09/09/2019 às 18h45min - Atualizada em 09/09/2019 às 19h42min

Sócios do Hospital Santa Catarina terão que indenizar R$ 2,75 milhões

Ação se refere a danos morais coletivos de funcionários e ex-funcionários desde 2012

SÍLVIO AZEVEDO
Hospital está fechado desde 2016 | Foto: Arquivo Diário de Uberlândia
A Justiça do Trabalho condenou os seis sócios majoritários do Hospital Santa Catarina a pagarem, juntos, R$ 2,75 milhões em indenizações trabalhistas por danos morais coletivos a funcionários e ex-funcionários da unidade de saúde a partir de junho de 2012. A decisão foi publicada na sexta-feira (06) e assinada pelo juiz do trabalho substituto Arlindo Cavalero Neto.

O juiz entendeu que os acusados têm “responsabilidade solidária”, juntamente com o Hospital Santa Catarina S/A e a empresa Integração Serviços Médicos Hospitalares Ltda, no pagamento dos salários mensais, férias, 13º, vale-transporte, cesta-básica, verbas rescisórias e depósitos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Foram condenados Wellington Salgado de Oliveira (R$ 1,25 milhão), Paulo César Monteiro (R$ 500 mil), Carlos Alberto Salomão (R$ 250 mil), Paulo Roberto Salomão (R$ 250 mil), Emílio Carlos de Oliveira (R$ 250 mil) e Valter José Van Kruger Sobrinho (R$ 250 mil).

O Diário de Uberlândia entrou em contato com a defesa dos réus. O advogado Silvano Freitas, que representa Valter José Van Kruger Sobrinho, afirmou que seu cliente não tem responsabilidades pois na época do fato não era mais sócio do Hospital Santa Catarina e que entrará com recurso. A nota afirma ainda que o médico não recebeu o valor da venda das ações por parte de Paulo Cesar Monteiro, sua esposa e do garantidor Wellington Salgado.

A reportagem entrou em contato com Paulo César Monteiro, que atendeu a ligação e disse que não iria se pronunciar. “Não tenho nada a declarar”, disse. Até o fechamento da reportagem, os defensores dos demais citados não retornaram o pedido de resposta.

NOVA ERA
O Hospital Santa Catarina está fechado desde 2016, quando teve problemas com a Vigilância Sanitária. Em 2018, foi adquirido pela Sociedade Educativa do Brasil (Soebras) que tinha projeto de transformar a unidade de saúde em um hospital escola.

Em entrevista cedida ao jornal Diário de Uberlândia no dia 18 de dezembro do ano passado, o gestor da Soebras, Ruy Muniz, afirmou que a ideia era reabrir o Hospital Santa Catarina com 60% do atendimento para o Sistema Único de Saúde (SUS) e o restante à saúde suplementar, com investimento inicial de R$ 6,5 milhões, podendo chegar a R$ 30 milhões em um segundo momento.

A reabertura estava prevista para março deste ano, o que não aconteceu por falta do alvará sanitário e do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). O Diário de Uberlândia tentou contato com Ruy Muniz, mas as ligações não foram atendidas.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »