12/09/2020 às 08h00min - Atualizada em 12/09/2020 às 08h00min

O yoga como aliado no bem-estar diário

Em Uberlândia, praticantes falam sobre os benefícios da atividade

IGOR MARTINS
Suzi Moura encontrou o yoga após ser diagnosticada com depressão | Foto: Arquivo Pessoal

Controlar o estresse, a ansiedade e promover o equilíbrio e a sensação de bem-estar através do trabalho do corpo e da mente de maneira interligada. Este é o objetivo do yoga, prática que surgiu na Índia e tem se popularizado em Uberlândia, especialmente durante o momento de pandemia causado pela Covid-19, de acordo com a instrutora de yoga Suziani Moura.

Formada em administração de empresas, ela conta que trabalhou no setor bancário por muitos anos e que em determinado momento de sua vida foi diagnosticada com depressão. Foi quando passou a fazer uso de diversos medicamentos. Com o tempo, Suzi percebeu que o ofício, que por muito tempo foi interessante, não fazia mais sentido.

Buscando entender o que estava acontecendo, Suzi começou a fazer terapia e mergulhou em várias ferramentas possíveis de autoconhecimento e, durante esse processo, acabou parando em uma aula de yoga.

“A aula de yoga se tornou o melhor momento do meu dia, passei a praticar diariamente. Em poucos meses me vi livre dos medicamentos [para a depressão], respirando de forma mais consciente e naturalmente desenvolvendo hábitos mais saudáveis”, disse.

Com a nova paixão descoberta, no fim de 2018, ela pediu demissão do banco e começou a dar aulas em seu próprio espaço, localizado no bairro Santa Mônica. Para ela, o yoga funciona como um refúgio para limpar a mente e reorganizar os pensamentos, além de proporcionar a liberdade de utilizar a mente como um instrumento para entender o propósito de sua vida.

“A principal mudança que o yoga trouxe na minha vida é a percepção de que quando olho com sinceridade para os meus sentimentos, gostos e aversões eu consigo agir mais diante das coisas, e não simplesmente reagir com coisas que batem em mim e já voltam. Dar um passo para trás e observar o sutil que nos faz fazer as coisas densas. Isso é autoconhecimento”, explicou.

Mais do que uma atividade ou um esporte, Suzi acredita fielmente que o yoga é um estilo de vida. A grande diferença da prática, na visão da instrutora, é o fato de trabalhar o corpo, a mente e a respiração simultaneamente. De acordo com ela, o exercício dá suporte para uma mente calma e clara, desenvolvendo a capacidade de olhar para as situações do cotidiano com mais clareza.

Mesmo com a pandemia de Covid-19, Suzi falou que o número de aulas de yoga aumentou durante o período de fechamento de estúdios e academias. Um dos maiores desafios, segundo ela, foi o de lidar com sua própria resistência em dar aulas online. “Nunca considerei trabalhar nesse formato, mas é possível e funciona. A grande diferença é que no formato presencial podemos tocar no aluno, conduzindo os ajustes com maior facilidade. Nas aulas online, os ajustes são todos verbais e demandam mais tempo de aula”, relatou a instrutora.
 
CONEXÃO COM O MUNDO


Daniel Stefany disse que seu bem-estar está diretamente ligado à prática | Foto: Arquivo Pessoal

Daniel Stefany Duarte Caetano teve o seu primeiro contato com o yoga em 1998. Natural de Patos de Minas e residente em Uberlândia, ele começou a trabalhar em uma escola onde os fundadores eram espiritualistas. De acordo com ele, o cultivo do ser em suas dimensões mentais, emocionais e físicas era uma das maiores preocupações dos proprietários para com todos os alunos e colaboradores.

Graduado em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Caetano, assim como Suzi, pensa que a prática é um estilo de vida. Segundo o patense, as vivências das práticas de yoga combinam alguns movimentos, como a atenção, a respiração e o pensamento.

“As práticas permitem, pouco a pouco, a modificação do padrão mental, melhorando a consciência interior e corporal, que modifica o fluxo e troca de energias, além da tonificação do corpo. Consequentemente isso gera um melhor funcionamento de todos os órgãos, trazendo consigo a sensação de bem estar”, disse durante entrevista ao Diário.

Questionado sobre o impacto direto do yoga em sua vida, Caetano afirmou que a atividade potencializou muitas coisas na rotina. Em sua visão, a prática o coloca em conexão com tudo no mundo de uma forma diferenciada, começando por ele mesmo, mas principalmente com a natureza. “Acredito que a saúde que tenho hoje, tanto psíquica quanto fisiológica, se deve também à inserção dos conceitos e conhecimentos da prática na minha vida”.

Com a rotina afetada por conta da pandemia, o engenheiro elétrico tem praticado o yoga de duas a três vezes por semana em um clube de Uberlândia, o que, segundo ele, é um dos diferenciais da atividade que pode ser praticada em qualquer lugar. “Uma vez incorporado o yoga em sua vida, sempre vai existir um momento em que aquele chamado íntimo te lembrará da necessidade da prática”, falou ao Diário.

Ainda na opinião de Daniel, o impacto do yoga pode ser ainda maior durante o momento de pandemia vivido na cidade. “Muitos são aqueles que, por já não almejarem mais fazer uso de medicamentos para controlar as desarmonias geradas pelo mau pensar, procuram o yoga como um recurso, e acabam encontrando muito mais”.
 
SUPERAÇÃO
“É uma prática que te coloca com o seu ‘eu’ mais profundo, com o seu ‘eu’ espiritual. Esse enlace entre o físico, o psíquico e o espiritual é algo que outras atividades físicas não proporcionam, mas o yoga sim”, relatou Carol Tanimoto, aluna de yoga.

Ao Diário, Carol afirmou que sempre praticou exercícios físicos, mas nunca teve uma forte relação com nenhum deles. Esta realidade mudou quando ela começou a ter aulas de yoga, em dezembro de 2019. “Eu percebi que tinha uma coisa muito poderosa ali. O yoga é completamente diferente”, disse.

Com hérnia de disco e lesão de 2º grau no menisco, Carol contou que sentia muita dor lombar, para agachar, sentar e levantar. Depois de poucos meses praticando o yoga, tudo mudou. Segundo a aluna, ela não sente mais dores e deve tudo isso à prática, incluindo o momento em que ela senta no tapete até o momento de suas ações cotidianas.

“Sou muito grata ao yoga, é muito mais do que simplesmente uma atividade física, realmente é um estilo de vida. Qualquer pessoa que esteja enfrentando um problema psíquico, físico ou espiritual, eu indico fortemente que pratique yoga e passe a adotar as ações do exercício. Garanto que isso vai mudar a vida dela assim como mudou a minha”, finalizou Carol.


VEJA TAMBÉM:


Dentil/Praia Clube monta equipe para a temporada

Eleição em setembro do UEC terá chapa única

 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »