21/12/2019 às 10h45min - Atualizada em 21/12/2019 às 10h45min

Uberlândia se destaca na geração de energia solar

Cidade tem mais de 1,6 mil conexões; redução na conta pode chegar a 90%

VINÍCIUS LEMOS
Vantuil (E) e o filho adquiriu as placas para instalar em casa e na empresa | Foto: Divulgação
Uberlândia tem mais de 1,6 mil conexões fotovoltaicas, o que coloca entre as maiores cidades produtoras desse tipo de energia no Brasil, batendo até mesmo a capital Belo Horizonte. Ainda que o investimento seja alto, há linhas de crédito para financiamento e o que se espera é que entre 2 e 4 anos todo o gasto com a instalação seja retornado com diminuição de até 90% da conta de energia no período. Numa empresa consultada pela reportagem, o crescimento de pedidos chegou a dobrar.

De acordo com dados da Cemig, Uberlândia tem cerca de 100 ligações a mais que Belo Horizonte, que tem pouco mais de 1,5 mil conexões. A cidade do Triângulo tem capacidade de geração de 18 megawatts, contra 14 megawatts da capital.

Essa demanda por ligações com placas fotovoltaicas fez com que a concessionária mineira fizesse mudanças para atendimento dos interessados. “Tivemos uma evolução nesse processo, principalmente depois que foi criado uma gerência para atender os pedidos. Ao longo dos anos a Cemig se destacou como a empresa com maior número de conexões. Foi necessária uma reestruturação do processo”, disse o engenheiro de processos comerciais da Cemig, Lucas Antônio Correa.

A redução na conta de energia se dá porque o consumidor passa a gerar energia solar a partir da instalação das placas fotovoltaicas. A energia captada fica registrada e quando não gera mas há o consumo, é feita a medição. No final do mês, há um encontro de contas e tudo que o consumidor gera leva a créditos e abate nos valores gastos. O pagamento à Cemig se dá apenas pela taxa mínima para o tipo de imóvel.
 
PEDIDOS
Empresário do setor, Fernando Evangelista disse que desde meados deste ano os pedidos mais que dobraram e que a cada 10 apresentações a possíveis clientes, entre 6 e 7 acabam fechando negócio. “Temos um dos maiores tempos de irradiação do Estado, é possível usar isso para mudar o consumo de energia. Isso vem sendo percebido e desde o mês de junho houve ainda maior aceitação”, disse.

Ele explicou que para uma família ou empresa que gasta, em média, R$ 300 com energia elétrica o investimento com a instalação de placas fotovoltaicas será entre R$ 13 mil e R$ 14 mil. O custo, que ainda inviabiliza o acesso a muitos consumidores, contudo, pode ser financiado com linhas de créditos específicas e parcelamento a longo prazo, inclusive com valores de parcelas decrescentes.
 
CONSUMIDORES
O contador Vitor Oliveira usa o sistema de placas voltaicas para produção da própria energia há cerca de um ano no escritório e em casa. O resultado até agora gerou a redução nas contas que somavam R$ 1 mil para aproximadamente R$ 180 em ambos os imóveis. O investimento foi de R$ 40 mil, o que ele espera ter retornado em até 3 anos. “Vi que muita gente estava instalando e um amigo começou a trabalhar em empresa de energia sustentável. Ele me apresentou e a gente fechou. Dentro de 30 dias instalei”, disse.

Com contas que chegavam a R$ 2,3 mil por mês, tanto na empresa como em casa, o também contador Vantuil Martins de Assis recentemente fechou negócio para instalação de placas fotovoltaicas que vão suprir a demanda por energia de ambos os imóveis. Ele aguarda a instalação até o fim do próximo mês e já prevê que o gasto com energia deverá cair para menos de R$ 250. “O valor que iniciei pagando, de R$ 1,8 mil [a parcela], é menos do que eu pago pela energia. O investimento foi de R$ 47 mil. Vou pagar em 36 parcelas e a última virá por R$ 1,3 mil. É vantajoso”, afirmou.







 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »