07/02/2017 às 08h58min - Atualizada em 07/02/2017 às 08h58min

Toxoplasmose: a culpa não é do gato

O gato não é o principal transmissor da toxaplasmose

 

     Falou em gato e gravidez, pode ter certeza que o assunto toxoplasmose vem à tona. Não é de hoje que o gato é tido como o grande vilão da doença.  O animal é de fato um hospedeiro do protozoário causador da toxoplasmose, porém o que muitos não sabem é que ele não é o principal transmissor. Na verdade, as chances de contrair a doença comendo carne mal passada ou frutas e verduras mal higienizadas é muito maior.
O veterinário Daniel Peixoto do Pronto Socorro Veterinário (PSV) explica o motivo pelo qual o gato não é o principal culpado. Segundo ele para que um felino se contamine é preciso que ele se alimente de roedores, répteis, aves ou outros animais que possam estar contaminados. “Pesquisas mostram que apenas 1% de todos os gatos transmitem o toxoplasma. No caso, um animal doente começa a liberar ovinhos nas fezes após dez dias da contaminação. Essas fezes contaminadas precisam ficar no ambiente pelo menos 48 horas para que esses ovos se tornem infectantes. A partir daí, essas fezes que estão a tempo no ambiente precisam ser ingeridas pelas pessoas através de mãos sujas ou alimentos contaminados. Vale ressaltar que o gato contaminado, por toda sua vida, pode liberar os ovos durante 15 dias apenas”, explicou Daniel Peixoto.
Outra forma de contrair a doença é pela ingestão de qualquer carne crua ou mal passada. E uma pequena parte da transmissão ocorre de mãe para filho durante a gestação. “Então fica claro que o gato não é o vilão da toxoplasmose. A fama de que ele é o principal culpado se deu pela proliferação de informação errada e por alguns profissionais de saúde que passam informações equivocadas”, destacou o veterinário.
Para evitar a doença, as pessoas devem lavar bem as mãos antes de comer e beber e após manipular carnes cruas.  A água ingerida deve ser tratada e filtrada. Não comer carne crua ou mal passada ou qualquer verdura e legumes mal lavados. Evitar ainda comer embutidos manipulados em casa e principalmente sem fiscalização. Para aqueles que tem gato, é importante usar luvas para limpar caixas de areia. Lambidas e mordidas de gatos não transmitem a doença.

Grávidas

O veterinário Daniel Peixoto afirma que é comum receber em sua clínica mulheres grávidas que foram orientadas a desfazer dos seus gatos para evitar que se contaminem. “O principal ponto é saber se essa mulher possui anticorpos de memória ou não para a toxoplasmose. Caso já tenha tido contato com a doença, ela passa a ser protegida e não trará riscos para o feto. Se essa mãe não tiver anticorpos chamados IgG, ela corre risco de se contaminar durante a gestação e transmitir ao bebê. Não há necessidade de se afastar, doar o animal ou abandonar”,   disse Daniel Peixoto.
O veterinário ressalta que se a mulher tiver pretendendo engravidar ou estiver grávida, o médico certamente irá avaliar o risco de contaminação E se tiver convívio com gatos, leve-os para uma consulta com um médico veterinário para que se faça exames. 
Estudos mostram que os casos de toxoplasmose caíram muito nos últimos 30 anos. A diminuição está relacionada ao consumo de água  tratada, carnes congeladas e a maioria dos gatos se alimentarem de ração e não sair para caçar e, portanto, não correm risco de se contaminarem.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »