12/04/2019 às 07h57min - Atualizada em 12/04/2019 às 07h57min

Arte das ruas chega à sala de aula

Semana Municipal do Graffiti leva mais cores para a escola do Shopping Park

ADREANA OLIVEIRA
O grafiteiro Kakko com alunos que participam da oficina (Adreana Oliveira)
Na arte todos os sonhos são possíveis e a sala de aula deveria abrigar todos eles. Em um processo inverso, o graffiti, arte das ruas, chegou às salas de aula. Na última quarta-feira na Escola Municipal do bairro Shopping Park, o mestre diante da lousa, e não diante do muro, foi o grafiteiro uberlandense Kakko. Quando a reportagem chegou ele contava a cerca de 30 alunos como foram seus dias na escola. “Eu não tinha mochila. Levava os cadernos em um saco de arroz costurado, no qual a gente colocava o cordão para fechar. Não tinha kit escolar e nem uniforme e o lanche eram duas bolachas e leite”, contou.

Para o grafiteiro, o contexto social e a cultura antecedem a criação de qualquer arte e por isso ele considera importante mostrar aos adolescentes que é preciso dar valor ao que se tem e valorizar o período na escola. “Posso dizer que o graffiti salva vidas e na escola vocês têm uma chance de mudar a vida de vocês também”, disse ele, que só concluiu os estudos em uma turma para jovens e adultos (EJA) naquela mesma escola. Morador do Shopping Park, Kakko mostra que o pertencer a um lugar e o ajudar a comunidade o engrandecem como pessoa e como artista.

Atentos nas mesas, os jovens, que participam voluntariamente do projeto, falam de suas expectativas. Natan Pereira, de 13 anos, participou de um Grupo de Trabalho (GT) com Kakko no ano passado e está empolgado com esse novo projeto. “Quero uma escola mais bonita e mais cuidada para que as pessoas tenham orgulho dela. E hoje, na minha casa, minha família já entende que graffiti é arte, acho isso importante, disse.

Perto dele, um jovem promissor, quem sabe um nome dos quadrinhos do qual um dia ouviremos muito falar? Gabriel Henrique Silva Cardoso, 14 anos, é muito ligado em desenho e participa da oficina de graffiti pela primeira vez. “Já faço meus desenhos na linha realista e abstrata. Sou um leitor assíduo de revistas em quadrinhos e essa oficina é algo que sei que vai me inspirar mais”.

Para Giovanna Luiza Roquete Martins, 14 anos, o graffiti é uma forma de comunicação. “Sou muito curiosa e já fiz outras oficinas com o Kakko. Foi dança, hip hop, graffiti, aproveito tudo. Eu gosto de reproduzir alguns desenhos de acordo com meu humor. Uso cores quentes para os dias alegres e cores frias para os dias mais tristes”, disse a jovem que cola seus desenhos nas paredes do quarto, quer estudar Direito na universidade e ser jogadora de futsal.

SEMANA DO GRAFFITI

A intervenção da Escola Municipal do Bairro Shopping Park faz parte das atividades da Semana Municipal do Graffiti e da Arte Urbana, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Prevenção às Drogas, Defesa Social e Defesa Civil. Segundo o secretário da pasta, Emerson Aquino, o projeto surgiu em 2012 e foi fortalecido pela lei municipal 12.761/2017, alterada para 13.028/2018, que regulariza o uso do graffiti em espaços públicos e privados em Uberlândia, que celebra o Dia Municipal do Graffiti em 31 de janeiro.

“Para viabilizarmos as ações, que neste ano aconteceram no presídio Jacy de Assis e estão em andamento na escola do Shopping Park contamos com uma verba do Ministério Público Federal e Secretaria Municipal de Cultura. Queremos divulgar com mais ênfase a importância da arte do graffiti e valorizar o trabalho do grafiteiro. Para quem participa, é bom perceber a melhora do visual no espaço de vivência coletiva”, afirmou.

Para a diretora da Escola Municipal do Shopping Park, Olbia Cristina Ribeiro, a escola com 980 alunos ganha com iniciativas como essa. “O Kakko já fez muito trabalho voluntário com a gente e fique feliz de se lembrarem de nós para incluir no projeto que os alunos participantes estão adorando”.
Para Kakko, que é coordenador de Reinserção Social e Arte dentro do projeto, o grupo de artistas de grafite que participa desta ação também faz outros trabalhos sociais, mesmo que não haja nenhum tipo de cachê. “Temos um grupo com dez pessoas que querem trazer mais cores e mais vida para nossa cidade”.

No domingo, o muro da escola do Shopping Park ganhará mais cores e assim, deve inspirar mais pessoas.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »