31/10/2019 às 16h50min - Atualizada em 31/10/2019 às 18h31min

Mesmo após obras, rua do bairro Shopping Park volta a ficar alagada

Melhoria na rede pluvial não resolveu o problema de inundação na rua Antônio Carlos Martins Ribeiro em Uberlândia; escola foi interditada devido às chuvas

VINÍCIUS LEMOS
Sujeira acumulada na rua após a chuva de segunda; tinha até rato morto | Foto: Vinícius Lemos
Menos de dois meses depois de finalizadas as obras pluviais do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) no bairro Shopping Park, a rua Antônio Carlos Martins Ribeiro voltou a alagar. O trecho é o mais problemático do bairro em relação à dificuldade de captação das águas das chuvas. Ainda faltam melhorias, que inclui uma nova rede pluvial, a serem executadas pelas construtoras do empreendimento próximo à avenida Nicomedes Alves dos Santos.

De acordo com os moradores da rua inundada, uma pancada de chuva entre o fim da manhã e o início da tarde da última segunda-feira (28) fez com que a água se acumulasse de frente à área onde será construída a praça Hamilton Marques, entre as ruas Professor Erotildes Silva de Menezes e Othay Ribeiro Azambuja Neto. Sem ter para onde escoar, além de alagar a rua Antônio Carlos Martins Ribeiro, a água invadiu pelo menos duas casas e também a estação do Dmae que existe no fim da via.

“Não tinha como sair de casa sem molhar. Tivemos que esperar e minha mulher que ‘rapou’ a água. Agora, aqui fora ficou cheio de terra e barro. Para tirar, só com mangueira”, disse o morador Matheus Fernando e Oliveira, se referindo à varanda da casa invadida pela água acumulada. Ele ainda explicou que a chuva foi rápida e não muito forte, por isso teme que outras precipitações ainda mais fortes causem novos estragos.

 

Também morador do local, Mauro Renê afirmou que esperava que houvesse uma obra mais robusta, com aumento das bocas de lobo e a instalação de uma grelha principal que pudesse receber mais água das enxurradas do bairro. “A ideia era que nas descidas fossem instaladas grelhas atravessando as ruas. Mas não fizeram nada. Mexeram nas bocas de lobo na descida. Aumentaram um metro mais ou menos em cada uma”, disse.

Um vídeo circulou pela internet logo após a chuva mostrando que um quarteirão da via ficou completamente cheio de água, e nele a moradora que fez a gravação reclama que as obras não foram feitas como deveriam, uma vez que a água continuou acumulando na rua e invadindo imóveis. Veja as imagens abaixo. 




DMAE
Segundo o gerente de Drenagem Pluvial do Dmae, Cleyton Silas, as obras feitas no mês de agosto no bairro Shopping Park contemplaram apenas uma das etapas que foram planejadas para o local. Ele informou que a parte do Município visava a melhoria de 25 bocas de lobo, ampliação da caixa de drenagem e também os projetos para que as construtoras pudessem executar em outros pontos do bairro.

“[As construtoras] ficaram de executar as obras nas redes no prolongamento das avenidas Rio Acima e Nicomedes. Seria um desvio das contribuições que vêm nas ruas para aliviar a [rua] Antônio Carlos Martins. (As águas captadas mais acima) seriam deslocadas diretamente para o Rio Uberabinha, sem passar pela Antônio Carlos”, disse Silas.

A previsão é que essas mudanças fossem finalizadas até 30 de novembro, mas por conta da demora na liberação por parte de órgãos de meio ambiente, existe a expectativa de que elas sejam iniciadas em 10 dias. O prazo para finalização é de 60 dias, ou seja, no auge da estação de chuvas em Uberlândia.
 
HISTÓRICO
O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou uma ação civil pública apontando diversos problemas no bairro, entre eles, a invasão de água de enxurrada em residências devido ao refluxo da rede de esgoto.

Em audiência na Justiça Federal, foi acordada a solução desses e outros pontos que levavam riscos aos moradores do bairro. Estavam presentes representantes de quatro construtoras, da Caixa, da Prefeitura, do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) e do MPF.

O termo da audiência mostra que o juiz federal Osmar Vaz de Mello da Fonseca Júnior acertou entre as partes ações como o projeto de captação de águas pluviais no entorno da rua Antônio Carlos Martins Ribeiro, o qual já é executado.

O acordo envolve a Prefeitura, Dmae e construtoras acionadas na ação civil pública. Com o trato, o MPF renuncia o direito de reivindicar o dano moral coletivo a vícios construtivos em relação às construtoras, ao Município de Uberlândia, bem como ao Dmae.

ESCOLA INTERDITADA
Também devido às chuvas dos últimos dias, o telhado da Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) do bairro Shopping foi atingido e as atividades da unidade foram suspensas nesta quinta-feira (31). Até que os reparos sejam concluídos, os alunos serão realocados em outras unidades a partir da próxima segunda-feira (4). 


Confira abaixo como será o atendimento aos estudantes na próxima semana, conforme comunicado feito pela Prefeitura de Uberlândia nesta quinta-feira (31). 

 - Os alunos do período integral (Berçário, GI, GII e GIII) serão atendidos, a partir de segunda-feira (4), na Instituição Missão Sal da Terra – Centro Educacional Helder de Bastos, situada na rua Ivete Cordeiro da Silva, nº 1.170, bairro Shopping Park. Telefone: 3255-5144.

- Os alunos do período parcial GII, GIII, Primeiro e Segundo períodos (manhã ou tarde) serão atendidos a partir de terça-feira (5) no CEU Shopping Park, situado na rua Juvenília Mota Leite, nº 700, bairro Shopping Park. Telefone: 3253-1204.

- Os alunos do Segundo Período da sala 13 (manhã ou tarde) serão atendidos, a partir de terça-feira (5), na Escola Municipal Presidente Itamar Franco, situada à rua Jurandir Macedo, nº 185, bairro Shopping Park.








 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »