04/10/2017 às 05h02min - Atualizada em 04/10/2017 às 05h02min

Uberlandenses são ouro em Brasileiro

Ana Luiza e Welington treinam há 2 anos e já conquistam títulos na categoria deficientes intelectuais

ÉDER SOARES | REPÓRTER
Técnico Leandro Garcia e os paratletas Ana Luiza e Welington dos Santos / Foto: Divulgação

 

Quando a força de vontade é maior do que barreiras e limites impostos pelo corpo e pela mente, é a hora de o esporte entrar em ação como alicerce para a socialização de pessoas e o começo do sucesso pessoal. Foi o que aconteceu com dois jovens paratletas uberlandenses da Equipe Minas Olímpica, que treinam no Sesi Gravatás aos cuidados do técnico Leandro Garcia. 

Em uma modalidade iniciada há menos de dois anos na cidade, Welington Fernandes dos Santos, de 25 anos, e Ana Luiza Ferreira, de 17, representaram Uberlândia no último final de semana durante o Campeonato Brasileiro de Atletismo Adulto, organizado pela Confederação Brasileira de Desportos para Deficientes Intelectuais (CBDDI), na cidade de São Paulo. Os dois trouxeram medalhas de ouro, prata e bronze.   

Wellington ficou com o ouro na prova do salto triplo, prata no salto em distância e no arremesso de peso, e ainda com o bronze no lançamento de disco. “O Wellington é um atleta que participava do heptatlo, no qual se faz várias provas ao mesmo tempo, mas que acabou sendo retirada das competições em 2015. Por isso ele é tão bom em todos estes esportes em que conquistou medalhas. É um atleta que tem tudo para fazer sucesso e ser um futuro grande campeão paralímpico”, disse o técnico da equipe, Leandro Garcia.

Welington garante que o bom resultado é fruto de muito esforço. “A gente treina muito justamente para conquistar os resultados positivos. Ainda tenho muito o que fazer, muitos campeonatos e treinos para melhorar e conquistar os meus objetivos”, afirmou. 

 

RIFA

Wellington Fernandes tem o índice A para disputar o Campeonato Mundial de Londres, porém, por ainda não ter feito a avaliação pelo Comitê Internacional Paralímpico, ele não pode participar da competição neste ano. 

Para que ele possa disputar as próximas edições desta competição e outras em nível internacional, está sendo feita a rifa de uma TV 32 polegadas, no valor de R$ 10, para que se possa arrecadar um valor próximo de R$ 30 mil. 

Com este dinheiro, Wellington cobrirá os custos de todo o processo e poderá ser avaliado por uma junta médica do Comitê Internacional, ficando livre para as competições. Quem quiser adquirir a rifa para ajudar o campeão uberlandense basta entrar na página pessoal de Wellington no Facebook e deixar um recado.

“Ele (Wellington) será avaliado pelo Comitê, que comprovará a deficiência intelectual. No ano que vem, esta avaliação deverá acontecer nos Estados Unidos ou na Europa e quando tiver, queremos levá-lo, pois se formos esperar esta avaliação acontecer aqui no Brasil, ele dificilmente a faria”, disse Leandro Garcia.

 

ANA LUIZA

Ana Luiza começou a trajetória no paratletismo para deficientes intelectuais há menos de dois anos, mas o pouco tempo no esporte não limitou o talento e a força de vontade para conquistar resultados. No Brasileiro de São Paulo, Ana conquistou o seu primeiro título. A atleta faturou o ouro no lançamento de disco, tendo quase dois metros de vantagem para a medalhista de prata. Para completar a festa, Ana trouxe ainda o bronze no lançamento de dardo. 

“A Ana, a exemplo do Wellington, é uma atleta de um grande futuro e que está sendo muito bem preparada, com potencial, inclusive, para estar nos Jogos Paralímpicos do Japão (2020). A categoria para deficiência intelectual requer ainda mais cuidados do que as demais, pois eles têm uma dificuldade maior para a assimilação dos exercícios, por isso estamos tão otimistas com estes resultados”, disse Leandro Garcia.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »