18/09/2021 às 08h00min - Atualizada em 18/09/2021 às 08h00min

Os incômodos e doenças provocadas pela baixa umidade do ar (Tempo seco)

TÚLIO MENDHES
O outono e o inverno são as estações de pouca ou nenhuma chuva na maioria das áreas do Brasil, favorecendo a maior exposição no ar de agentes nocivos à nossa saúde. Pois bem... de acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS, a umidade ideal do ar compreende a faixa entre 50% e 80%. Entretanto, especificamente nessa época do ano, ela tende a cair, inclusive, abaixo de 30%. Nós que moramos no Sudeste somos, geralmente, os mais prejudicados. Concluiu-se que esta “teoria” é um fato, justamente porque há um significativo aumento de buscas por atendimento médico, principalmente por pessoas alérgicas. Isso acontece porque nossas mucosas costumam ressecar e inflamar nestes períodos.
 
A baixa umidade do ar provoca diversos incômodos. Como primeiro exemplo, cito o surgimento de doenças na pele, como as dermatites. O tempo seco diminui parte da camada natural de proteção da nossa pele, que consequentemente perde a lubrificação natural, por isso surgem as coceiras e as famosas dermatites. Por isso, é preciso estar atento a hábitos simples que podem evitar complicações como hidratar a pele, usar hidratantes labiais, tomar banhos rápidos, manter a água em uma temperatura morna quase fria, usar sabonetes neutros, evitar a utilização de buchas, secar a pele suavemente.
 
Inclusive outras doenças muito comuns durante essa época podem nos afetar, uma vez que os vírus e bactérias também estão à solta pelo ar, por exemplo, os diversos problemas nas vias respiratórias, como faringite, asma. Além do mais, a soma do ar seco e a baixa umidade faz com que a garganta seja afetada pela secura do ar, tanto que nesse período é muito comum a inflamação na faringe e rouquidão. Pois, a espessura grossa do muco colabora para que os agentes infecciosos permaneçam no nosso organismo durante mais tempo, com a possibilidade de se multiplicarem. Portanto para a devida proteção de nossas vias aéreas, os médicos recomendam o uso de umidificadores de ar, lavar o nariz com soro fisiológico várias vezes ao dia, são ações simples, mas efetivas que protegem o nosso corpo e reduzem a porta de entrada de agentes deletérios presentes no ar. Ahhhh e a dica de ouro é BEBERMOS MUITA ÁGUA, pois a hidratação ajuda a manter a produção do muco nas mucosas, o que significa manter a proteção natural das cavidades nasais, da faringe e da laringe, que formam a via aérea superior.
 
Lembrando que dependendo da doença, podemos apresentar também dor de cabeça, conjuntivite alérgica, crises de rinite e cansaço.
 
O ar seco que atinge Uberlândia merece atenção, afinal, essa condição eleva a concentração de poluentes, aumentando  em até 50% o risco cardíaco das pessoas com alguma fragilidade clínica. O risco aumenta porque para manter a pressão arterial com os vasos dilatados, o coração precisa bater mais forte. Além de o coração ser obrigado a fazer mais esforço, os poluentes do ar promovem a circulação de vírus e bactérias. A fumaça liberada pelos veículos e indústrias, além das queimadas e a poeira, são alguns dos agentes que ficamos expostos diariamente e com maior frequência por dias consecutivos e sem chuva.
 
Portanto, quando falamos de tempo seco, temos os quadros irritativos, seja nos olhos, nariz ou boca e os outros problemas ocasionados pela secura é o ressecamento da pele e a dificuldade de respirar. Repetindo quantas vezes for necessário... devemos ingerir bastante água – aproximadamente cerca de dois litros por dia ou 10 copos de água de 200, afinal ela hidrata todos os órgãos, inclusive pele e mucosa. A prática de lavar – hidratar os olhos com soro fisiológico ou com colírio de lágrima artificial, é bastante eficiente. Protegermos ao máximo do sol evitando o ressecamento das mucosas e pele. Para os esportistas de plantão a dica é evitar a prática de exercícios em horários com muito sol, por exemplo, entre as 11h às 17h. Só lembrando que o uso de máscara,  além de nos proteger da Covid-19, ainda pode ajudar no controle a inalação de fuligem de queimadas irregulares provocadas por seres boçais.
 
Por fim, você também pode colocar uma bacia com água no ambiente, uma toalha umedecida para minimizar os efeitos do ar seco, do ar poluído. Essas são apenas mais algumas dicas para evitar o surgimento dos sintomas comentados por hoje.
 
Até a semana que vem, saúde e paz!
 
 
 Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
 
 
Tags »
Relacionadas »
Comentários »