20/09/2020 às 09h00min - Atualizada em 20/09/2020 às 09h00min

Número de eleitores com nível superior completo mais do que dobra em Uberlândia

Segundo o TSE, passou de 40,5 mil para 92,4 mil nos últimos quatro anos; já o número de jovens menores de 18 anos com título de eleitor caiu 72%

SÍLVIO AZEVEDO
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Dados disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontam que o número de eleitores aptos a votar em Uberlândia é de 486.550, 1,74% a mais que há quatro anos. Mesmo com esse aumento, o perfil do eleitor uberlandense permanece praticamente o mesmo entre 2016 e 2020.

Entre os fatores que mais sofreram alteração está relacionado ao percentual de votantes com nível escolar superior completo. Na última eleição era 8,486% (40.556) e agora passou para 19,02% (92.478), um crescimento de mais de 100%.

Segundo o filósofo político e professor de Teoria da Democracia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), José de Magalhães Campos Ambrósio, esse patamar é maior, inclusive, que a média nacional. Apesar da evolução, ele não considera um ponto que poderá definir uma eleição.

“Esse crescimento para quatro anos é de fato um número muito expressivo, inclusive em relação à média nacional, em torno de 12%. Já todas as outras estratificações sociais se mantiveram estáveis, mas essa mudou bastante. Mesmo assim acredito que o ensino superior completo não indica, necessariamente, uma postura eleitoral especifica. Não é à toa que as cidades, de tempos em tempos, variam de escolhas, inclusive ideológicas, assim como o país”.

O que o filósofo político acredita que aumente é a procura por uma análise melhor sobre o perfil dos candidatos, ainda mais em um ano atípico como 2020 em que a eleição se dará mais no meio virtual por causa da pandemia da Covid-19.

“O que eu acho que acontece é que o ensino superior completo promove um escrutínio maior dos candidatos, não sua posição política. Se cruzarmos esse dado com a informação que nessa eleição teremos um número muito grande de candidatos, podemos esperar que sejam mais pesquisados. E nessa eleição especificamente tem uma campanha eminentemente virtual, as pessoas terão muito mais oportunidades de ver e pesquisar a vida pregressa do candidato, principalmente aqueles que têm uma vida pública mais longínqua. A internet não perdoa o passado”.
 
DESINTERESSE DOS JOVENS
Outro dado que mudou nos últimos quatro anos em Uberlândia é a queda de 72% no número de jovens com idades de 16 e 17 anos que podem, mas não são obrigados a votar. Em 2016 eram 3.046 eleitores, enquanto em 2020 caiu para apenas 854. Entre os motivos apontados por José de Magalhães está a crise institucional política que o país passa.

“Essa diferença pode ter duas causas. A primeira é justamente o efeito da pandemia. Se com a obrigatoriedade fica difícil observar esse aumento, com a pandemia pode ter caído. O segundo motivo é o descrédito que a política vem tomando, principalmente pelos discursos de ódio e assim por diante. É o ano de eleição que faz com que as pessoas se engajem para se inscrever eleitoralmente, mas depende também dos candidatos apresentados”.




VEJA TAMBÉM:

• Nordeste é o destino mais procurado pelos uberlandenses para os próximos meses


• Estudo com participação da UFU aponta que metalofármacos podem atuar contra Covid-19

 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »