16/09/2019 às 15h37min - Atualizada em 16/09/2019 às 15h37min

Nível de reservação cai e Dmae reforça ações para evitar desabastecimento de água

Nível na estação de Sucupira caiu para 2,40 metros; para Dmae período em Uberlândia é pior que 2014

GIOVANNA TEDESCHI
Com média diária superior a 250 litros por pessoa, o consumo de água em Uberlândia se mantém elevado mesmo com a previsão de chuva apenas para daqui a praticamente um mês. O Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) reforçou o estado de atenção nesta segunda-feira (16) depois que o nível no principal manancial que abastece a cidade voltou a apresentar nova queda. 

Na Estação de Tratamento de Sucupira, o nível na reservação de água havia caído de 3 metros de altura no fim de agosto para 2,8 metros na primeira semana de setembro. Agora, a autarquia informou uma nova queda: o nível de água baixou para 2,4 metros. 

 

Segundo o diretor-geral do Dmae, Paulo Sérgio Ferreira, o período atual é mais crítico do que o vivenciado em 2014, quando também houve estiagem intensa. “Nós tivemos um crescimento da população e as temperaturas estão mais altas”, disse, em coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira (16). 

A previsão é que só volte a chover em Uberlândia depois do dia 15 de outubro. Mesmo assim, o consumo de água está bem acima do normal. No último dia 3 o Dmae registrou um recorde histórico no consumo de água, com 266 litros por habitante em um único dia. O recomendável para Uberlândia é que o consumo per capita fique entre 140 e 160 litros/dia. 

A alta no consumo aliada ao período intenso de estiagem já começou a gerar problemas para a população. No último fim de semana, bairros como Santa Mônica, Jardim Ipanema, São Jorge, Jardim Califórnia, Morumbi, Vila Marielza e Minas Gerais registraram falta de água. Isso aconteceu por causa da falta de pressão para que a água chegue até as caixas das regiões mais altas. O Dmae enviou caminhões-pipa para abastecer as residências. “Se nós continuarmos o desperdício de água, nós poderemos ter problemas em determinadas regiões da cidade”, afirmou Ferreira. 

Em entrevista à imprensa, diretor do Dmae reforçou estado de atenção | Foto: Giovanna Tedeschi

O diretor também voltou a mencionar a situação dos assentamentos que consomem água não regularizada em Uberlândia. “Nós estamos tendo, nas regiões mais baixas da cidade, um consumo de água não controlado. Temos casos, por exemplo, do assentamento Fidel Castro, que retira água da própria adutora da Sucupira e com isso nós perdemos a pressão da adutora e prejudica toda a distribuição de água para os reservatórios”, disse. 

No dia 6 de setembro, funcionários do Dmae se reuniram com representantes dos assentamentos para discutir a utilização de água, hoje feita de maneira clandestina. Na semana passada, equipes da autarquia foram até a ocupação Maná, que fica próxima ao bairro Morumbi, e fizeram a contenção de cerca de sete vazamentos. Nesta semana, começa o trabalho no assentamento Glória. A expectativa é instalar padrões comunitários para fazer a distribuição e cobrança da água no futuro. 

NOVAS AÇÕES 
Na manhã desta segunda (16), o Dmae fez uma reunião com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) para aumentar a capacidade de tratamento de água nas estações da cidade. “Nós solicitamos um aumento da nossa demanda provisoriamente, até 15 de novembro, para que possa elevar a nossa demanda na Sucupira em 500 kW e aumentar a nossa demanda no Bom Jardim em 300 kW. Com isso, nós vamos poder ampliar os horários de trabalho das bombas elétricas”, afirmou o diretor-geral. 

Também na estação do Bom Jardim, a autarquia deve aumentar a capacidade de adução (ou transporte) da água. A expectativa é que a estação transporte, ainda neste ano, 2m³ por segundo. Outra novidade é a estação Capim Branco, que deve ser inaugurada no ano que vem e vai aumentar em 50% a capacidade de tratamento de água. 

SERVIÇO 
Quem sentir falta de água em casa pode ligar para o número 155. Há quatro caminhões-pipa de plantão para auxiliar. O número também pode ser usado para falar sobre vazamentos de água, de esgoto, religação, agendamento de vistoria, informações sobre coleta seletiva e convencional e retificação de projetos. 

 Dicas para reduzir o consumo 

- A redução do tempo de banho para cinco minutos, economiza cerca de 90 litros de água 

- Reutilizar a água da lavagem de roupas para limpar as calçadas, evitando o uso da água tratada para essa finalidade. A economia desta ação é, em média, de 120 litros 

- Consertar vazamentos domésticos. Uma torneira pingando desperdiça cerca de 46 litros de água por dia. No caso de vazamentos maiores, em forma de filete, o desperdício pode chegar a 750 litros por dia. 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »