03/09/2019 às 14h25min - Atualizada em 03/09/2019 às 14h25min

Lojas do Uberlândia Clube têm queda de 40% nas vendas após interdição

Complexo ficou totalmente interditado por quatro dias no último mês após vistoria do Procon Estadual; ação será feita para minimizar prejuízos

VINÍCIUS LEMOS
Principal problema é grande boataria sobre a interdição que aconteceu em agosto no completo, apontam lojistas | Foto: Vinícius Lemos
Cerca de duas semanas depois de as lojas do Uberlândia Clube, no Centro, terem voltado a funcionar, empresários com estabelecimentos no complexo registram queda de até 40% no movimento de clientes. Essa diminuição também afetou outras lojas vizinhas, fora do condomínio empresarial, na rua Santos Dumont. Para a próxima semana, o comércio do local vai lançar uma campanha para chamar a atenção do público e tentar revitalizar as vendas.

De acordo com lojistas nas galerias do Uberlândia Clube, o principal problema é que existe grande boataria sobre a interdição que aconteceu em agosto e também certo desconhecimento da população sobre a retomada do funcionamento dos comércios. Entre os boatos relatados aos lojistas estavam o de um suposto risco de desabamento do prédio, o de vazamentos de gás e perigo de explosão e até um sobre os comércios terem de sair do local após o fechamento.

“É importante comunicar que houve readequações e fizemos tudo em quatro dias. [Foram] Coisas simples, como sinalizações e placas”, disse o empresário Amarildo Santos. “Clientes meus não sabiam que tínhamos reaberto. Muitos clientes se assustaram com o fechamento”, disse a gerente de um restaurante Viviane Camargo.

No dia 14 de agosto, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros interditaram o complexo do Uberlândia Clube, durante uma vistoria na edificação que ainda contou com o Procon Estadual. As lojas localizadas no prédio também foram interditadas. A alegação era de que havia problemas estruturais no prédio, que não ofereceria segurança aos frequentadores do espaço destinado a eventos. O Uberlândia Clube precisará passar por uma série de restaurações e reformas, como nas instalações hidráulica e elétrica, além do piso e telhado.

 

Entretanto, no dia 20 do último mês, menos de uma semana depois de serem fechadas, as lojas instaladas no complexo foram liberadas pelo Procon Estadual para reabrirem as portas. Os estabelecimentos passaram por nova vistoria do Corpo de Bombeiros para poderem voltar à ativa.

Desde então, segundo o empresário Warlen Rogério Silva, o movimento nas empresas foi retomado aos poucos, mas ainda está aquém do número de clientes normalmente atendidos. “Aos poucos o pessoal vai sabendo [que retomamos o atendimento]. Nossa preocupação é para que não sejam deturpadas as informações e que não se criem mais boatos. As coisas vão normalizar assim que a população se informar”, disse Silva.

As lojas ficam embaixo do Uberlândia Clube e voltadas à rua Santos Dumont, entre as avenidas Floriano Peixoto e Afonso Pena. São nove empresas funcionando no condomínio empresarial. O alvará delas depende da liberação de alvará para todo o imóvel, que inclui o clube social, onde foram encontrados os principais problemas que levaram ao fechamento temporário. “Se criou um mito sobre esses problemas que afetou aos lojistas de toda a região, não só no Uberlândia Clube. A região aqui estava muito parada e continua mais vazia”, disse a empresária Carmen Guardenho Maywald.

AÇÃO
A partir da próxima segunda-feira, os empresários querem juntar 50 empresas da região e fazer uma ação com sorteio de brindes para chamar a atenção da população para o comércio da rua Santos Dumont próximos ao Uberlândia Clube.

“Através da união que se fez, pensamos em algo para melhorar a imagem e o faturamento. Com isso, pensamos numa promoção, a Santos Dumont Premiada. Não está vinculado a compras, basta que se preencha um cupom e haverá sorteio diários de brindes”, disse Amarildo Santos. “Na verdade é para que as pessoas voltem a passear por nossa região”, disse a empresária Fernanda Alvarenga. A promoção vai durar até o fim de setembro.

ENTENDA O CASO
O Ministério Público Estadual iniciou uma investigação para apurar irregularidades na administração e na transição da diretoria do clube. A denúncia foi protocolada na Promotoria pela presidência eleita do Uberlândia Clube Sociedade Recreativa com anuência da Secretaria Municipal de Cultura, uma vez que o espaço é tombado como patrimônio cultural da cidade.

A primeira medida adotada, a partir da instauração da investigação preliminar, foi a interdição realizada no dia 14 de agosto pelo Procon Estadual, Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros e revista para os empresários no dia 20.

“Nos foi informado que há um administrador que está lá há aproximadamente 20 anos e não deixava a presidência gerenciar. Estamos apurando o desvio de finalidade, porque quem estava administrando não podia administrar, e investigando também desvio de recursos financeiros”, disse o promotor Fernando Martins na ocasião.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »