16/07/2019 às 17h28min - Atualizada em 16/07/2019 às 17h28min

Microcervejarias se destacam com mais de 100 rótulos produzidos em Uberlândia

Cidade conta com dez fábricas abertas autorizadas pelo Mapa; Selo de Origem será entregue a oito delas nesta quarta-feira (17)

SÍLVIO AZEVEDO
Uma das pioneiras da cidade, Benedith já possui Selo de Origem; cervejaria planeja lançar mais três rótulos | Foto: Divulgação
Minas Gerais é o terceiro estado com mais cervejarias no país, atrás de Rio Grande do Sul e São Paulo. Os dados da Associação Brasileira de Cervejaria Artesanal mostram ainda que, até setembro de 2018, existiam 112 fábricas em solo mineiro. E Uberlândia segue o ritmo de crescimento do setor. Atualmente, a cidade possui dez fábricas abertas autorizadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com mais de 100 rótulos produzidos, e conta com um programa de incentivo que atraiu e facilitou a instalação de novas empresas do ramo. Juntas, elas investem mais de R$ 14 milhões, gerando mais de R$ 35 milhões de impacto na economia local.

Após a sanção do Programa Municipal de Fomento ao Setor Cervejeiro, através da Lei 12.801 de 2017, mais oito fábricas se instalaram na cidade, aumentando a capacidade de produção de 23 mil litros mensais (2016), para quase 116 mil litros/mês em 2019. Segundo a lei, são considerados microcervejeiros artesanais o empresário individual, o microempreendedor individual (MEI) ou a pessoa jurídica que tenha produção não superior a 30 mil litros mensais ou 360 mil litros anuais.

De acordo com o diretor de promoção de investimentos da secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Turismo, Renato Rezende, o programa trouxe a possibilidade de implantação das cervejarias dentro do perímetro urbano e a promoção da atividade através de ventos. “Nossa intenção é que a cultura cervejeira seja implementada, porque a atividade de produção de bebida premium é uma das que mais gera impacto no setor de gastronomia, porque gera vagas no setor de eventos, distribuição comercial, bares e restaurantes”, disse.

Outra frente de trabalho do programa é ajudar na formalização e microempresas em Uberlândia. “Principalmente, na formalização junto ao órgão da vigilância sanitária, que é o Mapa. Do outro lado, vemos um crescimento da economia que aumenta o consumo das bebidas premiuns. No conjunto da cultura cervejeira você também terá o acréscimo de apreço a bebidas diferenciadas. Então a perspectiva é muito positiva”, afirmou Rezende.


SELO DE ORIGEM
Um dos itens criados com o programa de fomento foi o Selo de Origem, entregue às cervejarias que estão instaladas em Uberlândia e possuem autorização do Mapa para funcionar.

“O selo significa a promoção do produto que é produzido na cidade. Com o tempo, essas cervejarias vão amadurecendo e passam a distribuir a bebida para um público externo, e a cidade, sendo reconhecida como a cidade da boa cerveja, ajuda os produtores a promover e vender mais”, explicou Renato Rezende.

Atualmente, duas microcervejarias já possuem o selo em Uberlândia. Nesta quarta-feira (17) está marcada a entrega do selo para mais oito
fábricas de cervejas artesanais da cidade. A solenidade será às 15h na sala de reuniões do gabinete do prefeito, no Centro Administrativo Municipal.

PIONEIRA
Uma das primeiras cervejarias a receber o Selo de Origem de Uberlândia foi a Benedith, que atua no mercado cervejeiro há oito anos. A cervejaria foi criada pelo casal Roni e Janaína Godinho, no fundo de casa, em Patos de Minas, no ano de 2006. Um hobby que virou negócio.

“Nos divertíamos fazendo cerveja e resolvemos abrir uma fábrica. Viemos para Uberlândia, abrimos a cervejaria, na época, uma das menores do Brasil, com capacidade de produção de 1,8 mil litros por mês. Tínhamos uma loja em anexo também, onde ficamos um bom tempo lá”, disse Janaína.

Com ganho de espaço no mercado cervejeiro, a microcervejaria ampliou seu espaço e a capacidade de produção. “Há três anos, mudamos para um barracão e multiplicamos a produção. Hoje temos capacidade de produzir 9 mil litros de cerveja por mês”, explicou Janaína.

Atualmente, a Benedith tem 14 rótulos de cerveja diferentes e, segundo Janaína, mais três devem ser lançados em breve. “Vamos lançar rótulos em homenagem ao aniversário cidade de Uberlândia. A Uberabinha, a Uberlândia e outra Sabiá. Os rótulos estão ficando lindos, com temas da cidade.”

BREWPUB
Um dos artigos da Lei do Programa Municipal de Fomento ao Setor Cervejeiro regulariza a situação dos brewpubs, que são bares e restaurantes dentro das fábricas. A produção e armazenagem destes estabelecimentos não pode ser superior a 15 mil litros mensais e 180 mil anuais. Atualmente, somente uma cervejaria, a Alienada, possui um brewpub na cidade.
 
NOVAS OPÇÕES
Débora Abraão Siqueira passou a produzir a cerveja Helena’s no ano passado em Uberlândia | Foto: Divulgação
 
Uma das empresas que se instalou em Uberlândia foi a Aggregare, que fica no bairro Novo Mundo. De acordo com o idealizador da cervejaria, Gabriel Lemes, o crescimento do cenário cervejeiro local foi um dos fatores que levaram a abertura da fábrica, que tem um modelo de negócio inédito em Uberlândia: uma cervejaria compartilhada.

“Começamos com o projeto há mais de dois anos. A gente percebeu que muita gente não tinha dinheiro para investir em uma fábrica, que é muito cara. Com nossa capacidade de produção de 14 mil litros por mês, estamos preparados para atender tanto aquele cervejeiro que não tem um espaço próprio, chamados ciganos, quanto um outro público, o white label, que é um empresário que tem um restaurante ou um bar, e quer colocar uma cerveja com marca própria. Temos alguns tipos de cerveja que nós produzimos e colocamos o rótulo deles.”

Lemes conta que o programa de incentivo foi fundamental para que a instalação acontecesse no endereço atual da fábrica. “Ao longo do processo de construção da fábrica, que tem barracão próprio, instalação de equipamentos, corríamos com a documentação em paralelo. Essa lei de incentivo me ajudou muito. Passamos por todos os processos legais, tanto da Prefeitura quanto do Ministério da Agricultura, mas sem ela, a fábrica não poderia ser instalada no endereço atual.”

DA CAPITAL
Apreciadora de cervejas artesanais, Débora Abraão Siqueira trouxe para Uberlândia a Helena’s, uma cervejaria cigana, produzida em uma fábrica aqui da cidade. A produção da Helena’s começou em 2018 com dois rótulos, uma India Pale Ale (IPA) e outra American Pale Ale (APA). No momento, a capacidade de produção chega a 2 mil litros mensais.

“É um mercado em constante crescimento. Do ano passado para cá, o número de cervejarias aumentou bastante, e com isso aumentou o público consumidor. Na próxima sexta-feira (19) vamos inaugurar um ponto de vendas no Pátio Vinhedos, com torneiras de Helena’s e outras cervejarias de Uberlândia”, disse Débora.

A expectativa é de aumentar o faturamento dos atuais R$ 5 mil para R$ 20 mil. “Hoje distribuímos a Helena’s em Uberlândia e Uberaba. Com o nosso ponto de venda, esperamos expandir e atingir mais o público consumidor.”

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »