21/05/2018 às 15h00min - Atualizada em 21/05/2018 às 15h00min

Malvino Salvador começou carreira de ator por acaso

O global vem a Uberlândia com o espetáculo "Boca de Ouro"

​ADREANA OLIVEIRA | EDITORA
Malvino Salvador como o bicheiro carioca Boca de Ouro | Foto: João Caldas/Divulgação
 
Até os 25 anos, Malvino Salvador vivia em Manaus (AM). Trabalhava como atendente de banco e terminava o curso de Ciências Contábeis na Universidade Federal do Amazonas (AM). Parecia estar tudo encaminhado para levar uma vida calma e serena no Norte do Brasil. Mas o acaso deu um jeito de colocar o moço bonito e simpático, com 1,80m de altura, diante dos holofotes. 

“Comecei por acaso a trabalhar como modelo em São Paulo. Mas ainda não era bem o que eu queria”, contou, em entrevista por telefone ao jornal Diário de Uberlândia. Enveredou pelas artes justamente no tablado. Também por acaso. “Estava há seis meses na capital paulista e fiz um teste para o musical ‘Blue Jeans’, sob a direção do Wolf Maia”, recorda. Ali ele descobriu o que queria fazer pelo resto da vida. O ano era 2003. “Aquela peça mudou a minha vida e foi aí que comecei a realmente investir na atuação e a estudar muito”, conta ele, que também é um apaixonado por cinema e já atuou em quatro filmes.

A dedicação não demorou a dar resultado. Em 2004 apareceu um teste para a novela “Cabocla”, da Globo, ele conquistou o papel de Tobias. A partir daí a carreira televisiva não parou mais. Já são mais de 10 novelas na TV Globo.

Porém, o deslumbre com a fama não veio. Malvino sempre manteve a cabeça no lugar e não se deixou iludir pelo sucesso que é resultado de muito trabalho. “Eu fazia televisão e sempre pensava em voltar ao teatro nos intervalos entre as novelas”, disse ele.

Logo se viu envolto com os bastidores de uma produção: captação de recursos, orçamento, planejamento. “Nesse ponto as ciências contábeis me ajudaram muito, foi meu lado empreendedor começando a despontar”, comentou, aos risos. Em 2010 ele produziu e atuou em “Mente Mentira” (A lie of the mind) do americano de Sam Shepard (1943-1917). “Fiquei apaixonado pelos textos do Sam. Fiquei uma semana pensando em ‘Mente Mentira’ desde quando a li pela primeira vez. Foram cinco anos até viabilizar o projeto, mas valeu a pena. O documentário paralelo que fiz também participou de festivais importantes no Rio de Janeiro e em São Paulo”, relatou ele que em 2014 e 2015 ficou em cartaz também com “Chuva Constante”.

FAMÍLIA

A vida de pai dedicado e empresário

“Quando pisei em um palco pela primeira vez, tive certeza que era aquilo que eu queria para minha vida”, afirma Malvino Salvador à reportagem do Diário de Uberlândia, numa brecha na concorrida agenda do ator. Atualmente ele está no ar na TV como Brandão em “Orgulho e Paixão”, na faixa das 18h da Globo e em turnê com a peça “Boca de Ouro”, na qual vive o protagonista.

E não para por ai. “Eu também sou empresário. Tenho um gastrobar muito bacana nos Jardins, em São Paulo, o Bar Barê, que é um mix de restaurante e casa de drinks fruto da sociedade com outros três amigos da época em que morei em São Paulo”, conta o ator, que vive no Rio de Janeiro. Na capital carioca ele acaba de investir em um outro negócio, cerveja artesanal (Irada) e a partir do próximo mês estará também no ramo de academias.

Mesmo assim, com tanto para conciliar, ainda arranja tempo para as filhas e para a esposa. “Sou um pai muito presente, sempre fui. O tempo que tenho livre dedico a elas”, conta ele que é pai de Ayra, 3 anos e Kyara, 1 ano e meio, do casamento com a campeã de Jiu-Jitsu Kyra Gracie e também de Sofia, 8 anos, do relacionamento com Ana Ceolin. “A Sofia mora em Brasília e sempre que posso vou visitá-la ou até mesmo buscar para uma viagem em família, como fazemos regularmente para Manaus.

Malvino nasceu na capital amazonense há 42 anos. Viveu por lá até os 25 e mantém os laços com a família e os amigos. “Sempre que tenho uma folga maior vou pra lá, é muito bom estar perto de pessoas que acompanharam boa parte da minha vida”, explicou.

​Em junho ele dividirá com Kyra a Gracie Kore, academia na Barra da Tijuca onde a atleta dará aulas com uma metodologia desenvolvida por ela para o Jiu-Jitsu voltado para a defesa pessoal. “Claro que quem quer fazer o Jiu-Jitsu para competição também terá espaço, mas o mais incrível é esse método que conta inclusive com acompanhamento pedagógico eleva a arte marcial a este outro patamar. É uma aula muito dinâmica para homens, mulheres e crianças”, afirma ele, orgulhoso da esposa que é cinco vezes campeã mundial.


"BOCA DE OURO"

Um fã das obras de Nelson Rodrigues 

Nelson Rodrigues sempre esteve entre os autores favoritos de Malvino Salvador, que está sempre à procura de novas linguagens, novas formas de se superar. Entre seus livros de cabeceira estão todas as obras rodrigueanas. “Tinha ali duas ou três peças que eu ainda não havia lido, entre elas estava ‘Boca de Ouro’”, recorda.

Malvino Salvador, porém, conhecia o resumo da história do bicheiro carioca de Nelson Rodrigues quando o amigo e também ator Eriberto Leão contou que faria o papel no teatro. “Fiquei super feliz por ele porque parecia um personagem incrível de se fazer. Algum tempo depois o Eriberto me liga porque havia surgido outro compromisso. ‘Você ainda está interessado no personagem’, me perguntou. Eu só pedi um tempo para ler”, afirmou.

E olha aí o acaso de novo. Sob a direção de Gabriel Vilela, “Boca de Ouro” chega para temporada em Uberlândia nos dias 9 e 10 de junho. Além de Malvino, o elenco conta com Mel Lisboa, a atriz uberlandense Lavínia Pannunzio e grande elenco.

Para Malvino, a experiência é nada menos que incrível. “O Gabriel Vilela soube trabalhar todas as peculiaridades e a riqueza desse personagem com muita criatividade e isso está impresso no espetáculo. O Boca de Ouro se encaixou perfeitamente com o que eu buscava naquele momento, sair da zona de conforto, viver uma aventura”, contou.

Foram três meses de ensaios de seis horas diárias até a estreia. O lugar, um galpão do diretor em São Paulo onde algumas das peças do figurino já estavam prontas e onde os atores começaram, literalmente, a vestir os personagens. São oito atores, uma cantora e um pianista na produção.

As temporadas de sucesso no Rio e em São Paulo foi sucesso absoluto e a possibilidade da turnê foi super acolhida pela equipe. “Mais do que colegas, viramos uma família”, disse Malvino. Ele revelou ainda que Vilela tem algumas particularidades. “Ele pensa primeiro na trilha sonora e no figurino e depois segue no desenvolvimento da peça.” 

“É uma grande chance para eu apresentar um trabalho diferenciado porque Boca de Ouro aparece em três versões, é o mesmo personagem em três versões diferentes, que vai de um assassino cruel e sanguinário a um homem ‘não tão mal assim’”, afirmou o ator.

Malvino gosta da versão fábula da história que apesar de nada realista, dá o recado de que o crime não compensa. A caracterização do personagem é outro ponto positivo destacado pelo ator. “Ficou meio parecido com alguns dos personagens de Tim Burton, um personagem bem dark, vampiresco, que depois aparece como um malandro carioca e vai se sofisticando enquanto começa alcançar o poder.”

SERVIÇO

O QUE: “Boca de Ouro”
QUANDO: sábado (9/6), às 20h30 e domingo (10/6), às 19h
ONDE: Teatro Municipal de Uberlândia
INGRESSOS: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia-entrada)
INFORMAÇÕES: 3235-1568
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »