17/07/2018 às 08h12min - Atualizada em 17/07/2018 às 08h12min

População ainda desconfia do corredor da Segismundo

Após três anos, nova estrutura começa a operar no próximo sábado, juntamente com o Terminal Novo Mundo

VINICIUS LEMOS | REPÓRTER
Vinícius Lemos
 
Na semana marcada para início das atividades do Corredor de ônibus da avenida Segismundo Pereira e do Terminal Novo Mundo, moradores e comerciantes da região leste de Uberlândia, além dos usuários do transporte público, ainda veem com desconfiança o funcionamento das estruturas e as modificações que elas trouxeram. As mudanças de tráfego na via são as grandes reclamações apresentadas. O sistema começa a operar a partir das 4h30 do próximo sábado (21).
A inauguração vai acontecer mais de três anos depois do início das obras e o atraso na entrega ultrapassa dois anos. Nesse tempo, a polêmica não confirmada de possível retirada dos estacionamentos da avenida Segismundo Pereira e a quantidade de semáforos não sincronizados, que fizeram a movimentação de estabelecimentos cair, segundo empresários, levaram o comércio a torcer o nariz para o corredor de ônibus.

“O foco dos carros migrou para as avenidas adjacentes, como Ana Godoi (de Souza) e a Belarmino (Cotta Pacheco)”, disse o empresário Jonathan de Oliveira Pires, cuja loja de material elétrico e hidráulico teve redução de 50% no fluxo de clientes nos últimos dois anos. Ele disse ainda que não espera melhora neste sentido com o início do funcionamento do corredor da Segismundo Pereira, por isso, recentemente ele ampliou a entrada da loja para a rua Joaquim Carlos Fonseca, com intuito de aproveitar o fluxo da via. A maior expectativa dele é que os semáforos passem a funcionar de maneira sincronizada para que haja uma maior organização do trânsito.
Mesmo pedido feito pelo vendedor de insumos agropecuários Claudionil de Freitas. Segundo ele, a dificuldade de transitar pela avenida fez cair em 30% o movimento na loja. “Dificultou o acesso da avenida. As ruas que cruzam a avenida com um sentido apenas também dificultaram (o acesso). A esperança é que melhore os semáforos, que fiquem sequenciais”, afirmou.

A Prefeitura informou que os sinais verdes serão sincronizados e que mudou a sinalização em toda a extensão da avenida Segismundo com relação a estacionamentos e tráfego dos veículos. A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Settran), para operação do BRT (Bus Rapid Transit), também melhorou a sinalização da avenida Segismundo Pereira. “Benfeitorias que, inclusive, ampliaram o número de vagas de estacionamento tanto na via quanto nas transversais. Isso foi possível porque a faixa da direita da Segismundo Pereira será dedicada ao estacionamento de veículos, bem como foram marcadas novas vagas nas vias transversais. Em relação ao trânsito de veículos, enquanto as linhas de ônibus vão operar na faixa esquerda exclusiva para BRT, os demais automóveis deverão transitar pela faixa central da avenida. Em outra frente de trabalho, a Settran realizou ajustes nas travessias elevadas da avenida e também sincronizou os semáforos que funcionam ao longo da via (de acordo com o fluxo de veículos)”, informou a Settran.
 
Novas linhas


Passageira pede agilidade
Moradora do bairro Morumbi e usuária do transporte público, a vendedora autônoma Salvênia Costa afirmou que não espera maior rapidez no deslocamento entre o bairro da zona leste de Uberlândia até o Centro da cidade. “Hoje vou direto do Morumbi para o Centro. Agora eu vou ter que ir para o Terminal do Novo Mundo para pegar outro ônibus até o Centro. Eu vou ter que esperar duas vezes, na estação e no terminal”, afirmou.
Na lista de novas linhas e de linhas modificadas não existe previsão de itinerários diretos entre bairro e Terminal Central, sem passar pelo Novo Mundo, contudo, há linha expressa prevista entre os terminais. Em entrevistas anteriores ao Diário, a Settran já informou que espera redução de até 20 minutos no deslocamento para a região central.

Morador
Morador da avenida Segismundo Pereira, o aposentado Plínio Augusto disse que só espera que o corredor e o terminal passem a funcionar rapidamente por conta do abandono pelo qual as obras estavam há anos, segundo ele. “A obra deu trabalho pra comerciante e pra morador aqui perto, com sujeira e trânsito interrompido. Agora que pelo menos funcione e não jogue fora o dinheiro da gente”, afirmou.

Estrutura
Toda a obra tem valor de contrato de R$ 26,77 milhões. O corredor implantado na Segismundo Pereira tem 6 km de extensão e liga o Terminal Novo Mundo ao Corredor Estrutural Sudeste (da avenida João Naves de Ávila) por meio de 11 estações acessíveis localizadas no canteiro central da via. As mudanças atingem diretamente moradores de cerca de dez bairros, como Santa Mônica, Segismundo Pereira, Novo Mundo, Alvorada, Morumbi, Sucupira, Joana D’arc, São Francisco, Dom Almir e Prosperidade.

O terminal 
Para comportar a demanda e viabilizar toda a operação das novas linhas pelo corredor, a estrutura do Terminal Novo Mundo conta com duas plataformas destinadas ao embarque e desembarque dos passageiros, incluindo os com mobilidade reduzida. Serão disponibilizadas 14 linhas de ônibus, das quais três são novas, e todas vão atender à demanda de 50 mil pessoas. O sexto terminal de integração na cidade será administrado pela Settran. Fiscais de transporte e colaboradores das concessionárias vão orientar os usuários sobre a nova operação.
 
Sobre o corredor leste

 
- Extensão: 6 km por sentido
- 1 terminal de ônibus: Novo Mundo
- 11 Estações no canteiro central
- 10 bairros atendidos
- Mais de 50 mil usuários contemplados
 
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »