, novas regiões receberam o serviço: Jardim América I e II e o loteamento Santa Rosa, Planalto, Chácaras Tubalina e Quartel, Lagoinha, Carajás, Pampulha, Parque Residencial Camaru e Jardim Botânico. 
 
Ainda de acordo com Adicionaldo Cardoso, mesmo que o programa inicial de ampliação tenha sido finalizado, o Dmae pretende continuar com a expansão da coleta seletiva para novos bairros de Uberlândia ao longo deste ano de 2021. “Ainda não temos um planejamento em relação a isso, mas nossa intenção é continuar levando o serviço para outras regiões”, complementou. 
 
QUANTIDADE DE RESÍDUOS
Em todo o ano de 2020 foram coletados mais de 2,5 milhões de quilos de resíduos recicláveis em Uberlândia. A quantidade foi maior do que a registrada nos anos anteriores, desde o início do serviço na cidade.
 
O aumento na quantidade de lixo recolhido no ano passado se dá em razão da expansão dos serviços para outros bairros. Além disso, a pandemia também está relacionada diretamente a essa elevação, já que muitas pessoas ficaram em casa e passaram a produzir mais resíduos, principalmente com embalagens de deliverys.
 
Os meses com mais quantidade de lixos recolhidos foram julho, setembro, outubro e dezembro, período em que foi registrado maior número do ano. Veja os quantitativos na tabela abaixo.
 
Lixo recolhido
Mês Quantidade de resíduos recolhidos (kg)
Julho 231.087
Setembro 246.480
Outubro 256.790
Dezembro 280.562
 
ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVA
Todo o resíduo recolhido nas casas e comércios do município é enviado a cinco associações e uma cooperativa que faz a seleção em parceria com o Dmae. Segundo o diretor geral do Dmae, Adicionaldo dos Reis Cardoso, além de contribuir com o meio ambiente e vida útil do aterro sanitário, a coleta seletiva também abre oportunidades para famílias de baixa renda que estão atuando nas instituições.
 
“A coleta seletiva traz muitos benefícios. É um serviço que só favorece o meio ambiente e as pessoas que estão envolvidas”, finalizou. 


 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »