14/12/2018 às 08h01min - Atualizada em 14/12/2018 às 08h01min

IPC recua e fecha mês em -0,18% em Uberlândia


O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de novembro fechou em queda de -0,18% em relação ao mês de outubro em Uberlândia. A variação se dá pela queda nos grupos de peso, principalmente nos transportes, onde os combustíveis tiveram baixa de -5%. Com os dados, a inflação acumulada do ano chegou a 2,31%, e a dos últimos 12 meses, a 2,66%.

O IPC é elaborado pelo Centro de Pesquisas Econômico-Sociais do Instituto de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Uberlândia (Cepes/IERI).

Segundo a pesquisa, em novembro, três grupos apresentaram desaceleração. Além de transportes (-1,77%), o grupo Alimentação também apresentou leve queda, ficando em -0,04% em relação a outubro deste ano. O destaque nesse grupo foram as carnes, que de um mês para o outro tiveram retração de 3,72% para -0,87%.

O terceiro grupo a apresentar retração foi o de Comunicação (-2,34%), influenciado, principalmente, pelo item internet (-27,07%). Na outra ponta, entre os grupos que tiveram variação positiva, habitação registrou aumento de 0,25%, em que os aluguéis e taxas foram principais os responsáveis. Já o grupo de vestuário (2,02%) também teve um aumento puxado pelas roupas femininas (4,36%).

CESTA BÁSICA
Os alimentos que compõem a cesta básica sofreram um aumento de 5,38% no mês novembro em relação ao mês anterior. Com o reajuste, o consumidor uberlandense precisa desembolsar R$ 370 para conseguir adquirir todos os produtos. O gasto subiu com alimentos como o tomate, batata e banana. Em contraponto, o feijão e leite tiveram queda.

O valor do salário mínimo necessário é calculado a partir do valor da cesta básica e toma como referência uma família composta por quatro pessoas. Assim, o valor mínimo para a manutenção de uma família em Uberlândia, no mês de novembro, foi de R$ 3.114,60; um valor mais de três vezes maior do que o salário mínimo oficial, de R$ 954,00. 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »