02/02/2017 às 08h29min - Atualizada em 02/02/2017 às 08h29min

O pós consenso de Washington

É momento de acionar o alerta vermelho nas sociedades avançadas, quanto aos riscos políticos que suas democracias estão incorrendo, a ameaça populista. Conhecida prática política da América Latina, disseminadora de miséria e de desgraças, o populismo, achávamos havia sido sepultado das nações desenvolvidas após a catástrofe dos regimes nazi-fascistas que vigoraram na Europa da primeira metade do século XX.
No campo da retórica, regimes populistas são marcados pelo ódio ao estrangeiro, identificado sob duas perspectivas: 1ª se o país é pobre, o discurso populista se dá pela disseminação do ódio contra os “imperialistas” e, 2ª se o país é rico, a narrativa é pela xenofobia às populações de países pobres, justificada pelo discurso da segurança. Tais regimes ainda são marcados pelo culto ao líder, representado pela insurgência de uma figura messiânica, que se coloca em uma posição de superioridade e, muitas vezes, despótica, além do desrespeito ao contraditório e ás oposições.
Já no que se refere a economia, a prática só vem chancelar o discurso. As restrições ao comércio internacional surgem no sentido de boicotar as “nações culpadas” pelos problemas domésticos, segundo esta abordagem, desemprego, baixo crescimento, baixos salários, seriam fruto da “concorrência desleal” que outros países praticam contra a economia doméstica e, portanto, o protecionismo se justifica. Já o culto ao líder onipotente é chancelado pela irresponsabilidade macroeconômica, através do manuseio de políticas fiscal e monetária expansionista.
No que se refere à inconsistência das políticas macroeconômicas, a profecia de Dornbush (1990), alega que esta se divide em quatro fases: 1ª a expansão fiscal e monetária produz crescimento da demanda agregada, elevando a curto prazo, o produto e o nível de emprego. Esta primeira fase, de acordo com a Teoria da Escolha Pública de Tullock (1976), desperta no eleitor, que possui uma visão míope sobre o futuro, uma sensação de bem estar no presente, favorecendo desta forma, a permanência da situação no governo.
Entretanto, dado que no longo prazo, o crescimento do produto e do emprego, é conduzido pelo lado da oferta, não respondendo a incentivos pelo lado da demanda, as políticas fiscal e monetária não fazem mais efeito sobre o produto e emprego, sendo na segunda fase, caracterizada pelo excesso de demanda criada no curto prazo, causando persistência de déficits orçamentários e externos, além de taxa de juros abaixo do equilíbrio, transforma em alta de preços no longo prazo, atirando a economia na terceira fase, chamada de fase crítica, na qual o câmbio se desvaloriza, a inflação se eleva, diminuindo o bem estar social.
Apenas na quarta fase, haveria uma reversão da política macro, no sentido a se promover um ajuste fiscal e um aperto monetário, retirando desta forma, o bônus político do populista, que tende a ser penalizado pelo eleitor. No Brasil, vivemos isso no período recente, com Lula e Dilma, também na Argentina, Venezuela e outros. Agora, está sendo a vez de nações maduras reexperimentarem este modelo, décadas depois do fracasso do fascismo. Surge em resposta ao modelo institucional, soerguido nos governos Thacther e Reagan e formalizado no consenso de Washington, que tanto bem estar e progresso disseminou no ocidente, as consequências desta afronta ao bom senso, como no passado, serão indesejáveis para a humanidade.

Benito Salomão
Economista, empresário e escritor
www.benitosalomao.com

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »