17/09/2017 às 05h31min - Atualizada em 17/09/2017 às 05h31min

Domínio do inglês aumenta chances de conquistar vaga

Estudo mostra que 85% dos recrutadores consideram o idioma na contratação

LAURA FERNANDES* | APRIMORAMENTO PROFISSIONAL
Murilo Natal dirige uma escola de inglês em Uberlândia e ressalta importância da fluência / Foto: Divulgação

 

Com o desemprego atingindo a quase 13,5 milhões de pessoas no Brasil, as vagas de emprego estão cada vez mais disputadas. E com o mercado mais seletivo e exigente, ter o domínio do inglês tornou-se um diferencial que pode ser ainda mais decisivo na conquista de um novo emprego ou para manter o atual.

A professora Carla D´Elia, mestre em Letras Inglês pela Universidade de São Paulo (USP), realizou recentemente uma pesquisa acadêmica que envolveu os responsáveis pela área de Recursos Humanos de 62 empresas. Este estudo apontou que 85% dos entrevistados consideram que o nível em inglês pode definir a escolha pelo candidato, sendo que 93% elegeram "falar bem durante a entrevista" como a melhor forma de avaliar o conhecimento no idioma dos profissionais durante o processo seletivo.

Robson Barbosa é diretor de uma empresa de Recursos Humanos e trabalha há 20 anos com recrutamento e seleção de profissionais. Ao longo desse período, ele tem percebido mudanças quanto às exigências para contratação e afirma que capacitação técnica, habilidades e motivação para o cargo estão tendo mais peso em uma decisão de contratação e que o profissional com conhecimento de inglês apresenta vantagens. “Quando uma pessoa tem essa competência, pode-se dizer que ela tem um grau de instrução maior do que a média das pessoas”, explica. Para ele, a ausência do inglês não deve ser um entrave para o candidato na busca por um emprego, mas ele deve buscar imediatamente uma formação.

Barbosa reforça que hoje, além de o inglês ser a língua que comanda os negócios em diversos países, é a língua da internet, da música, do cinema e de muitos materiais de estudo. “Ter o inglês permite viver culturas diferentes, dando-lhe a oportunidade de ampliar o campo de visão dentro da sua atuação profissional”, reforça.

 

FLUÊNCIA

Outro ponto é o domínio real do idioma. Murilo Natal é diretor de uma escola de inglês em Uberlândia e conta que é comum os candidatos às vagas chegarem despreparados para a conversação. “Abri uma vaga para um profissional bilíngue. Recebi doze currículos e todos eles diziam ter nível avançado de inglês. Conversei com os doze, mas ninguém sabia conversar em inglês ‘para valer’”, relata ele, sobre experiência vivida em uma empresa multinacional na qual trabalhou anteriormente. Murilo Natal aponta que falta a cultura de precaução para os candidatos no mercado de trabalho. “Quando perdem a oportunidade é que vão tentar se qualificar. Quem se sente mais em uma zona de conforto está segurando para se qualificar, e quem está sentindo que vai perder a promoção ou o emprego está investindo”, disse.

 

ATUAÇÃO

Alunos esclarecem as necessidades do conhecimento da segunda língua

Vinícius Medeiros atua na área de administração e gestão de informação de uma empresa há dois anos e meio e, há seis meses, deu início ao curso de inglês em uma escola de formação em Uberlândia. Ele conta que o conhecimento da outra língua surgiu de uma necessidade, tanto na vida profissional quanto na vida pessoal. A empresa não lhe impôs o curso, mas ele conta que essa é uma forma de se qualificar e expandir no mercado de trabalho. “Quando você fala português, sua fronteira é o Brasil, quando você fala inglês abre mais portas”, afirma.

Já Vanessa Rodrigues atua há 10 anos na gestão de uma equipe de service desk em uma empresa e há dois meses iniciou o curso de inglês. Ela conta que o interesse no conhecimento do inglês surgiu a partir de uma demanda em seu trabalho. Vanessa, sempre que precisou do inglês no trabalho, contou com a ajuda de um colega, que fazia o contato principalmente com estrangeiros. Agora, com a saída deste colega da empresa, ela se viu na necessidade de aprender o idioma para não perder o emprego, além de ver nele uma forma de crescimento pessoal. “Hoje o mundo está muito globalizado e temos contato a todo momento com pessoas de fora, então é uma necessidade não só do trabalho, mas para a vida de um modo geral”, argumenta ela.

 

DICAS

Elaborando o currículo

Para aqueles que buscam uma nova oportunidade de emprego, o primeiro passo é descrever da melhor forma qual é seu nível linguístico. Isso vale para qualquer idioma, não somente para o Inglês. Então, fique de olho nessas dicas:

- Usar somente os termos básico, intermediário, avançado ou fluente para descrever o conhecimento em um idioma pode não informar com exatidão o seu nível linguístico. O ideal é descrever suas habilidades, ou seja, o que você consegue realizar. Por exemplo, você pode descrever em seu currículo: Inglês Intermediário - apto a participar de reuniões presenciais ou por telefone, fazer viagens a negócios, ler e redigir e-mails

- Adicionalmente ao nível do idioma, é interessante acrescentar informações de acordo com os requerimentos da vaga a qual você vai se candidatar. Você pode incluir o resultado em um teste de proficiência, uma experiência prévia com idioma no trabalho e até a experiência como aluno, se está estudando a língua atualmente e com qual objetivo

- Traduza o seu currículo e seu perfil no Linkedin, maior rede social profissional, no idioma requerido, principalmente se a vaga está anunciada em Inglês ou em outra língua estrangeira

 

Como se preparar para uma entrevista

- Pratique anteriormente. Simule a conversação com o recrutador, imagine-se respondendo às perguntas e falando sobre suas habilidades. Se preferir, você pode contratar um professor para treinar as entrevistas. Existem profissionais especializados em preparar candidatos para processos seletivos em língua estrangeira

- Estude o seu currículo em inglês e os termos mais utilizados profissionalmente, inclusive os termos técnicos ligados à sua área de atuação

(*) Com informações da Agência Brasil

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »