04/01/2019 às 07h59min - Atualizada em 04/01/2019 às 07h59min

Programa compra 268t de itens de produtores locais

Em 2018, mais de 160 agricultores foram cadastrados no programa | Foto: Secom/PMU
Por meio do Programa de Aquisição de Alimentos, desenvolvido pela Secretaria de Agropecuária, Abastecimento e Distritos, Uberlândia adquiriu 268,7 toneladas de itens produzidos por agricultores familiares do município no último ano. Todos os alimentos foram repassados instantaneamente às instituições beneficentes parceiras.

Com um investimento de R$ 595 mil oriundos do Governo Federal, o Município fica responsável por fazer o acompanhamento da produção, desde o preparo do solo até a distribuição dos itens. “No ano passado nós tivemos 163 agricultores cadastrados e 93 entidades foram beneficiadas. O principal objetivo do programa é promover o acesso a uma alimentação de qualidade para a comunidade atendida nas associações e fomentar a agricultura familiar”, disse Walkíria Naves, secretária de Agropecuária, Abastecimento e Distritos.

André Luis Campos cultiva verduras e participa do programa há mais de três anos. “Quando comecei a plantar, conseguia entregar só uma caixa que levava em cima da moto. De lá pra cá, fui evoluindo e o programa foi um incentivo a mais porque eu não tinha recurso. O dinheiro que fui recebendo eu investi na minha terra e hoje o sustento de toda a minha família vem do campo”, contou.

O Programa realizou 479 visitas técnicas nas propriedades cadastradas em 2018. Para os produtores que moram perto da zona urbana, os alimentos são entregues na Central de Abastecimento da Agricultura Familiar (CAAF), no Distrito Industrial. Para facilitar o transporte de quem vive mais afastado da cidade, a cada semana é marcado um ponto de encontro perto das propriedades para recolher a produção.

Ao todo, são 23 diferentes opções de hortifrúti, como alface, abobrinha, banana, berinjela, brócolis, chuchu, couve, cenoura, limão, mandioca, repolho, tomate e maracujá. O preço pago aos produtores é o valor médio do item registrado na Central de Abastecimento (Ceasa) no ano anterior.

“São produtos que vêm direto do produtor, muito bem cuidados e selecionados até chegar a custo zero nas entidades. Isso mostra a eficiência da iniciativa, sempre com foco na geração de renda para a agricultura familiar e na garantia da segurança alimentar daqueles que consomem estes produtos”, finalizou Walkíria Naves.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »