12/11/2017 às 05h11min - Atualizada em 12/11/2017 às 05h11min

Novidades chegam à costa brasileira

Com nova escala e atrações inspiradas na TV, temporada será aberta oficialmente no próximo domingo

ANA TIEGHI | FOLHAPRESS
Maior navio da temporada no País, MSC Preziosa conta com luxuosa piscina coberta no 14º deck / Foto: Divulgação

 

A temporada de cruzeiros no litoral brasileiro, que começa no próximo domingo (19), deve levar 430 mil homens e mulheres ao mar, 47 mil a mais do que no ano passado. O número está longe do recorde de 805 mil passageiros de 2011-2012, mas é 12% maior que o verão passado.

"Um alívio", diz Marco Ferraz, presidente da Clia, associação das empresas do setor.

Seis navios ficarão no país até abril, como na última temporada. Há mais vagas em razão da troca de embarcações e de mais viagens curtas.

A MSC, que no verão anterior trouxe ao país só dois navios, chega em novembro com MSC Magnifica, Musica e Preziosa. O último é o maior da temporada, com capacidade para 4.345 pessoas.

A Costa substituiu o navio Pacífica pelo Favolosa, dois anos mais novo, que tem cinema 4D e capacidade para 3.800 turistas – igual à do Fascinosa, segundo navio da empresa no país.

Já a Pullmantur traz o Sovereign, desta vez em operação própria – em 2016-2017, o navio foi fretado pela CVC.

 

DEU CERTO

A grande novidade é a escala em Balneário Camboriú (SC), testada e aprovada no ano passado. Agora será a parada de 20 cruzeiros até março. A expectativa é que os passageiros aproveitem e visitem atrações nas redondezas, como Blumenau.

"Camboriú foi um presente para nós: é um lugar lindo, que está na moda e tem uma estrutura bacana", diz Orlando Palhares, gerente de produtos marítimos da CVC.

Novas escalas são celebradas pelo setor por ser difícil conseguir destinos para atracar navios cada vez maiores.

"Fazer sempre as mesmas paradas é um desperdício do nosso litoral", diz Palhares.

Escalas comuns são Santos, Ilhabela (SP), Angra dos Reis, Rio, Búzios (RJ), Ilhéus, Salvador (BA), Maceió (AL), Recife (PE), Porto Belo (SC), Montevidéu, Punta del Este (Uruguai) e Buenos Aires (Argentina). Segundo Ferraz, paradas em Florianópolis (SC), Itaparica (BA) e Guarapari (ES) estão em estudo.

Destino consolidado para navios, o Rio vai ganhar mais saídas de cruzeiros nesta temporada. O MSC Musica só terá embarques a partir da cidade e vai fazer itinerários para Salvador e Buenos Aires.

A Costa já tinha um navio dedicado ao Rio e mantém a estratégia com o Fascinosa.

"Quem mora em outros Estados pode embarcar no Rio porque é mais fácil de chegar ao porto do que em Santos”, afirma Ferraz.

As companhias aumentaram a oferta de minicruzeiros, com até quatro noites, que são mais baratos e servem de porta de entrada para novos clientes. Marinheiros de primeira viagem foram mais da metade dos brasileiros que embarcaram na última temporada.

As companhias buscaram inspiração em programas populares de TV para entreter os hóspedes. A Costa traz o "The Voice of The Seas", que simula o reality musical "The Voice" (Globo). Cruzeiristas que cantam vão passar por testes e se apresentar depois no teatro do navio.

No MSC Musica, haverá versão da competição culinária "Masterchef" (Band).

Os hóspedes vão ter que trabalhar em dupla e elaborar um prato que será avaliado pelo chef executivo da empresa. Os vencedores participam de sorteio e podem ganhar jantar feito por participantes do "Masterchef" da terra firme e participar da seleção do programa.

 

ALTERNATIVA

Empresas fazem grandes eventos em alto-mar

Cada convenção de revendedores da Polishop, rede de eletrônicos, reúne cerca de 4.000 pessoas. "É difícil encontrar um resort no Brasil que acomode todo mundo e tenha a estrutura que precisamos", diz o dono da marca, João Appolinário, que já usou hotéis e centros de convenções para seus eventos.

A saída adotada pela empresa nos últimos dois anos foi embarcar os revendedores em um cruzeiro de Santos para Búzios. Segundo ele, além de ser prática, a viagem de navio deixa a experiência mais agradável.

Gervasio Tanabe, diretor executivo da Abracorp (Associação Brasileira de Viagens Corporativas), diz que cruzeiros facilitam a logística dos encontros, porque há estrutura para apresentações e a alimentação é "all inclusive".

O problema, segundo ele, é que só eventos muito grandes conseguem fechar um navio inteiro. E, se o encontro for pequeno, a empresa pode ter dificuldades para negociar tarifas com a companhia.

"Os cruzeiros deveriam fazer um trabalho mais forte de divulgação, e as empresas precisam mudar a cultura e começar a pensar nessa alternativa", afirma Tanabe.

Outro porém é que a temporada no Brasil é curta –vai do fim de novembro até abril. Quem quer fazer eventos fora dessa época tem que ir para o exterior. "No Caribe e na Europa existem embarcações de muitas categorias, da mais popular à exclusiva. As viagens são usadas principalmente para premiar funcionários", diz Marcia Franco, gerente de vendas da Globallis, agência especializada em viagens corporativas.

 

PRÓXIMA TEMPORADA

Brasil pode virar alternativa para empresas

A onda de furacões no Caribe, região que concentra 38% dos navios do mundo, obrigou as companhias de cruzeiro a mudar itinerários.

Ilhas tradicionais da parte leste, como Saint Martin, San Juan (Porto Rico) e Ilhas Virgens Britânicas foram trocadas por destinos ao sul, a exemplo de Aruba, Curaçao, Bonaire e Granada, e ao oeste: Ilhas Cayman, Jamaica, México e Cuba.

"Infelizmente tivemos que rever itinerários, mas esperamos uma pronta recuperação para a região e estamos satisfeitos com os novos roteiros", diz Ignacio Palacios Hidalgo, diretor comercial da MSC.

A mudança segue a lógica adotada por outras companhias que atuam na região, como a Royal Caribbean, que fez as alterações em roteiros com saída até o início de novembro. Depois disso, vão reavaliar a condição das ilhas.

A Costa só atua no Caribe durante o verão do Hemisfério Sul, diferentemente da Carnival, da Royal Caribbean e da Princess, que têm navios todo o ano. Essa característica, diz o gerente de marketing da Costa, Alex Calabria, beneficia a empresa. "Até a temporada começar, em dezembro, muita coisa estará funcionando, então nos afetará menos do que para quem tem Caribe o ano todo."

As rotas das embarcações Costa Pacifica e Magia também foram alteradas. Na primeira, a escala em Saint Martin passou para navegação em alto mar, enquanto na segunda, destinos do leste foram substituídos pelos do sul.

A Carnival Corporation, que controla o grupo Costa, doou US$ 10 milhões às ilhas atingidas. Já a Norwegian, que detém as companhias Oceania e Regent Seven Seas, está arrecadando doações e espera conseguir US$ 3,75 milhões até 2018.

Segundo o gerente de produtos marítimos da CVC, Orlando Palhares, os problemas climáticos daquela região podem favorecer os mares brasileiros: "Tem gente que está com navio no Caribe e não conseguirá vender tudo. Na próxima temporada, eles podem começar a ver o Brasil com outros olhos."

 

NOVO GIGANTE

O Caribe terá um novo e grande atrativo na temporada 2018/2019, o Symphony of the Seas, da Royal Caribbean. Com capacidade para 6.780 passageiros, será o maior navio do mundo, desbancando o Harmony of the Seas, da mesma companhia.

A embarcação está com reservas abertas e começa a operar em abril na Europa. Terá o maior toboágua, bar servido por robôs e um parque com 12 mil árvores.

A última atuação da Royal Caribbean no Brasil foi na temporada 2015/2016.

Ricardo Amaral, diretor-executivo da R11, representante da marca no país, afirma que a companhia está satisfeita com os resultados que atingiu na temporada em que ficou fora da costa brasileira, mas que não deixou de receber hóspedes do Brasil.

Segundo a R11, a venda de cruzeiros internacionais cresceu 15% no Brasil em 2016.

 

PACOTES PARA CRUZEIROS

NACIONAIS

R$ 1.601

Seis noites no Pullmantur Sovereign, por pessoa, com pensão completa. Com partida e retorno por Santos, passa pelo Rio de Janeiro e Camboriú. Na CVC: cvc.com.br

 

R$ 1.739

Por pessoa, cabine interna dupla no MSC Preziosa. Em sete noites, passa por Búzios, Salvador, Ilhéus e Ilha Grande. Na MSC: msccruzeiros.com.br

 

R$ 2.825

Três noites em cruzeiro pelo rio Solimões no Iberostar Grand Amazon. Valor por pessoa, inclui refeições e aéreo. Na New Age: newage.tur.br

 

R$ 2.859

Roteiro de seis noites, por pessoa, em quarto duplo no Costa Favolosa, com paradas na Bahia. Pensão completa. Na 55destinos: 55destinos.com

 

R$ 3.359

Ano novo a bordo do MSC Musica, por pessoa. O roteiro de sete noites parte do Rio de Janeiro e passa por Salvador e Ilhéus. Na MSC: msccruzeiros.com.br

 

R$ 5.690

Expedição de quatro noites pelo parque do Jaú, no Amazonas. Por pessoa, com pensão completa e transfer de Manaus. Na Katerre Expedições: katerre.com

 

INTERNACIONAIS

R$ 826

Cinco noites por pessoa a bordo do Empress of the Seas, a partir de Miami. Cabine interna e refeições. Não inclui aéreo. Na Decolar: decolar.com

 

R$ 2.941

Sete noites em cabine dupla em cruzeiro da Norwegian Escape pelo Caribe. Pensão completa, sem aéreo. Reservas: ncl.com.br

 

R$ 3.689

Pacote de sete noites no MSC Fantasia, por pessoa. Com aéreo entre Fort-de-France, na Martinica, e São Paulo. Na MSC: msccruzeiros.com.br

 

R$ 3.377

Preço por pessoa para viagem de nove noites de Buenos Aires ao Rio de Janeiro, com duas noites na capital argentina. Inclui refeições a bordo, sem aéreo. Na Abreu: abreutur.com.br

 

R$ 5.789

Viagem de 17 noites no MSC Preziosa, de Barcelona a Santos. Preço por pessoa em cabine dupla com pensão completa sem bebida. Inclui aéreo de São Paulo até Barcelona. Na Stella Barros: stellabarros.com.br

 

US$ 1.890 (R$ 6.010)

Três noites no Disney Dream, por pessoa, em cabine com vista para o mar. Com paradas em Nassau e nas Bahamas. Sem aéreo. Na RCA: rcaturismo.com.br

 

US$ 2.849 (R$ 9.030)

Com aéreo, pacote de quatro noites em Miami e mais quatro no cruzeiro Enchantment of the Seas. Pensão completa. Na Top Brasil Turismo: topbrasiltur.com.br


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »