02/08/2017 às 15h36min - Atualizada em 02/08/2017 às 15h36min

'O Exorcista - A Série'

KELSON VENÂNCIO | COLUNISTA
Foto: Divulgação

 

Confesso que sou um apaixonado pelo gênero terror que desde criança me fascina. Gosto de produções que me passam sustos daqueles de arrepiar e deixar o coração batendo mais forte por um longo tempo. Adoro os filmes que além de nos assustar, ficam marcados em nossa memória porque foram aterrorizantes. E tem um em especial que é o meu predileto, que mesmo com o passar dos tempos, continua sendo o melhor em minha opinião. Falo do clássico "O Exorcista" de 1973, dirigido por William Friedkin e escrito por William Peter Blatty, baseado no livro homônimo de sua autoria.

O longa se tornou um dos mais lucrativos filmes de horror de todos os tempos, arrecadando o equivalente a U$ 441.306.145,00 em bilheteria. O sucesso foi tanto que foram feitas duas sequências, um prequel e um remake baseados no original que continuou insuperável mesmo depois de 43 anos de sua estreia.

Depois de várias tentativas de fazer algo realmente bom como o clássico e de muitos fracassos, a Fox apostou em uma série baseada na história que conhecemos. O que a princípio nos deixou com um "pé atrás", no fim, surpreendeu.

A história contada na TV é uma espécie de continuação do primeiro filme e a trama gira em torno de uma família atormentada por um demônio. Tomás Ortega (Alfonso Herrera) é um padre progressista, ambicioso e compreensivo, que coordena uma pequena paróquia localizada no subúrbio de Chicago. Já o padre Marcus Keane (Ben Daniels) trabalha num dos bairros mais pobres da Cidade do México, sendo obcecado por sua missão religiosa. Ambos se encontram quando precisam lidar com o caso de possessão demoníaca que aflige a família Rance, que integra a paródia do padre Tomás. Desesperada com a situação de sua filha Katherine (Brianne Howey), Angela (Geena Davis) procura a ajuda dos padres. Por mais que eles tenham grandes diferenças de comportamento, precisam unir forças para enfrentar o maior desafio de suas vidas.

O roteiro é interessante, mesmo que cansativo algumas vezes. E a narrativa aborda temas que vão além do drama vivido pela família, indo até mesmo numa polêmica temática dentro da própria igreja católica. Além de uma história bem convincente, temos ótimas interpretações de todo o elenco que se mostra extremamente afiado nas atuações com uma química entre eles muito boa de assistir. Especialmente nas cenas de possessão, é muito interessante e gratificante ver a entrega dos atores aos seus personagens.

A tecnologia moderna nos ajuda a ter ótimos efeitos visuais, mas o fato de ser uma produção para a TV, limita a exposição total do que um filme de terror como "O Exorcista" poderia oferecer com os efeitos especiais de hoje. Sim, a série tem praticamente todos os elementos necessários para o bom terror. Sangue, violência, demônios, vômitos, fenômenos sobrenaturais e outros, mas tudo na medida certa para ser exibida na televisão. Temos mais cenas de muita tensão do que cenas tão explícitas como no antigo longa.

Com apenas 10 capítulos, o seriado é muito bom, principalmente após algumas revelações inusitadas que acontecem ao longo dos episódios e que dão mais sentido à trama desenvolvida. O consenso diz, "O Exorcista" não chega perto de seu clássico de origem, mas ainda possui uma narrativa tensa que administra alguns dos legítimos fatores assustadores e conta com credíveis efeitos especiais. E eu concordo com o consenso. Que venha uma nova temporada desta produção que não chega a ser melhor que a original, mas sem dúvida é a melhor continuação de todas já feitas.

Nota 8

Relacionadas »
Comentários »