19/07/2018 às 07h58min - Atualizada em 19/07/2018 às 07h58min

Uberlândia é a terceira em quantidade de MEIs

São mais de 30,5 mil registros, a maioria nas áreas de serviço e comércio

MARIELY DALMÔNICA | REPÓRTER
Eliane Souza trabalha há 18 anos com venda de roupas e não se arrepende (Divulgação)
Uberlândia é a terceira cidade do estado com maior número de Microempreendedores Individuais (MEIs). Atualmente, a cidade conta com 30.549 registros de acordo com um levantamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) Minas, ficando atrás de Belo Horizonte (138 mil) e Contagem (31 mil). Cada vez mais as pessoas estão buscando crescer e empreender em um setor que gostam.

Eliane Souza trabalhou por apenas dois meses em uma empresa, e desde então decidiu se tornar autônoma e trabalhar com a venda de roupas. “Eu não me adaptei em uma empresa, e há 18 anos me tornei dona do meu próprio negócio. Hoje tenho liberdade de fazer os meus horários, e penso que se eu trabalhasse em outro setor, não ganharia nem metade do que ganho. Eu sou a minha própria modelo, minha própria fotógrafa e ainda trabalho com o que amo”, afirmou.

A empreendedora se tornou MEI há 10 anos e viu vantagens nos negócios. “Me formalizei por diferentes motivos. Muitas lojas onde compro as minhas peças vendem apenas por CNPJ [Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica] e pago todo o mês meu INSS, o que me dá segurança”, disse Eliane, que atualmente investe em vendas locais e pela internet.

Camila Alves, assistente de projetos do Sebrae Minas, disse que o número de MEIs também aumentou junto com mudanças na economia do País. “Algumas pessoas estão desempregadas e buscam empreender com os negócios próprios e se formalizar. Até para comprovar renda, ser MEI é o melhor caminho para elas”, disse.

Em Minas Gerais, os setores de serviço e comércio representam 74% dos MEIs, cerca de 600 mil pessoas. Segundo o Sebrae, as atividades que lideram o ranking de formalização no estado são: cabeleireiro, manicure e pedicure (73 mil), comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios (64 mil), obras de alvenaria (39 mil), bares (23 mil) e lanchonetes (22 mil).

Júlio Bononi está entre essas 73 mil pessoas que atuam no setor de beleza. Ele tem 23 anos e há sete anos começou a fazer o que realmente gosta: cortar e arrumar cabelos. “Sempre quis trabalhar como cabeleireiro, brincava de arrumar os cabelos da minha mãe e da minha irmã. Sempre trabalhei na área e há dois anos consegui abrir o meu próprio salão. E para me sentir mais seguro com meu negócio, me tornei MEI na mesma época”, disse.
Desde que decidiu se tornar cabeleireiro profissional, o negócio de Bononi se manteve estável e só agora ele notou que a crise pode estar chegando nos salões de beleza. “Mas isso acontece aos poucos, no meu estabelecimento está tudo certo. Não tenho funcionários e trabalho apenas com freelancers para me ajudar em determinados momentos”, afirmou o empreendedor.

Segundo a pesquisa do Sebrae Minas, do total de formalizados no estado, 53% são homens e 47% mulheres. Em Uberlândia, as mulheres microempreendedoras estão cada vez mais presentes, de acordo com Camila. “Vimos uma ascensão em várias áreas, inclusive de tecnologia. As mulheres entram nesse meio para conhecer instrumentos novos e usar na área de beleza, por exemplo. O grupo feminino está muito forte e conhecendo a fundo o mercado”, afirmou a assistente de projetos.

No setor da indústria e de serviço, as mulheres representam mais da metade, mas por outro lado, representam apenas 5% do setor da construção civil. Ainda segundo a pesquisa, existem mulheres inscritas em todas as 20 atividades permitidas para formalização.
 
MEIs em MG
 
Ranking de cidades
Belo Horizonte (138 mil)
Contagem (31 mil)
Uberlândia (30 mil)
 
Atividades
Cabeleireiro, manicure e pedicure (73 mil)
Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios (64 mil)
Obras de alvenaria (39 mil)
Bares (23 mil)
Lanchonetes (22 mil)
 
Sexo
53% homens
47% mulheres
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »