29/03/2019 às 08h00min - Atualizada em 29/03/2019 às 08h00min

Prepare-se para "O Baile"

Espetáculo que acontece em Uberlândia traz histórias de violação de direitos, discriminação e violência a determinados grupos sociais

ADREANA OLIVEIRA
Criada em 2010, a Cia It usa elementos de danças contemporânea e clássica, teatro e música em seus espetáculos (Thiago Paulinho/Divulgação)
A Cia It estreia, no domingo (31), o terceiro espetáculo de seu repertório. No palco do Teatro Municipal de Uberlândia os bailarinos fixos do grupo que iniciou as atividades em 2010 ganham a companhia de um corpo de baile composto por 55 artistas e não artistas da cidade em “O Baile”. Os ingressos já estão à venda com a meia solidária. Quem doar um kit contendo um item de higiene pessoal e um item de limpeza paga meia-entrada. As doações serão encaminhadas para a Fraternidade Assistencial Lucas Evangelista (Fale).

O diretor da companhia e do espetáculo, Jhonatan Machado Rios, ressalta que “O Baile” foi uma criação coletiva da companhia. A produção teve início em março de 2018 depois de quase dois anos de discussões envolvendo sua formatação. “O Baile” é sucessor de “O que repousa sobre os móveis” (2013/2014) e “It” (2011). Em todos, o grupo usa elementos das danças contemporânea e clássica, dança de salão, teatro, música, artes visuais e circenses.

“Cada um ajuda com alguma cena e eu as conecto. Nesse espetáculo, como é proposta da companhia, trazemos à tona questionamentos diversos sobre aqueles que sofrem com diversas formas de preconceito e ficam à margem da sociedade. É uma história de repressão e todo mundo tem uma história dessas para contar”, disse ele.

Rios comentou que é um desafio ter tanta gente no palco, nesta semana, o corpo de baise se integrou ao elenco fixo para uma imersão para entrar no clima do espetáculo. “Temos os ensaios todas as noites e o público também vai interagir com essa história”, afirmou o diretor.

Rios trabalha com dança desde os 11 anos de idade, formado em ballet clássico, também graduou-se em Teatro pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Natural de Unaí (MG), veio para Uberlândia desde que começou a dançar. Sobre a cena local da dança, ele sente que carece de incentivos do estado. “Para mim arte é como educação, é dever do Estado financiar e nosso produzir. Infelizmente, com a falta de financiamento, muitos artistas acabam migrando para outras áreas para se manter financeiramente. De certa forma, discutimos isso também neste espetáculo, o artista sem lugar”.

SINOPSE

“O Baile” baseia-se em fatos repetitivos e cotidianos de violação de direitos, discriminação e violência a grupos sociais que, perante a sociedade, são tidos como minorias. No decorrer do espetáculo, essas personas que compõem as cenas escancaram, por meio da dança e do teatro, as mazelas que permeiam a população.

O espetáculo vai ao encontro da triste e problemática realidade brasileira, na qual o Estado e a sociedade civil encaram alguns acontecimentos fatais como banais, deixando à margem essas minorias que têm de enfrentar cotidianamente as mais diversas situações de humilhação, degradação e segregação humana. Ao mesmo tempo o espetáculo também apresenta – na composição do seu corpo de baile – a potência do corpo e a acessibilidade da arte.

SERVIÇO

O QUE: Espetáculo “O Baile”
QUEM: Cia It
QUANDO: domingo (31), às 18h
ONDE: Teatro Municipal de Uberlândia
INGRESSOS: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada) à venda no Zagaia Tattoo (Praça Rui Barbosa, 9 – Centro) e Armazém Ateliê (R. Prof. Pedro Bernardo, 3 – Centro) – Meia Solidária: O espectador que doar 1 item de higiene pessoal e 1 de limpeza paga meia-entrada (sugestões: sabonete, escova de dentes, creme dental, shampoo, condicionador, papel higiênico, absorvente/absorvente interno, fio dental, desodorante, esponja de banho; água sanitária, detergente, sabão em barra, sabão em pó, desinfetante, esponja de lavar louça, esponja de aço, pano de chão)
DURAÇÃO: 70 min
CLASSIFICAÇÃO: 14 anos
INFORMAÇÕES: 99151-2744
 
FICHA TÉCNICA

DIREÇÃO: Jhonatan Machado Rios
ELENCO FIXO: Mariane Araújo, Herick Fernandes, Fredy Abreu, Beatriz Freire, Mônica Rodrigues, Guilherme Augusto, Flaviane Freitas e Ana Flávia Valadão
CORPO DE BAILE: composto por 55 artistas e não artistas de Uberlândia que passam por uma residência nesta semana para compor a obra

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »