06/07/2018 às 18h16min - Atualizada em 06/07/2018 às 18h16min

Amigos buscam ajuda para custear velório de africano assassinado

Gastos também serão usados para viagem da mãe do jovem morto com dois tiros na cabeça

CAROLINA PORTILHO | REPÓRTER
Jacques Onza trabalhava em uma empresa de montagem industrial (Facebook/Divulgação)
Amigos de Jacques Onza Wilinoe, assassinado há uma semana em Uberlândia, estão mobilizados em uma campanha para ajudar a custear o velório e a viagem da mãe do africano, morto com dois tiros na cabeça enquanto jogava sinuca em um bar. A esposa da vítima, a enfermeira Fabiana Araújo Almeida, disse à reportagem do Diário de Uberlândia que nesse momento difícil ver o quanto ele era querido a conforta.

A expectativa, segundo Fabiana, é arrecadar cerca de R$ 20 mil. “Não temos condições de bancar a viagem da mãe do Jacques e o mínimo que ele merece nesse momento é um enterro digno. O corpo dele será enterrado em Uberlândia mesmo, pois não há tempo mais para mandar para a República Democrática do Congo, onde a mãe mora”, disse Fabiana.

O corpo do Jacques foi embalsamado no sábado (30) e está no Instituto Médico Legal (IML). Fabiana contou que a expectativa é que a mãe chegue essa semana para acompanhar o processo. “O corpo pode ficar embalsamado 30 dias e já se passou uma semana. Não temos mais tempo de enviar para a África. Por isso, o foco é enterrar aqui com a presença da mãe. Só de passagens fica em torno de R$ 15 mil”, destacou a enfermeira.

Apesar de toda tragédia, Fabiana acredita que a justiça será feita. “Conseguimos um advogado por meio da UFU, então será mais fácil acompanhar o processo. A polícia ainda não fez contato com a gente, mas estamos confiantes que tudo será esclarecido e logo será encontrado o culpado”.

Jacques Onza era estudante de engenharia mecatrônica da UFU, por meio de um intercâmbio iniciado há seis anos. No mesmo semestre ele abandonou o curso e, desde então, continuou morando em Uberlândia, onde trabalhava em uma empresa de montagem industrial, como mecânico.

O africano era formado em engenharia mecânica na África, veio para o Brasil em 2011, onde cursou Línguas na Universidade de Brasília (UnB) para aprender português, já que no país de origem dele o idioma predominante é o francês.

O crime

A companheira Fabiana estava com o marido na hora do crime. No dia 3 de julho ela disse à reportagem do Diário de Uberlândia que não sabe sobre a motivação do assassinato, já que o marido não tinha problema com drogas, nem com dívidas e não tinha nenhum desafeto.

Ela relatou que no momento do crime estava sentada com Jacques em uma mesa, quando um rapaz entrou com capuz, atirou três vezes e saiu. Como ela é enfermeira, chegou a dar os primeiros socorros ao marido, enquanto chegava socorro.

Jacques foi morto com dois tiros na cabeça enquanto jogava sinuca com amigos em um bar, na avenida Ortízio Borges. O terceiro disparou acertou a mesa de bilhar. A vítima chegou a ser socorrida com vida e morreu no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU).

A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que o inquérito para investigar o assassinato foi instaurado, mas o delegado de homicídios, Rafael Herrera, não comentará sobre o caso para não atrapalhar as investigações.

Dados da campanha

Banco: Itaú (341)
Agência: 5784
Conta Corrente: 07997-1 
Titular: Deborah Ngandu Tshiala
CPF: 701.380.141-08

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »