22/12/2019 às 08h57min - Atualizada em 22/12/2019 às 08h57min

Ensino médio terá mais vagas em tempo integral em Uberlândia

Segundo superintendente, para o próximo ano serão 926 vagas em quatro escolas estaduais de Uberlândia

SÍLVIO AZEVEDO
Onília Maria disse que não terá municipalização em 2020 por decisão dos prefeitos | Foto: Sílvio Azevedo
Depois de anunciar a redução no número de vagas para escolas de tempo integral, o Governo do Estado começa a retomar os atendimentos para estudantes dos ensinos fundamental e médio. Ao todo, 453 alunos estiveram matriculados em 2019 e, para 2020, pelo menos 926 novas vagas serão disponibilizadas.

O Diário de Uberlândia conversou com a Superintendente Regional de Ensino de Uberlândia, Onília Maria de Oliveira Borges, que explicou a razão pela qual o Estado realizou essa mudança na didática das aulas do contraturno do ensino em tempo integral. Ela falou também sobre projetos para dar oportunidades de qualificação profissional.

A superintendente ainda lembrou que as pré-matrículas da Rede Estadual de Ensino já começaram e o prazo foi prorrogado até o dia 6 de janeiro no portal da Secretaria de Estado de Educação. Confira a seguir os principais trechos da entrevista.

 
 
Como está o processo de municipalização do ensino fundamental aqui em Uberlândia?
Nos municípios que fazem parte da nossa superintendência, Uberlândia, Araguari, Indianópolis, Prata, Tupaciguara, Nova Ponte, Campina Verde, nenhum dos nossos municípios tem municipalização. O que ocorre, que está tendo uma interpretação errônea, é que as escolas que têm tempo integral tiveram que diminuir turma, mas são algumas escolas. Por exemplo, de ensino médio nós temos quatro com tempo integral aqui na cidade. O povo está entendendo isso como municipalização. Nós temos termos assinados de todos os prefeitos que não quiseram pegar do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental. Então, não temos municipalização para 2020.
 
Como será o aumento da oferta de vagas de ensino integral para o ano de 2020?
Este ano uma escola de Uberlândia tinha três turmas de ensino médio, atendendo 100 alunos, enquanto outras 11 escolas de ensino fundamental oferecem 14 turmas e 353 vagas. Para 2020, o ensino médio terá outras três escolas, com 22 turmas e 926 vagas. Do ensino fundamental, essas vagas já estão garantidas por causa da continuidade de turmas e só serão abertas outras depois que terminar o período de pré-inscrição escolar da rede pública, que é dia 6 de janeiro.
 
No início do ano, o Governo do Estado anunciou uma redução no número de vagas para alunos do ensino fundamental em período integral. Por que essa medida foi tomada?
Deu uma diminuída porque não tínhamos uma matriz curricular. O que acontecia, o aluno tinha aquela matriz básica no turno da manhã. No contraturno ele brincava. Não tinha um plano de trabalho. Agora, para 2020, teremos uma matriz direcionada, conteúdo nos dois turnos, aumentou-se o número de aulas por conteúdo nas disciplinas das séries que têm tempo integral e, com certeza, esses meninos vão sair à frente no ensino.
 
No formato anterior, os professores tinham autonomia para programar atividade de contraturno. Agora eles têm que seguir uma matriz determinada. Por que?
Mudamos porque não teve resultado. A hora que a gente faz um levantamento através de avaliação interna e externa dos alunos que estavam no tempo integral, se ele não conseguiu avançar com melhor aprendizagem e melhores notas, isso não foi satisfatório. Então a gente viu que precisava direcionar. Não tinha um sexto ano de tempo integral com nota melhor que uma turma de meio período. Então não estava tendo sentido. O que esse aluno estava fazendo na volta dele à escola? Então não é só um ensino aprendizagem. Hoje a gente preocupa muito, a gente trabalha o ‘Projeto de Vida’ com alunos do ensino médio. Fazer esse menino entender quem é ele, qual o papel dele nessa sociedade que ele vive e o que ele quer dentro disso. É o conflito que a gente vive hoje com nossas crianças.
 
Como foi a aceitação dos professores com essas mudanças?
Não tivemos rejeição. É muito mais fácil você trabalhar direcionado do que ter que criar. Como a secretaria já vem com uma proposta de trabalho, para o professor é só elaborar e executar. Então é muito mais fácil para ele. Tanto é que a matriz a partir do ano que vem será nova, da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). As capacitações serão feitas a partir do dia 1º de fevereiro, teremos uma semana de capacitação dos professores e a proposta é muito boa. Já vem separadinho, o que professor tem que trabalhar, o que tem que fazer a cada bimestre.
 
E como foi a elaboração dessa matriz escolar que será aplicada nas aulas do contraturno?
Ela foi elaborada através de pesquisas, levantamentos de porquê que não dá certo. No primeiro levantamento foi por que tinha tanta evasão. Começa aí. Ele [aluno] não vê sentido na escola. A gente fez aquela busca, que foi uma primeira ação do estado lá em agosto. Alguns, a gente conseguiu, outros falaram que iam trabalhar, tentar ganhar a vida de outro jeito e a escola ficando em segundo plano. Temos que fazer uma escola mais atraente.
 
Você disse que o governo tem o projeto de oferecer cursos profissionalizantes para alunois do ensino médio no contraturno. Em Uberlândia serão quantas escolas e quais cursos ofertados?
O aluno vai fazer o médio profissionalizante, que vai dar um diploma de técnico para ele e uma condição de trabalho. Já vai sair da escola com alguma coisa para fazer. Em Uberlândia será na Escola Estadual Bueno Brandão, com três turmas e 112 vagas para o curso de desenvolvimento de sistemas.
 
Escolas Estaduais de Ensino Médio Integral em 2020
- Guiomar de Freitas Costa
- EE da Cidade Industrial
- Teotônio Vilela
- Ângela Teixeira da Silva
 
Escola Estadual de Ensino Médio Integral Profissional em 2020
Bueno Brandão







 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »