22/05/2019 às 19h00min - Atualizada em 22/05/2019 às 19h00min

Investigação aponta que pastor era alvo de atirador em Paracatu

Polícia Civil apura elementos que levaram Rudson Guimarães a matar quatro pessoas; uberlandense será sepultada na cidade nesta quinta (23)

CAROLINE ALEIXO E VINÍCIUS LEMOS*
Delegada Thais Regina Silva acredita que crimes podem ter sido motivados por afastamento em igreja | Foto: TV MINAS BRASIL
A Polícia Civil de Paracatu, no Noroeste de Minas, continua as investigações do caso registrado na noite de terça-feira (21), quando Rudson Aragão Guimarães matou a ex-companheira e, em seguida, invadiu a igreja evangélica a qual frequentava, assassinado outras três pessoas. Segundo a delegada Thais Regina Silva, que conduz o inquérito, os primeiros levantamentos levam em consideração que o atirador tinha como objetivo matar o pastor da igreja.

Durante entrevista à imprensa local, na tarde de quarta-feira (22), a delegada esclareceu que o investigado teria sido retirado recentemente de uma função interna da igreja. Além disso, há informações de que o pastor chegou a fazer alguns aconselhamentos a ele em virtude de seu comportamento.

“A motivação ainda será esclarecida e várias diligências serão feitas. Mas a gente segue na linha de que seria um desentendimento relacionado à destituição dele de um cargo na igreja e do afastamento de algumas pessoas. Porque ele adotou uma postura ofensiva contra esse pastor e as pessoas ficavam com receio. Ele estava muito agressivo e temperamental nos últimos dias”, comentou.

No momento em que o autor invadiu a igreja com a arma em mãos, o pastor conseguiu fugir pulando o muro. Foi então que Rudson fez a primeira vítima no local. Antonio Rama era pai do pastor e a polícia acredita que, naquele momento, o autor premeditou o crime como forma de atingir o alvo principal. Rudson tem histórico de dependência química e uma passagem pelo Artigo 34 da Lei de Tóxicos ao ser flagrado com objeto destinado à fabricação de drogas.  Contudo, ainda não se sabe se ele estava sob efeito de drogas no momento do crime.

UBERLANDENSE
A coach Heloisa Vieira Andrade era ex-namorada e uma das vítimas de Rudson. De acordo com a delegada, ela foi morta com golpes de canivete no momento em que orava pelo autor junto a familiares na casa da irmã dele. Ele teria dito às testemunhas que mataria todo mundo e, em seguida, foi até a igreja onde cometeu o ataque contra os fiéis.

A mulher não resistiu aos ferimentos e morreu. Ela era natural de Uberlândia e estava em Paracatu há pouco tempo prestando serviços para uma cooperativa local. Vieira será sepultada no final da manhã desta quinta-feira (23) no cemitério Campo do Bom Pastor.

A Polícia Civil ainda apura o que poderia ter motivado o homicídio da mulher. “Surgiram alguns comentários, mas não há nada de concreto. Os familiares relatam um comportamento bastante agitado dele, mas não há relatos sobre agressões ou ameaças contra ela, que era uma pessoa muito séria e comprometida na igreja”, disse Thais.


Heloisa está sendo velada em Uberlândia e será sepultada nesta quinta-feira (23) | Foto: Reprodução/Facebook 

ATAQUE
Depois de esfaquear a ex, o autor invadiu a Igreja Batista Shalom armado com uma garrucha calibre .36.  No local, que fica no bairro Bela Vista, acontecia uma reunião fechada com aproximadamente 20 pessoas no momento do crime.

Segundo a Polícia Militar, o autor arrombou o portão do lugar e atirou contra três pessoas na cabeça, sendo duas mulheres e um homem. Pelas imagens de câmeras de segurança do local, a Polícia Civil constatou que a ação durou cerca de 12 minutos.

Além do pai do pastor, foram assassinadas Rosangela Albernaz e Marilene Martins de Melo Neves. Uma equipe da PM que passava próximo ao local desconfiou do que estava ocorrendo. Um dos policiais evitou que o ataque continuasse e atirou contra Rudson no rosto e na clavícula.

O homem, de 40 anos, foi levado ao pronto-socorro do Hospital Municipal de Paracatu em estado grave, onde permanece internado sem risco de morte. Foi preciso manter escolta policial para conter um tumulto na porta da unidade depois que os bombeiros conduziram o atirador para o local.

A polícia informou que alguns moradores da cidade queriam invadir o hospital para linchar Rudson. O auto de prisão em flagrante do autor foi lavrado nesta quarta-feira pela Polícia Civil.


Arma usado por autor foi apreendida e será periciada em Paracatu | Foto: TV MINAS BRASIL 

A delegada chegou a ouvi-lo no hospital, mas ainda vai intimá-lo a depor, bem como ouvir outras testemunhas. “Ele fala sobre o afastamento da igreja, mas de forma incoerente. Sobre o fato em si, disse que não lembra. Vou realizar o interrogatório dele e a autoridade judiciária já foi comunicada para tomar as medidas cabíveis”, finalizou Thais.

Caberá ao Judiciário decretar a prisão preventiva do autor enquanto as investigações ainda prosseguem. Ele deverá ser indiciado por quatro crimes de homicídio qualificado por motivo fútil e impossibilidade de defesa das vítimas, além do homicídio tentado contra o pastor.

A arma utilizada por ele foi apreendida e será periciada. A polícia vai investigar também como ele conseguiu a garrucha e esclareceu que, ao contrário do que foi noticiado, Rudson não foi membro das Forças Armadas. 


* COLABOROU A REPÓRTER THALITA MENDES, DA TV MINAS BRASIL

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »