14/05/2018 às 16h57min - Atualizada em 14/05/2018 às 16h57min

Vida nova aos 70 anos

Land Rover completa sete décadas e projeta nova mudança de perfil, desta vez com veículos de energia limpa

EDUARDO SODRÉ | FOLHAPRESS
Range Rover Sport P400e é o primeiro modelo híbrido da montadora inglesa que chegará ao Brasil | Foto: Divulgação
 
Se os primeiros Land Rover feitos em 1948 tinham cheiro de terra molhada, os atuais estão mais para lojas de alto luxo. Em 70 anos de história, a marca inglesa mudou de perfil e de mãos, com perdas e ganhos tanto na lama quanto no asfalto.

A empresa, que desde 2008 pertence ao grupo indiano Tata, passa por um período de transição: os motores puramente a combustão começam a ser aposentados -principalmente os abastecidos com diesel- e substituídos por opções híbridas ou 100% movidas a eletricidade. Toda a linha terá uma versão assim a partir de 2020.

Segundo Vinicius Frata, gerente de produto da Jaguar Land Rover, o primeiro modelo da nova fase que chegará ao Brasil será o híbrido Range Rover Sport P400e, no segundo semestre.

As versões convencionais do modelo já estão à venda e custam a partir de R$ 440,2 mil.

O preço do Range Rover híbrido ainda não foi divulgado. Nessa configuração, o SUV de luxo é movido a gasolina e eletricidade e pode ser recarregado na tomada. Com as baterias na capacidade total, é possível rodar 50 km sem precisar do motor a combustão, de acordo com a montadora.

A empresa deve limitar as vendas e oferecer o carro a clientes para avaliações.

Frata afirma que esse primeiro contato será para mostrar aos consumidores da marca inglesa que a tecnologia não compromete a confiabilidade do carro, feito para transpor terrenos difíceis.

FÁBRICA

Difícil também é a situação da fábrica nacional do grupo, que monta o Discovery Sport e o Evoque em Itatiaia (RJ).

Inaugurada em junho de 2016, custou R$ 750 milhões e tem capacidade para produzir 24 mil veículos por ano. Em 2017, 5.000 carros foram feitos.

Divanildo Albuquerque, diretor-geral da Jaguar Land Rover Brasil, diz não haver arrependimento em investir na montagem local. Ele afirma que o crescimento do mercado interno deve dar novo fôlego ao negócio.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »