11/05/2019 às 10h01min - Atualizada em 11/05/2019 às 10h01min

Moda consciente ganha espaço com brechós e closets compartilhados em Uberlândia

Diário de Uberlândia conversou com consumidoras que aderem ao estilo de vida; cidade recebe 2º Encontro de Brechós com tema de sustentabilidade

BRUNA MERLIN
Designer de moda de Uberlândia defende que "menos é sempre mais" | Foto: Marília Tavares/Arquivo pessoal
Já parou para pensar que a roupa que você usa passou por vários processos de produção e pode ter gerado milhares de impactos negativos ao meio ambiente e à sociedade? Brechós e closets compartilhados podem ser uma alternativa para aderir a esse estilo de vida, que tem ganhado muito espaço na cidade. O Diário de Uberlândia conversou com pessoas que se preocupam com essas questões e defendem o consumo consciente da moda. 

A designer de moda Marília Tavares, de 42 anos, despertou o interesse pela moda consciente nos anos 90 e até os dias de hoje defende que no mundo das roupas, acessórios e sapatos, menos é sempre mais.

“Ao longo dos anos, com a pós-Revolução Industrial, adquirimos o hábito insustentável de consumir, incentivado por propagandas invasivas que nos convencem de que as pessoas mais felizes são aquelas que consomem mais. E convencidos disso, acabamos consumindo coisas que na verdade não precisamos”, comentou ela.

Além de ministrar cursos sobre o consumo equilibrado em um ateliê-escola, a designer também tira um tempo para produzir as próprias roupas. Segundo ela, são raras as vezes que compra peças em lojas. Quando precisa escolher por essa opção, acaba preferindo produtores locais, brechós ou recorrendo a marcas que ela tem certeza de como funciona a produção.

 
“Consumir moda de forma consciente é compreender a nossa responsabilidade como consumidor. É buscar informações sobre as procedências dos produtos. É pensar na melhor escolha antes da compra”, ressaltou Marília.

Por fim, Tavares acredita que esse estilo de vida já evoluiu muito no mercado brasileiro e uberlandense, em passos extremamente lentos, mas constantes. Ela também aproveitou para deixar dicas que irão ajudar as pessoas interessadas em aderir esse perfil de consumo. 

“O primeiro passo é entender sobre o assunto e compreender que produtos provenientes de uma produção responsável acabam saindo mais caros devido à remuneração mais justa da mão de obra. Em segundo lugar, é importante exercitar esse pensamento de consciência dentro de si próprio e pensar duas vezes antes de agir por impulso”, finalizou.

BRECHÓS
Por muitos anos as pessoas acreditavam que brechós vendiam apenas roupas sujas, estragadas e não higiênicas. Mas com o passar do tempo esse pré-conceito foi se desfazendo e atualmente os brechós estão ganhando cada vez mais espaço no mercado mundial, nacional e de Uberlândia.

A estudante de moda Isabella Melo Cury Hanna, de 22 anos, tem preferência por compras de peças usadas há cerca de cinco anos. Ela acredita que esse é um meio de se aproximar da moda consciente.

Moda consciente

Moda consciente


Isabella sempre procura pelos jeans vintages em brechós | Foto: Arquivo Pessoal


“Adoro comprar jeans e sempre encontro peças de marcas e vintages que nunca saem de tendência. Mas as lojas oferecem de tudo e para todos os gostos e isso é mais legal”, completou a jovem.

O que mais chama a atenção de Isabella em um brechó é o custo-benefício. A jovem defendeu que existem muitas peças boas que foram usadas poucas vezes por preços baratos e acessíveis. “Uma dica para quem quer começar a frequentar e comprar é sempre ter tempo e disposição para procurar roupas, acessórios e sapatos que combinam com seu estilo”, finalizou ela.


ENCONTRO DE BRECHÓS
Moda consciente

Moda consciente


Encontro de Brechós reunirá diversas lojas que aderem à moda consciente | Foto: Arquivo Pessoal


Os interessados em conhecer mais sobre moda consciente e o mundo dos brechós podem aproveitar o tempo livre deste fim de semana e visitar o 2º Encontro de Brechós de Uberlândia. O objetivo do evento é aplicar os “3 R’s da sustentabilidade”: reduzir, reutilizar e reciclar.

De acordo com a jornalista e criadora do evento, Ana Cláudia Dias, 43 anos, a ideia surgiu há dois anos quando ela visitou outras ações com objetivos semelhantes em outros municípios do país. “Após conhecer esse mercado eu quis investir no segmento e abri meu próprio brechó juntamente com o encontro”, explicou ela.

O encontro reunirá 31 brechós, além de artesãos, bazares e food trucks. Os visitantes poderão encontrar peças que variam de R$ 5 a R$ 100. O evento acontecerá neste sábado (11), das 10h às 18h, e no domingo (12) das 10h às 16h, na avenida Floriano Peixoto, no bairro Granja Marileusa.

CLOSET COMPARTILHADO
Moda consciente

Moda consciente


Loja Troca de Cabide oferece alugueis de vestidos de festa através de closet compartilhado | Foto: Reprodução/Internet


Resumidamente, os closets compartilhados significam emprestar peças para outras pessoas e ganhar uma porcentagem de dinheiro pela ação. Mas, no sentindo mais completo, o guarda-roupa partilhado é um dos jeitos mais eficazes de moda consciente e de solidariedade com pessoas que não têm condições de comprar peças novas.

Em Uberlândia, a loja da empresária Natalia Neves é uma referência de closet compartilhado para toda a região. Segundo a proprietária, a ideia de criar o estabelecimento surgiu há dois anos e hoje conta com mais de 400 vestidos de festas para serem alugados de uma forma diferente e consciente.

 
“Toda mulher tem peças que usou pouquíssimas vezes. A Troca de Cabide visa ajudar essas pessoas que querem ganhar uma renda extra alugando os vestidos e os interessados em alugar que procuram um preço bacana”, explicou.

As pessoas interessadas em contribuir com loja podem levar suas roupas para avaliação, no segundo piso do Griff Shopping, ao lado da praça de alimentação. Mais informações podem ser obtidas através do site da Troca de Cabide.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »