17/08/2021 às 08h00min - Atualizada em 17/08/2021 às 08h00min

Curiosidades

ANTÔNIO PEREIRA

Passagens que o sr. Sebastião Capparelli me contou.
 

Quando a cidade, atraída pela estação da Mogiana, subiu para o planalto onde está o centro, estabeleceu-se uma divisória social: as famílias que moravam lá perto da estação eram tidas como inferiores. Os cá de baixo, do velho Fundinho, não se misturavam com os lá de cima.
 

O Italino era vendedor de jornais. Quando chegavam, pela Mogiana, as revistas juvenis, como o Suplemento Juvenil com as aventuras do Flash Gordon, do Jim das Selvas; o Tico-tico, com Zé Macaco e Faustina, Reco-reco, Bolão e Azeitona, o Italino descia correndo com seu pacote de jornais e revistas para a praça da República. Lá estavam seus infalíveis fregueses. A molecada de perto da estação, que queria comprar sua revista, descia desabalada atrás.
 

A cidade era muito preconceituosa. Os fazendeiros não deixavam suas filhas se casarem com filhos de italianos.
 

Dona Arzelina, brasileira de Queluz, no estado de São Paulo, foi a matrona dos Capparelli que se fixaram na velha Uberabinha. Giuseppe era o pai. Depois de casado, já com filhos brasileiros, Giuseppe resolveu passear na velha terra. Na hora de voltar, dona Arzelina queria ficar, mas Giuseppe não estava gostando nada do que viu por lá e voltaram direto para Uberabinha. Compraram do pai do Tubal Vilela o imóvel que ficava na esquina da João Pinheiro com a João Pessoa. Ali montaram armazém, a residência da família e uma pensão, a pensão Brasil cujos fregueses mais comuns eram os italianos que chegavam de Sacramento e de São Paulo. Gente que ia para as roças do pontal. Ali se faziam festas de casamento, batizado, refaziam-se desentendimentos familiares, acolhiam doentes que vinham se tratar. Dona Arzelina orientava os filhos: “Ninguém senta no vaso. Subam em cima e agachem.” Tinha medo que as crianças pegassem doenças.
 

Agripino Augusto da Silva era irmão do Tubal Vilela. Eram sobrinhos do Giuseppe. Construiu um Hotel e um Armazém na praça da República, onde está a Loja Riachuelo. Era o Hotel Colombo e o Armazém Colombo. Como o armazém não estava dando muito certo ali, mudou-o para a avenida Afonso Pena, esquina com a rua Goiás. O prédio da praça ficou apenas como Hotel. Agripino não gostava do próprio nome e mudou-o para Colombo Vilela dos Reis. Vilela veio da mãe, Reis ninguém sabe de onde.
 

O segundo avião que desceu aqui foi do Correio. Quem pilotava era o Eduardo Gomes (o Brigadeiro) que muitos anos depois foi candidato a presidente da república pela UDN. Ele ia para a Barra do Garça. Desceu lá onde estão o Hospital Santa Genoveva e aquele pequeno shopping pioneiro. Ali havia um campo de aviação e mais nada.
 

A família Valente também é das antigas. Seu Valente trouxe o primeiro caminhão para Uberabinha. Era um Fiat. O motor ficava do lado de fora. Tinha uma corrente engatada no eixo traseiro. (Não deve ter sido o primeiro, mas vale pela informação curiosa).
 

No comecinho da avenida Araguari, ali no bairro Bom Jesus, havia uma pista de corrida de cavalos. Só de ida. Quem vencia muitas corridas lá era o cavalo Pingo, montado por seu proprietário, o Juca Ribeiro, depois técnico por muitos anos do Uberlândia Esporte Clube.

 
Relacionadas »
Comentários »