20/04/2018 às 05h45min - Atualizada em 20/04/2018 às 05h45min

Alfredo Dias Gomes fala sobre sua carreira solo

Filho de Dias Gomes e Janete Clair enveredou pela música ainda na infância

IGOR MARTINS | APRIMORAMENTO PROFISSIONAL
Capa de “JAM”, o nono álbum de Alfredo Dias Gomes | Foto: Divulgação
Alfredo Dias Gomes tem o sangue artístico em suas veias. Baterista desde criança, o carioca, que completou 25 anos de carreira solo, decidiu comemorar essa data marcante com o lançamento de seu nono CD da carreira, o “JAM”.

Filho do renomado dramaturgo Dias Gomes, escritor de uma das novelas com mais audiência da Globo, Roque Santeiro, e da escritora Janete Clair, Alfredo sempre teve uma vida dedicada à arte e criação.

A carreira de Alfredo como músico teve início bem cedo. Com apenas 18 anos de idade, o baterista estreou na banda de Hermeto Pascoal, conhecido nome da música instrumental brasileira. O carioca lembrou com muito carinho e agradeceu imensamente multi-instrumentista. “O Hermeto quase sempre me encarregava de abrir os shows. A minha estreia no palco foi uma grande surpresa. Antes de começar o show, ele simplesmente me disse ‘vai lá e abre o show’. Assim, sem roteiro, sem nada. Essa foi a maior emoção da minha vida. Devo muito a ele. Hermeto foi quem me deu a maior liberdade para tocar”, disse Alfredo.
 
Além de ter acompanhado Hermeto Pascoal, Alfredo Dias Gomes também tocou e gravou com Lulu Santos, Ritchie e Kid Abelha, mas destacou sua passagem com Ivan Lins. Junto ao mpbista, o baterista, que também é expert no teclado, tocou em vários locais, como em Nova York, Japão e na Europa. O carioca disse que conhecer o mundo tocando com o artista foi gratificante. “A recepção da plateia no exterior é muito calorosa e respeitosa com a música brasileira, acrescentou ele, que gravou os discos “Amar Assim” e “Ivan Lins 20 anos”.
 
CARREIRA SOLO
 
Influenciado pelo crescimento do jazz e do jazz-rock da década de 1960, Alfredo citou suas principais influências na música. São eles Billy Cobham, Chick Corea, Weather The Eleventh House, The Mahavishnu Orchestra e Miles David. O músico disse que foi apresentado cedo ao estilo musical, que de acordo com ele, “explodiu” no mundo resultando em grandes transformações sociais e culturais.
 
Atuando desde 1993 em carreira solo, Alfredo Dias Gomes, em entrevista exclusiva ao jornal Diário de Uberlândia, contou um pouco sobre suas composições e trabalhos autorais. “O meu sonho sempre foi ter uma carreira solo. Acompanhar grandes artistas como o Ivan e o Hermeto aconteceu, mas não era o meu objetivo”, disse Gomes. O carioca disse que se sente realizado por ter seu próprio trabalho, e afirmou que desde criança grava discos sozinho.

SOBRE O CD “JAM”
 
A idéia de gravar o disco “JAM”, segundo Alfredo, partiu de um reencontro entre o músico e o guitarrista Júlio Maya, com quem tocou no início de sua carreira. “De vez em quando a gente se encontrava e falávamos de tocar juntos. Na última vez, levei isso a sério e o chamei para gravar o CD comigo”, revelou.

Como já conhecia o trabalho de Júlio, Alfredo disse que este disco em especial foi mais tranquilo de ser criado, devido ao entrosamento antigo de ambos os instrumentistas.
 
Além de Júlio Maya, outro músico que colaborou na criação do disco foi o contrabaixista Marco Bombom, da lendária banda Conexão Japeri, de Ed Mota.
 
O CD “Jam” pode ser adquirido em formato digital nas lojas CD Baby e iTunes e está disponível para streaming nas plataformas digitais Napster e Spotify.
 
DISCOGRAFIA DE ALFREDO DIAS GOMES

SERVIÇO SECRETO (1985)
ALFREDO DIAS GOMES (1991)
ATMOSFERA (1996)
GROOVE (2005)
CORONA BOREALIS (2010)
LOOKING BACK (2015)
PULSE (2016)
TRIBUTO A DON ALIAS (2017)
JAM (2018)

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »