17/09/2019 às 15h21min - Atualizada em 17/09/2019 às 15h21min

Golpista tenta vender assinaturas do jornal Diário de Uberlândia para igrejas da região

Vítimas identificadas até o momento são instituições religiosas de Uberlândia e Monte Alegre de Minas

SÍLVIO AZEVEDO
Recibo de pagamento falso apresentado a vítima do estelionatário
Uma pessoa se passando por vendedor do jornal Diário de Uberlândia está tentando convencer instituições religiosas de Uberlândia e cidades da região a fazerem assinatura do periódico de forma fraudulenta. Até agora já foram identificadas três tentativas, com uma parcialmente consumada.

De acordo com o coordenador de logística do Diário de Uberlândia, Eurípedes José dos Santos Júnior, o estelionatário fazia uma proposta fora da realidade da empresa, tentando convencer os párocos a fazer a falsa assinatura.

“Um assinante nosso disse que entraram em contato oferecendo a renovação, com seis meses de cortesia e uma página para divulgação de ações religiosas. Alguns dias depois, um padre de Monte Alegre de Minas me ligou dizendo que um rapaz ofereceu a mesma proposta. Na hora informei que era fraude”.

O próximo passo foi informar a Diocese, que toma conta das igrejas da região, que havia uma pessoa se passando por vendedor do jornal e que tudo não passava de fraude.

Em Monte Alegre de Minas, o padre João Júnior, da Paróquia São Francisco das Chagas, desconfiou da proposta e ligou para o jornal, quando foi informado que seria uma fraude. “Como era no final da tarde, desconfiei e liguei no jornal que me informou que não procedia a proposta e descobri que era fraude. Entrei em contato com a Diocese, que repassou para as demais paróquias. No outro dia o rapaz ligou novamente perguntando se podia buscar o dinheiro e eu falei que sabia que era golpe e que não era para ligar novamente. Ele desligou o telefone”.

Em Uberlândia, uma paróquia do bairro Laranjeiras foi vítima do estelionatário. A igreja foi lesada em R$ 200, segundo uma das secretárias. “Recebi uma ligação de um homem que se identificou como um padre de Uberaba que queria falar na casa paroquial. Depois ele entrou em contato com o padre e ofereceu a assinatura do jornal, com uma proposta de dois pagamentos de R$ 198, boleto e iria dar três coletâneas do Pe. Zezinho para gente”, conta.

No dia seguinte, o homem foi à igreja e solicitou o primeiro pagamento em dinheiro e disse ainda que, no outro dia, levaria a nota fiscal e o outro boleto. “Conversei com ele, que me pareceu muito sábio sobre coisas da igreja. Em seguida, ele cobrou o pagamento da primeira parcela à vista, e, como já estava autorizado os pagamentos dos boletos, pagamos. Ele até nos emitiu um recibo. Passados os dias, não chegaram nem o boleto nem a nota fiscal por email. Foi quando entramos em contato com o jornal e descobrimos que tínhamos sido vítimas de um estelionatário”.

O recibo emitido para a paróquia possui informações falsas, como um CNPJ inexistente e um telefone que não é o do jornal, além da logo ser diferente da registrada pelo Diário de Uberlândia.

A direção do Diário de Uberlândia já registou um boletim de ocorrência sobre os fatos. Sempre que tiver dúvidas a respeito de renovação ou para realizar assinaturas, o jornal disponibiliza dois números, o 3236-3545 e o celular com Whatsapp (34) 99763-0063, além dos perfis no Facebook (Diário de Uberlândia) e Instagram (@diariodeuberlandia) e a sede física (rua Agenor Paes, 122).
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »