21/08/2020 às 16h30min - Atualizada em 21/08/2020 às 16h30min

A relevância dos rituais

CELSO MACHADO
Quando nosso filho era ainda criança, em torno de 10 anos de idade, o matriculamos para aprender judô. Levei na primeira aula e acompanhei com curiosidade a sua introdução nesse esporte que tem aspectos outros, além da movimentação física.

De cara fiquei surpreso quando o professor orientou que ele beijasse o tatame para agradecer o tapete que iria receber seu corpo. Para ser sincero considerei aquilo uma “babaquice” e pelo olhar do meu filho me pareceu que a opinião era a mesma.

Na segunda vez, reparei que deu um pouco mais de atenção e a partir daí passou a fazer de verdade e com convicção aquele gesto de reverência ao tatame. Foi uma lição não só para ele, mas principalmente para mim.

Refiz minha avaliação sobre rituais e a relevância deles em nossas vidas. Seja cantar um hino, participar de uma solenidade religiosa, assistir uma colação de grau e por aí vai. Dentre esses, um que tem significado marcante é o do casamento. Nem tanto pela festa, se bem que compartilhar felicidade com pessoas queridas tem muito a ver. Nem pela roupa, ainda que o branco da noiva e o terno no homem dizem muito sobre o simbolismo do ato. Mas pelo que transmite aos familiares, amigos, comunidade e muito especialmente aos noivos. A declaração de amor, fidelidade, respeito e cuidado mútuo.

Nos olhares que se cruzam, nas palavras pronunciadas, há uma cumplicidade de manter vivos os sentimentos que originaram a relação. De duas pessoas que se unem para seguirem juntas os mesmos caminhos, apoiando-se reciprocamente.

Talvez para muitos dos presentes nesses eventos pareçam simples tradição, mas para os protagonistas, que são pessoas do bem, têm princípios e dignidade, é o momento de assumir uma união permanente. De comunicar formalmente a consistência dessa ligação. Como o próprio enunciado diz: na saúde e na doença; na alegria e na tristeza. Juntos para sempre.

Sou tocado toda vez que participo de uma solenidade assim. Quando ela envolve pessoas muito próximas e queridas, aí então a emoção é indescritível.

O que posso desejar para um jovem casal cuja vida está unindo-os pelas afinidades, sintonia, sentimentos? Que continuem sendo o que sempre foram: carinhosos, amigos, apaixonados, companheiros um do outro. Para reforçarem que a união é para valer, que estão ali não mais fazendo promessas e sim compromissos. Que esse ritual do seu casamento tem relevância porque tem verdade na sua essência!
 



Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.

 
Relacionadas »
Comentários »