05/08/2018 às 08h38min - Atualizada em 05/08/2018 às 08h38min

Multas por uso de celulares ao volante crescem mais de 10% em Uberlândia

Até julho desse ano 4.195 infrações foram cometidas na cidade

VINÍCIUS LEMOS | REPÓRTER
Luiz Felipe precisa ter cuidado para fazer o trabalho de motorista sem cometer infrações | Foto: Vinícius Lemos
O semáforo se fecha por alguns segundos. Tempo suficiente para uma conferida rápida nas mensagens em seu smartphone. Talvez um prazo até maior do que o necessário, afinal, estima-se que em três segundos você possa fazer a tarefa. Por isso é tão tentador quando a notificação de uma nova mensagem é ouvida. Entretanto, como se sabe, essa é uma infração de trânsito, cuja multa se aproxima dos R$ 300 e o valor pago pode ser ainda maior: um acidente de trânsito. E quanto valeria uma vida perdida, ou um traumatismo? 

O caso é que isso não parece incomodar tanto os condutores, uma vez que até julho de 2018, em Uberlândia, 4.195 multas envolvendo o uso dos aparelhos celulares ao volante foram lavradas, de acordo com números Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG). O que mostra um aumento de 10,66% nesse tipo de flagrante em comparação com o mesmo período do ano passado.

Considerada a terceira maior causa de acidentes no trânsito, por consequência, a prática de conferir o aparelho é um dos principais fatores que também levam a processos de suspensão da carteira nacional de habilitação (CNH). Neste ano no município de Uberlândia, 15 condutores foram flagrados conduzindo veículos com o direito de dirigir suspenso ou entregaram o volante seus automóveis a condutores proibidos de pilotar.

E para cometer uma infração envolvendo o uso de celular, não necessariamente é preciso que se esteja em uma ligação. Aliás, essa foi a menor causa das multas do tipo neste ano, em Uberlândia. Ainda assim gerou 608 notificações entre janeiro e julho de 2018. Também é considerado infração o ato de manusear um smartphone no trânsito, seja para mandar, ler e ouvir uma mensagem ou mesmo verificar qualquer coisa na tela do aparelho. Ações como essa levaram a 1.230 multas em sete meses no Município. Até mesmo dirigir segurando o telefone é considerado um ato infracional, sendo esta a infração mais comum flagrada em fiscalizações, o que gerou 2.372 multas. Em todo o ano passado, 7.187 notificações foram registradas em Uberlândia, segundo o Detran.

Nos sete primeiros meses de 2018, em todo o Estado de Minas Gerais, 101.749 multas foram aplicadas relativas a infrações envolvendo o uso de celulares no trânsito. Enquanto isso, em 2017 esse número chegou a 185.212 casos flagrados.

Desde 2016, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) é mais rígido em relação à infração, que passou de média para gravíssima. Com isso, o condutor soma sete pontos na habilitação e pega multa de R$ 293,47 ao ser flagrado.

Conscientização e riscos 

“Imagine que você esteja dirigindo a uma velocidade de 50 km/h e apita uma mensagem do WhatsApp. Então você pega o celular pra ver quem te mandou a mensagem. Só de pegar o celular e olhar, você vai gastar em torno de uns 3 segundos. A essa velocidade, o carro vai percorrer 42 metros sem você enxergar o que está acontecendo à sua frente. Praticamente cego. Só a título de comparação isso dá quase meio campo de futebol no padrão Fifa. É muita coisa”, explicou a mestre em segurança no trânsito Roberta Torres.

O exemplo, segundo ela, é prático em relação ao maior dos riscos que o uso do celular ao volante pode acarretar: a desatenção. A especialista ainda lembrou que essa dispersão é um dos principais motivos para as colisões e atropelamentos que ocorrem no trânsito do Brasil.

Ao mesmo tempo o delegado regional da Polícia Civil (PC) em Uberlândia, Luciano Alves salientou que a atenção voltada para a tela do celular leva à vulnerabilidade do proprietário de um veículo em relação a abordagens de ladrões. “É um risco de assalto, você perde a atenção no entorno. Perde a atenção periférica. Quando estiver dirigindo ou mesmo dentro de um carro parado, deixe o celular no console do veículo”, disse.

Ambos concordam em outro ponto: a conscientização nesse sentido deve vir desde muito cedo. “(Deve haver) Mais e mais informação. Quanto mais a gente falar sobre isso e demonstrar os riscos eu acredito que as pessoas se conscientizarão para a importância do tema. A tecnologia oferecida hoje pelos smartphones é fantástica. O que precisamos é aprender a usar a tecnologia preservando a nossa segurança e a nosso favor”, afirmou Roberta Torres. “É preciso campanhas desde criança para que quando elas forem motoristas exista consciência de que dirigir com o celular na mão é um risco”, disse o delegado regional.


. “É um risco de assalto, você perde a atenção no entorno" | Foto: Vinícius Lemos

Tempos modernos
Motorista de app precisa de celular para o trabalho


Motorista que usa o aplicativo da empresa Uber para fazer o transporte de passageiros em Uberlândia, Luiz Felipe Mosquini Costa precisa ter cuidado dobrado para que possa fazer o trabalho sem cometer infrações. Para isso, o smartphone fica o tempo todo em um suporte no painel do carro e ligações só são atendidas com o carro parado, viva voz ou conectado no sistema multimídia do veículo via bluetooth. Da mesma forma que as corridas são recebidas via aplicativo com o carro estacionado. “Tem que ter jogo de cintura. Com o tempo pega a prática. Muitas vezes tem o GPS que chama a atenção, ao mesmo tempo que deve estar atendo ao passageiro e ao trânsito. Você se vira para que não seja multado e trabalhe com o celular”, disse Luiz Felipe Mosquini. Ele é motorista há cerca de um ano e não tem multas por uso do celular ao volante desde que passou a trabalhar com o aplicativo.

A especialista em trânsito Roberta Torres disse ser possível casar o trabalho de motorista e o telefone celular e aprova as medidas que Luiz Felipe adotou. “Hoje existem suportes para os celulares que substituíram os antigos aparelhos de GPS. Então, antes de sair de casa, escolha a rota. Se você não conhece o caminho avalie antes. Analise o tempo que vai gastar. Tudo isso nada mais é do que planejamento. Definida a rota, deixe o celular no suporte para acompanhar o caminho. E uma dica para evitar a curiosidade que todos nós temos quando chega uma mensagem é colocar o celular no silencioso. Simples. Afinal de contas ele está trabalhando e a sua atenção deve estar focada em levar o passageiro ao seu destino com a máxima segurança”, afirmou.

Maior parte de suspensão de CNHs é por pontuação

A maior parte das suspensões de carteiras de habilitação em Uberlândia se dá a partir do momento em que o condutor soma mais de 20 pontos por infrações, segundo o delegado regional da PC, Luciano Alves. A suspensão mínima é de seis meses, segundo o CTB. Mas a depender da infração cometida, um processo administrativo para suspensão pode ser aberto, independentemente do número de pontos acumulados. São os casos de infrações como dirigir embriagado, transportar criança menor de sete anos em motocicleta ou pilotar moto sem capacete.

“A suspensão se dá no processo de infração ou de por pontuação. O processo por pontuação, que é o mais comum, lança alerta no nosso sistema e podemos controlar isso. Mas ela não tem a CNH automaticamente suspensa, o condutor terá chance de se defender. Ao final, ele pode ou não ser condenado à suspensão”, afirmou Alves. Ao ser suspenso, o motorista será notificado a entregar a CNH em posto de habilitação mais próximo. Nesse caso é preciso fazer um curso de reciclagem em qualquer centro de formação de condutores. O valor ultrapassa os R$ 200.

O delegado regional explicou que, em tese, o motorista com carteira de habilitação suspensa não poderá dirigir e que a fiscalização disso acontece por blitze ou abordagens de rotina no trânsito. Se ele for flagrado dirigindo, terá uma série de agravantes. Primeiro uma multa de R$ 880 e incorrerá em crime, com pena prevista de seis meses a um ano de prisão. O tempo de suspensão será duplicado e o condutor ainda passará por um processo de cassação da carteira. Caso o documento realmente seja cassado, a pessoa fica impedida de dirigir por dois anos e após esse período terá que passar por todo o processo para ser habilitado novamente.

Multas

Entre janeiro e julho, segundo números do Detran-MG, 11 pessoas foram flagradas em Uberlândia dirigindo com CNH suspensa. Permitir que seu veículo seja conduzido por pessoa impedida de dirigir também é infração e no Município isso gerou quatro notificações em 2018. Os números em igual período do ano passada foram maiores, com 63 multas pelos mesmos motivos. Em todo o ano de 2017 foram 94 multas locais envolvendo habilitações suspensas. Em Minas Gerais, neste ano foram 1.203 multas do tipo, enquanto em 2017 houve 5.387 delas.

Multas por uso do celular

Uberlândia

2018: 4.195 notificações (até julho)
2017: 3.791 notificações (até julho)
2018 x 2017: +10,66% (até julho)
2017: 7.187 notificações

Minas Gerais
2018: 101.749 (até julho)
2017: 185.212

Multas por CNHs suspensa

Uberlândia

2018: 15 notificações (até julho)
2017: 63 notificações (até julho)
2018 x 2017: -76,19 (até julho)
2017: 94 notificações

Minas Gerais
2018: 1.203 notificações (até julho)
2017: 5.387 notificações
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »