02/11/2019 às 07h00min - Atualizada em 02/11/2019 às 07h00min

Pitty volta à Uberlândia com turnê que marca seu retorno aos palcos

Diário conversou com a artista que se apresenta neste sábado (2) no "Te Vejo no Parque"

ADREANA OLIVEIRA
Pitty afirma que “Matriz” é a turnê mais diferente que já fez | Foto: Otávio Sousa/Divulgação

Pitty volta neste sábado (2) a Uberlândia, cidade que recebeu praticamente todas as suas turnês nos últimos 16 anos. A turnê “Matriz” marca sua aguardada volta aos palcos depois de dedicar-se à maternidade. Desde o primeiro show como atração principal em um festival de bandas locais na Acrópole à headliner do Triângulo Music no estádio do Parque do Sabiá, ela também esteve por aqui em um inesquecível show no London Pub lotado – de onde a banda só saiu com o dia claro.

De “Admirável Chip Novo” (2009) a “Matriz” (2018), Pitty mantém sua essência que hoje vai além de uma musa do rock. Algumas mudanças aconteceram ao longo do caminho e ela se firmou no cenário brasileiro com uma identidade forte e fiel à sua arte e por isso, o encontro com os fãs nos shows sempre tem um gosto especial.

“Fico honrada de perceber esse crescimento em conjunto, essa turma que me acompanha há tanto tempo e que soma com as novas pessoas que vão chegando a cada disco. Acho que essa longevidade tem a ver com a construção sincera dessa relação com o público, de se permitir ser de verdade - com tudo de bom e de ruim que vem no pacote (risos)... de se humanizar. E também de ir tendo a beleza, de ir criando canções que, ao longo do tempo, crescem e acompanham as pessoas. A cada disco essa relação se fortalece”, disse a cantora e compositora em entrevista ao Diário de Uberlândia.

Dos músicos da banda que estão com Pitty há mais tempo, segue Martin Mendonça (guitarra e vocal de apoio) e chegaram depois Guilherme Almeida (baixo), Paulo Kishimoto (teclados, lap steel, percussão e vocal de apoio) e Daniel Weksler (bateria). Esse último, marido da cantora e pai de sua filha, Madalena.

Os shows seguem pautados pela entrega e cuidado na produção. E a Pitty artista dialoga bem com a Pitty mãe. “No começo, a volta, a adaptação a uma nova realidade foi confusa. Mas acho que é assim para toda mulher, cada uma no seu grau. Essa nova turnê é a mais diferente que já fiz; foi pensada com cuidado, a parte audiovisual, direção artística, tudo. Cuidei para que fosse uma experiência sensorial coletiva. Tem momentos variados e é bem completa”.

As mudanças no mercado fonográfico são desafios constantes para a artista que recebeu o Single de Ouro por “Te conecta”, presente em “Matriz”, que sairá em breve também em fita K7. Com cinco álbuns lançados, Pitty não se pautou por modismos e cuida de perto de tudo que tem a ver com sua carreira.

“Esse é um grande desafio. Talvez o maior de todos atualmente. Nunca foi tão fácil gravar e lançar uma música- o que é bom pelo lado da democratização. Mas aumenta o ruído ao redor, e faz com que a gente tenha que escolher bem o que vai escutar pois não há tempo para tudo. Para mim, o mais importante antes de fazer um projeto ou um disco é ter aquela sensação interna forte que há uma história a ser contada. Há algo a ser dito, e escutado. Alguns chamam de inspiração. Não é algo que acontece o tempo todo, especialmente se se está mais preocupado com números e pressão externa do que com a criação em si”, afirmou ela, que completa que a relevância é dada pelo aprofundamento na criação, e pela validação através do sentimento.

Há também a parte menos subjetiva e mais mão na massa: gerenciamento de carreira é algo que envolve planejamento, objetivos, desejos, renúncias. Mas, principalmente, entender o que se quer fazer e como.

Como uma das apresentadoras do “Saia Justa” (GNT), ela tem conquistado mais audiência, e é referência em moda e estilo para muitas mulheres e usa bem as redes sociais para manter contato com seu público. Para Pitty, o mundo virtual é uma extensão do real, uma ferramenta para diálogo e comunicação da qual não é refém. “Posto quando quero, quando sinto que há algo para ser, de fato, compartilhado”.

A cantora está entre as mulheres mais bem-sucedidas do Brasil, é um exemplo de mulher forte, que apesar de tudo que circula de ruim por aí, tem uma visão otimista. “Duas coisas me fazem feliz: eu, Dani e Madalena; e o palco. Eu tenho uma visão positiva sim, tenho que ter. Mais do que nunca, é preciso garra e coragem para construir um mundo massa para nossos filhos e para as crianças. É responsabilidade nossa para com as próximas gerações que as crianças de hoje cresçam num mundo mais gentil que o nosso”.

Pitty é atração de hoje no festival Te Vejo no Parque, na área externa da Arena Sabiazinho. Os portões abrem às 16h e os shows começam às 19h. Hoje, além de Pitty tem Frejat e Marcelo Falcão e amanhã Jão, CPM 22, Melim e Raimundos.









 


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »