31/05/2020 às 10h47min - Atualizada em 31/05/2020 às 10h57min

Pandemia muda ritmo de estudos dos alunos da rede municipal de Uberlândia

Famílias criam opções para manter estudantes ativos; Prefeitura cria projeto na TV

BRUNA MERLIN
Pedro de 8 anos não tem fácil acesso à internet e utiliza apostilas impressas para estudar | Foto: Arquivo Pessoal
A pandemia do novo coronavírus trouxe diversos imprevistos e mudanças que forçaram a adaptação da população diante das circunstâncias. Com a educação não foi diferente. As aulas presenciais foram suspensas por tempo indeterminado e a medida resultou na mudança da rotina de pais, escolas e alunos.
 
Diferente de muitas escolas particulares, as instituições municipais de ensino ainda não aderiram ao formato de aulas remotas. Diversos fatores impedem a concretização desta alternativa, mas o principal deles é o não acesso à internet e aparelhos digitais que acomete muitos alunos que estudam nas unidades públicas.
 
Em decorrência desses motivos, pais e alunos da cidade de Uberlândia estão se adaptando para dar continuidade aos estudos afetados pela pandemia. É o caso da microempreendedora, Raquel dos Santos Alves, que precisou buscar outras providências com o objetivo de ajudar o filho Pedro de oito anos.
 
Pedro é matriculado na Escola Municipal Professor Valdir Araújo, localizada no bairro Mansour, e está no terceiro ano do ensino fundamental. Após a decretação de suspensão das aulas presenciais, a instituição começou a fornecer semanalmente apostilas impressas para que o menino desse prosseguimento ao aprendizado. Segundo Raquel, a alternativa ofertada pela escola é muito boa, mas ela ainda acha complicado instruir o filho quando surgem dúvidas sobre as disciplinas.
 
“Consigo ter tempo para acompanhá-lo e isso não é um problema, mas muitas vezes não tenho conhecimento para explicar tais questões ou dúvidas. É muito complicado às vezes porque isso retarda o desenvolvimento dele nas matérias”, explicou.
 
Ainda de acordo com a microempreendedora, a situação fica ainda mais complexa porque Pedro não tem livre acesso à internet para buscar conhecimento nos portais oficiais de educação. Raquel conta que precisou cortar o wi-fi da casa onde moram para reduzir gastos durante o período de colapso na economia.
 
“Sou dona de uma agência de turismo, sendo assim, não estou fazendo vendas. Precisei cortar todo gasto extra da casa. Temos internet agora somente no meu celular e é com isso que posso ajudá-lo nesse momento”, complementou. 
 
A história de Raquel chamou a atenção de uma vizinha, que é professora e está afastada devido à interrupção das aulas. A profissional ofereceu seus conhecimentos para ajudar as crianças do bairro que estavam tendo dificuldades em exercícios educacionais. “Está sendo uma ajuda muito bem-vinda nesse momento”, concluiu a mãe de Pedro.
 
GRUPO DE AJUDA
O empresário Emmanuel Caetano também estava enfrentando dificuldades para sanar as dúvidas de seu filho Caio. O menino de 7 anos, que cursa o 2º ano do ensino fundamental na Escola Municipal Professor Milton de Magalhães Porto, situada no bairro Segismundo Pereira, também recebe o material escolar impresso ou pelo portal da Prefeitura de Uberlândia, mas muitas vezes precisa de ajuda para compreender algumas questões de determinadas matérias.
 
Acatando pedidos dos pais, a instituição de ensino criou grupos para cada turma no aplicativo de mensagens WhatsApp. Os grupos são compostos por todos os professores da determinada série, que ficam disponíveis para tirar dúvidas dos alunos, sejam por meio dos pais ou responsáveis, ou pelos próprios estudantes. 
 
“Quando o Caio não consegue resolver um exercício ou tem questionamentos sobre algum texto sempre envio a dúvida no grupo. Esse recurso ajuda muito quando não conseguimos responder tal questão”, disse o pai.
 
Segundo o empresário, ele a esposa estão fazendo o possível para acompanhar o filho nos estudos e manter os mesmos horários de quando ele ia para a escola. “Fazemos com que ele estude todos os dias e o acompanhamos em sua rotina. Por enquanto, tudo está indo muito bem com essas alternativas, apesar das circunstâncias”, disse. 
 
ADAPTAÇÃO
Com o objetivo de implantar novas medidas para levar a educação municipal aos estudantes e atender aqueles que não possuem acesso à internet ou aparelhos digitais, a Prefeitura de Uberlândia irá oferecer a partir da próxima segunda-feira (1º) videoaulas veiculadas na TV Universitária. O novo projeto faz parte do Programa Escola em Casa.
 
“Nós estamos vivendo em um período muito complicado e sem perspectiva de melhora. Sendo assim, estamos trabalhando todos os dias para manter o vínculo entre aluno e escola. Nosso dever é não deixar que esses estudantes fiquem sem conhecimento durante esse período”, ressaltou a secretária municipal de Educação, Tânia Toledo.
 
De acordo com a responsável, as videoaulas serão um complemento daquilo que já é disponibilizado semanalmente nas apostilas. Todo o conteúdo será oferecido de forma interdisciplinar, ou seja, professores de diferentes matérias poderão abordar um mesmo assunto contextualizado com as diretrizes da disciplina para oferecer maior conhecimento e entendimento aos alunos.
 
Para a microempreendedora, Raquel dos Santos Alves, a nova medida poderá ajudar seu filho Pedro, já que o ele agora não tem mais livre acesso à internet e conseguirá acompanhar o conteúdo pela televisão. “Acredito que irá ser um reforço daquilo que ele já está aprendendo. Estou confiante de que será bom”, comentou.
 
O pai de Caio também acredita no potencial do projeto e ressalta o trabalho do Município durante esse período de incertezas e mudanças. “Apesar de diversos fatores que complicam nosso dia a dia, a Prefeitura está se movimentando para oferecer novos serviços adaptados à toda a população, principalmente os estudantes”, reforçou ele. 
 
GRAVAÇÕES
Todas as aulas estão sendo gravadas desde o dia 12 de maio por 35 docentes de diferentes disciplinas da rede municipal de ensino da cidade. Todo o material que será transmitido foi produzido nos estúdios da TV Universitária.
 
Cada videoaula terá duração de trinta minutos e o conteúdo será exibido de segunda a sábado em horários diferentes de acordo com cada ano do Ensino Fundamental. Além disso, o projeto irá contemplar a Educação Infantil, a Educação de Jovens e Adultos (EJA), o Atendimento Educacional Especializado (AEE) e o Programa Municipal de Alfabetização de Jovens e Adultos (Pmaja).
 
O investimento total para a implantação do novo projeto foi de R$ 73 mil. O recurso prevê, durante quatro meses, a utilização do estúdio e equipamentos da TV para a gravação das aulas e sua respectiva veiculação, bem como a mão de obra especializada para cinegrafia, áudio, iluminação e edição. 
 
Por fim, a secretária de Educação ressalta que um novo objetivo já está sendo traçado para melhorar a criação das videoaulas. “Pretendemos conseguir montar uma nova equipe de professores para que haja revezamento de profissionais durante as gravações semanais”, detalhou. 
 
A TV Universitária pode ser acessada pelo canal aberto 4.1 ou através do canal fechado 8 da Algar. Os conteúdos também serão disponibilizados no site da Prefeitura. 
 
Horários das aulas na TV Universitária

Horários

Segunda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

Sábado

9h às 9h30

6º ano

8º ano

6º ano

8º ano

9º ano

-

9h30 às 10h

7º ano

9º ano

4º ano

7º ano

4º ano

-

10h às 10h30

1º ano

3º ano

5º ano

1º ano

3º ano

-

10h30 às 11h

2º ano

Educaçâo Infantil

2º ano

Educação Infantil

5º ano

-

14h30 às 15h

-

-

-

-

-

Educação Especial

15h às 15h30

-

-

-

-

-

Áreas especializadas (arte, ed. física e ensino religioso)

19h30 às 20h

PMAJA

-

PMAJA

-

-

-

20h às 20h30

EJA

-

EJA

-

-

-

 












 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »