08/03/2017 às 08h30min - Atualizada em 08/03/2017 às 08h30min

Empreendedorismo feminino expande em Minas Gerais

Mineiras representam 46,8% dos Microempreendedores Individuais (MEI) e já somam mais de 344,5 mil empreendedoras

O empreendedorismo feminino em Minas Gerais vem dando sinais de expansão. As mineiras representam 46,8% dos Microempreendedores Individuais (MEI) do Estado e já somam mais de 344, 5 mil empreendedoras. Elas representam a maioria (51%) dos empreendedores mineiros à frente de negócios com até 3,5 anos e estão mais concentradas nos setores de serviço e comércio.

Ainda segundo o estudo, as mulheres são maioria (86%) no comando de empresas de menor porte no Estado, mas têm escolaridade maior que a dos homens. Nas categorias ensino superior completo e pós-graduação, a participação feminina é 10 pontos percentuais maior que a masculina, chegando a 38% entre os gestores de micro e pequenas empresas.

Entre os exemplos de mineiras que vêm se consolidando no mercado está o da estilista Lua Matos, 32 anos, que hoje é proprietária de dois ateliês para venda e aluguel de vestidos de noiva e festa, sendo um em Uberlândia e outro em Patos de Minas. Desde que se formou, há nove anos, ela passou por grandes ateliês de Uberlândia até decidir investir no próprio negócio. "Sempre tive o sonho de trabalhar com minha marca. Há três anos, consegui abrir a primeira loja em Patos de Minas. O negócio deu certo e, há um ano e meio, veio a loja de Uberlândia", destaca a estilista que é responsável pela criação das peças, e conta com nove funcionários entre costureiras, bordadeiras e vendedoras. A marca Lua Matos já conquistou clientes além da região do Triângulo Mineiro, chegando a Brasília, São Paulo, Belo Horizonte e algumas cidades de Goiás.

As irmãs Izabela Giareta, 28 anos, e Lorena Vieira, 29, também de Uberlândia, viram no artesanato com papel uma possibilidade de empreender. Há oito anos, decidiram profissionalizar o negócio, que atendia somente amigos e familiares, e criaram a marca Fofurices de Papel. Por meio de páginas no Facebook e Instagram divulgam as peças produzidas, como convites, agendas, lembranças para festa infantil, álbuns e cartões. "Hoje, a concorrência está maior, por isso, investimos na diferenciação das peças, na participação em eventos que reúnem fornecedores do setor e em promoções. O mercado de festas, principalmente infantil, oferece muitas possibilidades", conta Izabela Giareta que, hoje, tem na personalização de papelaria sua principal fonte de renda.

O consultor do Sebrae Minas em Uberlândia, Ariel Sanches, destaca que o empreendedorismo feminino vem se consolidando não só como alternativa de trabalho e renda, mas de realização profissional para as mulheres. "A participação feminina no comando das micro e pequenas empresas do estado tem se mantido estável nos últimos anos, chegando a 32% em 2015", afirma.

 


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »