02/05/2018 às 08h14min - Atualizada em 02/05/2018 às 08h14min

Em um ano, multas na zona azul eletrônica cresceram quase 150%

Em março de 2018 foram registradas 356 multas ante 145 no mesmo mês do ano passado

VINÍCIUS LEMOS | REPÓRTER
Serviço completa, este mês, um ano de administração pela Icasu | Foto: Vinícius Lemos
 
O número de multas aplicadas devido ao uso indevido de vagas do sistema rotativo em Uberlândia cresceu 146% em março deste ano no comparativo com igual mês de 2017. Em maio, completa um ano que a Instituição Cristã de Assistência Social de Uberlândia (Icasu) reassumiu o serviço do estacionamento rotativo na cidade, o que rendeu o repasse de mais de R$ 1 milhão para o Município. O valor, contudo, faz referência à cobrança da tarifa do estacionamento e não inclui o montante arrecadado com as multas.

O dado mais atual informado pela Prefeitura mostra que foram 356 multas aplicadas em março de 2018 a quem ultrapassou o tempo pago para manter seu veículo estacionado ou mesmo não pagou para a utilização de uma das vagas da zona azul por mais de 15 minutos. Há um ano, a quantidade de infrações flagradas não passou de 145. No primeiro trimestre deste ano, março teve também o maior número de multas aplicadas. Em janeiro foram 309 e em fevereiro, 240.

Segundo o assessor de trânsito da Secretaria de Trânsito e Transportes (Settran), Divonei Gonçalves, o crescimento do número de multas lavradas não tem ligação a um fator apenas. “Focar em um só aspecto não é justo ao analisar (o motivo do aumento das infrações flagradas)”. Ele aponta o aumento da frota em 3% no Município, eventos que aconteceram em locais onde há o estacionamento rotativo e a desatenção dos motoristas como principais fatores.

Gonçalves disse que não houve um incremento no número de agentes ou monitores que explicasse os números. Ele citou que há 30 monitores da Icasu para fiscalizar e atender motoristas, além de quatro agentes da Settran para fazer os mesmos serviços.
 
MAIS NÚMEROS

Hoje são 3,5 mil vagas de estacionamento rotativo em Uberlândia distribuídas na região central e bairros como Martins, Cazeca e Aparecida, onde estão instalados 109 parquímetros. A infração para quem não paga devidamente o uso da zona azul é considerada grave e rende cinco pontos no prontuário do motorista, além de uma multa no valor de R$ 127,69. Os valores são R$ 1,10 para 30 minutos, R$ 2,20 para uma hora e R$ 4,40 para duas horas de estacionamento. Esses valores são pagos majoritariamente por moedas, sendo esta forma de pagamento responsável por 45% das tarifas quitadas. Outros 30% usam cartão recarregável e 25% usam o aplicativo para smartphones e tablets.

Recentemente foi introduzido o uso de máquinas de cartões de crédito e débito.
 
CONTRATO

Em um ano, serviço gerou R$ 1 milhão para medicamentos

O contrato entre a Icasu e a Prefeitura prevê que os valores recolhidos com a zona azul sejam destinados para o custeio da instituição e o restante usado para a compra de medicamentos para as unidades de saúde municipais. De acordo com a Settran, R$ 1,044 milhão foram repassados pela Icasu em medicamentos até o dia 27 de março deste ano. A instituição é autorizada a fazer a compra dessas medicações com o valor informado à Prefeitura. O valor está entre 40% e 50% do total arrecadado como informado anteriormente pela Icasu à reportagem do Diário.

Até março de 2017, a empresa BF Parking era a responsável pela aplicação e prestação de serviço de estacionamento rotativo em Uberlândia. O contrato foi rescindido em abril daquele ano depois que sócios da empresa foram investigados por sonegação de impostos municipais e estaduais (ISS e ICMS), na Operação “Não Tem Preço”, do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco). Essas pessoas estavam ligadas a outra empresa que sonegava por meio de locação de máquinas de cartão de crédito. Como pessoas físicas que são detentoras de firma sob esse tipo de acusação não podem ser proprietários de outra empresa que lucra com o serviço municipal, foi feito o acordo de leniência entre a BF Parking e a Prefeitura.
 
ESTUDANTE

A universitária Edna Dayana Lima não usa mais o sistema de zona azul depois que tomou uma multa no estacionamento rotativo. O fato aconteceu antes da introdução das máquinas de cartões, quando a estudante não portava moedas. Dessa forma, pensou que conseguiria resolver o compromisso que tinha na região central dentro do tempo de tolerância. “Foi na avenida Cesário Alvim. Estava meio atrasada e estacionei o carro. Quando voltei já sabia que estava com a multa. Hoje prefiro usar estacionamento privado”, afirmou.
 
MULTAS ZONA AZUL 

Março 2017 – 145
Março 2018 – 356
Aumento de 146% em 1 ano
 
Fevereiro 2018 – 240
Janeiro 2018 – 309
 
Infração Grave
5 pontos CNH
R$ 127,69
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »